Search
terça-feira 2 março 2021
  • :
  • :

Últimos dias antes do Natal – 24 de dezembro do Advento (Missa da vigília)

Celebramos, nesta vigília de Natal, o cumprimento das promessas de Deus, que por amor envia o próprio Filho para fazer brilhar entre nós sua salvação. Anunciado pelos profetas, Jesus é o Emanuel, o Deus sempre conosco. Nele o Pai firmou sua aliança indissolúvel. Dele João não se considerou digno nem sequer de desamarrar as sandálias. Cheios de alegria, cantemos eternamente o amor de Deus por nós.

Primeira Leitura: Isaías 62,1-5

Leitura do livro do profeta Isaías – 1Por amor de Sião não me calarei, por amor de Jerusalém não descansarei, enquanto não surgir nela, como um luzeiro, a justiça e não se acender nela, como uma tocha, a salvação. 2As nações verão a tua justiça, todos os reis verão a tua glória; serás chamada com um nome novo, que a boca do Senhor há de designar. 3E serás uma coroa de glória na mão do Senhor, um diadema real nas mãos de teu Deus. 4Não mais te chamarão Abandonada, e tua terra não mais será chamada Deserta; teu nome será Minha Predileta e tua terra será a Bem Casada, pois o Senhor agradou-se de ti e tua terra será desposada. 5Assim como o jovem desposa a donzela, assim teus filhos te desposam; e como a noiva é a alegria do noivo, assim também tu és a alegria de teu Deus. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 88(89)

R. Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor!

  1. “Eu firmei uma aliança com meu servo, meu eleito, / e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor: / Para sempre, no teu trono, firmarei tua linhagem, / de geração em geração garantirei o teu reinado!” – R.
  2. Quão feliz é aquele povo que conhece a alegria: / seguirá pelo caminho, sempre à luz de vossa face! / Exultará de alegria em vosso nome dia a dia, / e com grande entusiasmo exaltará vossa justiça. – R.
  3. “Ele então me invocará: ‘Ó Senhor, vós sois meu Pai, / sois meu Deus, sois meu rochedo onde encontro a salvação!’ / Guardarei eternamente para ele a minha graça / e com ele firmarei minha aliança indissolúvel.” – R.

Segunda Leitura: Atos 13,16-17.22-25

Leitura dos Atos dos Apóstolos – Tendo chegado a Antioquia da Pisídia, 16Paulo levantou-se na sinagoga, fez um sinal com a mão e disse: “Israelitas e vós que temeis a Deus, escutai! 17O Deus deste povo de Israel escolheu os nossos antepassados e fez deles um grande povo quando moravam como estrangeiros no Egito; e de lá os tirou com braço poderoso. 22Em seguida, Deus fez surgir Davi como rei e assim testemunhou a seu respeito: ‘Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que vai fazer em tudo a minha vontade’. 23Conforme prometera, da descendência de Davi Deus fez surgir para Israel um salvador, que é Jesus. 24Antes que ele chegasse, João pregou um batismo de conversão para todo o povo de Israel. 25Estando para terminar sua missão, João declarou: ‘Eu não sou aquele que pensais que eu seja! Mas vede, depois de mim vem aquele do qual nem mereço desamarrar as sandálias’”. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Mateus 1,18-25

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – 18A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. 19José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 20Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe em sonho e lhe disse: “José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. 21Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. 22Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 23“Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”. 24Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado: aceitou sua esposa. 25E sem ter relações com ela, Maria deu à luz um filho. E José deu ao menino o nome de Jesus. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Após enquadrar o foto historicamente, Lucas narra o nascimento de Jesus em Belém, na Judeia, e a visita dos pastores ao recém-nascido. Deus vem a nós encarnado na criança frágil e indefesa. Seu nascimento acontece num contexto de migração. Nasce numa estrebaria porque não havia lugar para ele na sala. Hoje ele encontra lugar em nosso coração, em nossas famílias e nas ceias natalinas? Ele não entra onde há ostentação, orgulho, arrogância e prepotência. Ele não nasce em palácios, pois lá os pobres não têm acesso; ele nasce numa estrebaria, lugar onde os pobres podem frequentar. Foi justamente os pobres e desprezados pastores que foram os primeiros a receber a boa notícia e visitar o recém-nascido. Jesus nasce pobre e se revela aos pobres, e são estes que o visitam e o acolhem. Natal é a festa da alegria, da simplicidade, do amor e da fraternidade. Luxo, pompa, ostentação não fazem parte dessa festa da cristandade. Infelizmente o comércio e o consumo acabam sufocando a genuinidade e a ternura dessa festa. Para que nossos natais sejam autênticos, precisamos voltar a Belém e recuperar o sentido da “manjedoura”.

 

Liturgia Diária

É um subsídio mensal que contempla toda a caminhada litúrgica de cada mês. Apresenta ao leitor algumas opções de orações eucarísticas, um breve comentário dos santos e das leituras de cada dia, uma variada opção de cantos, além de trazer, a cada domingo, uma opção de círculo bíblico.

Assinar

 




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *