Categorias
Notícias

O Papa com os Patriarcas orientais no dia de oração pelo Líbano

Um momento de intensa comunhão e fraternidade para invocar a paz no País dos Cedros reuniu Francisco com os responsáveis das Comunidades cristãs libanesas para o Dia dedicado ao Líbano.

Juntos pelo Líbano. O Dia de Oração pela Paz no país dos Cedros, convocado pelo Papa Francisco, teve início no Vaticano, na Casa Santa Marta, nesta manhã de quinta-feira, com a saudação dirigida pelo Papa aos responsáveis das Comunidades cristãs libanesas e aos membros das Delegações. Compartilharam os gestos e silêncios de Francisco o cardeal Bechara Boutros Rai, patriarca de Antioquia dos maronitas, Youhanna X, patriarca greco-ortodoxo de Antioquia e de todo o Oriente; Inácio Aphrem II, Patriarca sírio-ortodoxo de Antioquia, Aram I, Católicos da Cilícia dos Armênios; Inácio Youssef III, patriarca siro-católico de Antioquia; Youssef Absi, patriarca de Antioquia dos greco-melquitas; o reverendo Joseph Kassab, presidente do Conselho Supremo das Comunidades Evangélicas na Síria e no Líbano; e o bispo de Beirute dos Caldeus, Michel Kassarji. Também presentes o cardeal Leonardo Sandri, prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, dom Joseph Spiteri, núncio apostólico no Líbano, e o arcebispo Paul Richard Gallagher, secretário para as Relações com os Estados.

O Pontífice e os Patriarcas, em seguida, se dirigiram a pé da Casa Santa Marta até a Basílica vaticana entrando pela Porta da Oração. Poucos metros nos quais se condensaram o longo caminho de oração e reflexão sobre o Líbano que começou com a proposta de São João Paulo II, em 1991, de convocar um Dia para o Líbano e continuou com o Sínodo Especial celebrado em 1995 em Roma.

Diante do túmulo de Pedro

Em seguida, a cena se transferiu para dentro da Basílica para um breve momento de oração. Diante do túmulo do Apóstolo, o Pontífice e os responsáveis das Comunidades cristãs libanesas elevaram a sua súplica a Deus para invocar a paz para o Líbano. Descendo as escadas que levam à Confissão de Pedro, Francisco e os Patriarcas colocaram uma vela acesa diante do túmulo do Apóstolo, um sinal de esperança para o povo libanês, que há muito sofre por causa da instabilidade em vários níveis. O Papa e os responsáveis das comunidades cristãs libanesas se dirigiram então ao Palácio Apostólico para participar de três sessões de encontros a portas fechadas que marcarão o dia, moderadas pelo núncio Spiteri.

Oração ecumênica

O programa do Dia termina no início da noite, na Basílica do Vaticano, com a oração ecumênica marcada pela proclamação de algumas passagens da Palavra de Deus, alternadas com orações de invocação e cantos das diversas tradições rituais presentes no Líbano, com textos em árabe, siríaco, armênio, caldeu. Ao final da celebração, o sinal por excelência, o da paz, que não será trocado da maneira tradicional, em conformidade com as normas relacionadas à pandemia. Mas alguns jovens entregarão aos líderes cristãos uma lâmpada acesa, que será então colocada sobre um candelabro: é a esperança de paz para aquela terra. Enfim, as palavras de Francisco para concluir este dia de invocações e desejos em prol do Líbano.

FONTE: VATICAN NEWS