Search
segunda-feira 3 agosto 2020
  • :
  • :

Papa recorda 7 anos da visita a Lampedusa com Missa na Santa Marta

cq5dam-thumbnail-cropped-750-422

Também neste ano o Papa Francisco quer recordar com a celebração de uma Missa o aniversário de sua visita a Lampedusa, na ilha entre a Tunísia e a Itália, em frente a um trecho de mar, o “Canal da Sicília” que, ao invés de ser um caminho de esperança, transformou-se em um caminho de morte para milhares de migrantes.

Será nesta quarta-feira – agora que a Audiência Geral está suspensa durante todo o mês de julho – na capela da Casa Santa Marta, das 11 às 12. Dada a atual situação sanitária, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, comunica que somente o pessoal da Seção de Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral irá participar..

Em 2019, Missa no altar da Cátedra na Basílica de São Pedro

No ano passado, o Papa celebrou a Santa Missa no Altar da Cátedra da Basílica de São Pedro, com a presença de cerca de 250 pessoas, entre migrantes, refugiados e aqueles que trabalharam para salvar suas vidas.

Em sua primeira viagem fora do Vaticano, Francisco quis denunciar a “globalização da indiferença”, que deixa insensível ao clamor dos outros. Em sua primeira saída oficial dos muros do Vaticano, Francisco já exibia alguns dos sinais que mais tarde marcariam seu Pontificado: as periferias, os últimos, os gestos cheios de significado.

Em uma entrevista que abre o livro “In viaggio”, de Andrea Tornielli, o Papa Francisco diz que se sentiu “tocado e comovido” pelas notícias sobre migrantes que morreram no mar “afogadas”: pessoas comuns, crianças, mulheres, homens que continuam a perder a vida ainda hoje, sete anos depois daquela viagem, em travessias desesperadas, a bordo de barcos improvisados, confiados e gerenciados por pessoas sem escrúpulos.

“Caímos na globalização da indiferença”

No lugar simbólico do sofrimento no Mediterrâneo, o grito do Papa ainda ecoa: “neste mundo da globalização, caímos na globalização da indiferença”, “nos acostumamos ao sofrimento do outro, não nos diz respeito, não nos interessa, não é assunto nosso”! ‘Nos foi tirada a capacidade de chorar”.

A oração foi então a de pedir ao Senhor “perdão pela indiferença para com tantos irmãos e irmãs”, “perdão para aqueles que se acomodaram e se fecharam em seu próprio bem-estar, o que leva à anestesia do coração”, “perdão para aqueles que com suas decisões globais, criaram situações que levam a esses dramas”, para que o mundo tenha “a coragem de acolher aqueles que buscam uma vida melhor “.

Via Vatican News




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *