Categorias
Santo do dia

São Justino, Mártir

Filósofo cristão e cristão filósofo, como foi acertadamente definido, Justino (nascido em Flávia Neápolis, na Samaria, no início do século II) pertence àquela plêiade de pensadores que em cada período da história da Igreja tentaram uma síntese da provisória sabedoria humana e das inalteráveis afirmações da revelação cristã. O itinerário da sua conversão a Cristo passa pela experiência estoica, pitagórica, aristotélica e neoplatônica. Daí o desenlace quase inevitável, ou melhor, providencial e a adesão à verdade integral do cristianismo.

Ele mesmo conta que, insatisfeito com as respostas dadas pelas várias filosofias, retirou-se para um lugar deserto, à beira-mar, para meditar e que um velho, a quem tinha confiado sua desilusão, respondeu-lhe que nenhuma filosofia podia satisfazer o espírito humano, porque a razão sozinha é incapaz de garantir a posse plena da verdade sem o auxílio de Deus.

Foi assim que Justino aos trinta anos descobriu o cristianismo, tornou-se seu propagador e para proclamar ao mundo essa sua descoberta escreveu suas duas Apologias. A primeira delas dedicou-a ao imperador Antonino Pio e ao filho Marco Aurélio, ao Senado e ao povo romano. Escreveu outras obras, pelo menos oito, entre as quais a mais considerável é intitulada Diálogo com Trifão e é relembrada porque abre o caminho à polêmica antijudaica na literatura cristã. Mas as duas Apologias permanecem como o documento mais importante, porque destes escritos aprendemos como era explicado o cristianismo naquela época e como eram celebrados os ritos litúrgicos, em particular a administração do batismo e a celebração do mistério eucarístico. Aqui não há argumentações filosóficas, mas comoventes testemunhos de vida da primitiva comunidade cristã, à qual Justino está feliz de pertencer: “Eu, um deles…”. Tal afirmação podia custar-lhe a vida. De fato Justino pagou com a vida a sua pertença à Igreja.

Por ocasião de sua ida a Roma, foi denunciado por um hipócrita e cínico filósofo, Crescêncio, com quem havia disputado por muito tempo. Também o magistrado que o julgou era filósofo estoico, amigo e confidente de Marco Aurélio. Mas para o magistrado, Justino não passava de simples cristão, igual a seus seis companheiros, entre os quais uma mulher, todos condenados à decapitação pela sua fé em Cristo. Do martírio de são Justino e companheiros se conservam as Atas autênticas.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

Fonte: Paulus.

Categorias
Evangelho do dia

Terça-Feira da 9° Semana do Tempo Comume

SÃO JUSTINO, MÁRTIR

(vermelho, pref. dos mártires, – ofício da memória)

Os pagãos me contaram suas fábulas, mas nada valem perante a vossa lei. Diante dos reis, falei de vossa aliança sem me envergonhar (Sl 118,85.46).

Justino viveu na Palestina no 2º século. Leigo e professor de filosofia, encontrou a fé não pela pregação dos missionários, mas pela busca pessoal da verdade. Elaborou uma síntese do pensamento cristão em seus escritos, dos quais nos restam apenas dois: Apologias e Diálogo com Trifão. Seu exemplo, selado com o martírio, nos leve a seguir a Verdade única, Jesus Cristo.

Primeira Leitura: Tobias 2,9-14

Leitura do livro de Tobias – Eu, Tobit, na noite de Pentecostes, depois de ter sepultado um morto, 9tomei banho, entrei no pátio de minha casa e deitei-me junto à parede do pátio, deixando o rosto descoberto por causa do calor. 10Não sabia que, na parede, por cima de mim, havia pardais aninhados. Seu excremento quente caiu nos meus olhos e provocou manchas brancas. Fui procurar os médicos para me tratarem. Quanto mais remédios me aplicavam, mais meus olhos se obscureciam com as manchas, até que fiquei completamente cego. Durante quatro anos, estive privado da vista. Todos os meus irmãos se afligiram por minha causa. Aicar cuidou do meu sustento durante dois anos, até que partiu para Elimaida. 11Naquela ocasião, Ana, minha mulher, dedicou-se a trabalhos femininos, tecendo lã. 12Entregava o produto aos patrões e estes lhe pagavam o salário. No sétimo dia do mês de Distros, ela separou a peça de tecido que estava pronta e mandou-a aos patrões. Estes pagaram-lhe todo o salário e ainda lhe deram um cabrito para a mesa. 13Quando entrou em minha casa, o cabrito começou a balar. Chamei minha mulher e perguntei-lhe: “De onde vem este cabrito? Não terá sido roubado? Devolve-o a seus donos, pois não temos o direito de comer coisa alguma roubada”. 14Ela respondeu-me: “É um presente que me foi dado além do salário”. Mas não acreditei nela e insisti que o devolvesse aos patrões, ficando bastante contrariado por causa disso. Ela então replicou: “Onde estão as tuas esmolas? Onde estão as tuas obras de justiça? Vê-se bem em ti o que elas são!” – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 111(112)

O coração do justo é firme e confiante no Senhor.

1. Feliz o homem que respeita o Senhor / e que ama com carinho a sua lei! / Sua descendência será forte sobre a terra, / abençoada a geração dos homens retos! – R.

2. Ele não teme receber notícias más: / confiando em Deus, seu coração está seguro. / Seu coração está tranquilo e nada teme, / e confusos há de ver seus inimigos. – R.

3. Ele reparte com os pobres os seus bens, † permanece para sempre o bem que fez, / e crescerão a sua glória e seu poder. – R.

Evangelho: Marcos 12,13-17

Aleluia, aleluia, aleluia.

Que o Pai do Senhor Jesus Cristo / vos dê do saber o Espírito, / para que conheçais a esperança / reservada para vós como herança! (Ef 1,17s) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 13as autoridades mandaram alguns fariseus e alguns partidários de Herodes para apanharem Jesus em alguma palavra. 14Quando chegaram, disseram a Jesus: “Mestre, sabemos que tu és verdadeiro e não dás preferência a ninguém. Com efeito, tu não olhas para as aparências do homem, mas ensinas, com verdade, o caminho de Deus. Dize-nos: é lícito ou não pagar o imposto a César? Devemos pagar ou não?” 15Jesus percebeu a hipocrisia deles e respondeu: “Por que me tentais? Trazei-me uma moeda para que eu a veja”. 16Eles levaram a moeda, e Jesus perguntou: “De quem é a figura e a inscrição que estão nessa moeda?” Eles responderam: “De César”. 17Então Jesus disse: “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. E eles ficaram admirados com Jesus. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Talvez atordoados com a conclusão da parábola dos vinhateiros, os chefes do povo se retraem e empurram para a frente um grupo composto de fariseus e partidários de Herodes, a fi m de enfrentarem Jesus. Eles vêm armados de malícia, sedentos para ver Jesus tomar partido em questões políticas. Se disser que se deve pagar o tributo ao imperador (posição dos herodianos), Jesus se colocará contra o povo; se disser que não se deve pagar (posição dos fariseus), poderá ser enquadrado pela autoridade romana. Jesus não faz uma avaliação política sobre o que é bom ou ruim no estado romano, porém afirma um princípio moral: Deus é o rei supremo a quem devemos servir. Quanto ao povo, seja tratado com respeito, e não como vítima de exploração de qualquer poder político: “Devolvam a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”.

Oração
Ó Jesus Mestre, fariseus e herodianos pretendem confundir-te: estás a favor do imperador ou contra? Sabiamente te pões do lado do povo. César não é senhor absoluto. Senhor absoluto da história é Deus, a quem todos devem servir. Ensina, Senhor, nossos dirigentes a governar com justiça. Amém.

(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

Fonte: Paulus.

Categorias
Notícias

No domingo da Santíssima Trindade papa afirma: “Viver a unidade, mesmo na diferença”

Francisco, na alocução que precedeu a oração mariana do Angelus, refletiu sobre a unidade invocada por Jesus que não pode ser ignorada: “a beleza do Evangelho requer ser vivida e testemunhada em harmonia entre nós, que somos tão diferentes!”. E essa unidade, esse mistério imenso revelado pelo próprio Jesus, acrescentou o Pontífice, “não é uma atitude, uma forma de dizer”, mas “é essencial porque nasce do amor” de Deus que, “embora seja um e único, não é solidão, mas comunhão”.

Num domingo (30) de tempo instável na Cidade do Vaticano, diferente dos dias quentes e anteriores de primavera na Europa, o Papa Francisco aqueceu os corações dos fiéis no Angelus ao refletir a liturgia do dia em que se celebra a Santíssima Trindade, “o mistério de um único Deus, e esse Deus é: o Pai e o Filho e o Espírito Santo, três pessoas”. O Pontífice disse que pode ser difícil de entender, mas “é um só deus e três pessoas”, um mistério revelado pelo próprio Jesus Cristo:

Hoje paramos para celebrar esse mistério, porque as Pessoas não são adjetivações de Deus, não. São pessoas, reais, diversas, diferentes. Não são – como dizia aquele filósofo – ‘emanações de Deus’, não, não! São pessoas. Há o Pai, a quem rezo com o Pai Nosso; há o Filho, que me deu a redenção, a justificação; há o Espírito Santo que habita em nós e que habita na Igreja. 

Esse é um grande mistério que fala “ao nosso coração”, insistiu o Papa, porque o encontramos incluído na expressão de São João que resume toda revelação: “Deus é amor”. Um mistério que deve ser vivido por nós, fortalecendo a nossa comunhão com o Senhor e com as pessoas com as quais convivemos, não só através das palavras, mas com a força da unidade e do amor:

“E, na medida em que é amor, Deus, embora seja um e único, não é solidão, mas comunhão, entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Porque o amor é essencialmente dom de si e, na sua realidade original e infinita, é Pai que se entrega gerando o Filho, que por sua vez se entrega ao Pai, e o seu amor recíproco é o Espírito Santo, vínculo da sua unidade.”

A unidade ao cristão que nasce do amor

O Papa, assim, refletiu sobre a importância deste Domingo da Santíssima Trindade nos encorajando a “contemplar esse maravilhoso mistério de amor e de luz”, sem ignorar a unidade invocada por Jesus: “a beleza do Evangelho requer ser vivida – a unidade – e testemunhada em harmonia entre nós, que somos tão diferentes!”.

“E essa unidade, eu ouso dizer, é essencial para o cristão: não é uma atitude, uma forma de dizer, não. É essencial, porque é a unidade que nasce do amor, da misericórdia de Deus, da justificação de Jesus Cristo e da presença do Espírito Santo nos nossos corações.”

Fonte: Vatican News

Categorias
Notícias

No domingo da Santíssima Trindade papa afirma: “Viver a unidade, mesmo na diferença”

Francisco, na alocução que precedeu a oração mariana do Angelus, refletiu sobre a unidade invocada por Jesus que não pode ser ignorada: “a beleza do Evangelho requer ser vivida e testemunhada em harmonia entre nós, que somos tão diferentes!”. E essa unidade, esse mistério imenso revelado pelo próprio Jesus, acrescentou o Pontífice, “não é uma atitude, uma forma de dizer”, mas “é essencial porque nasce do amor” de Deus que, “embora seja um e único, não é solidão, mas comunhão”.

Num domingo (30) de tempo instável na Cidade do Vaticano, diferente dos dias quentes e anteriores de primavera na Europa, o Papa Francisco aqueceu os corações dos fiéis no Angelus ao refletir a liturgia do dia em que se celebra a Santíssima Trindade, “o mistério de um único Deus, e esse Deus é: o Pai e o Filho e o Espírito Santo, três pessoas”. O Pontífice disse que pode ser difícil de entender, mas “é um só deus e três pessoas”, um mistério revelado pelo próprio Jesus Cristo:

Hoje paramos para celebrar esse mistério, porque as Pessoas não são adjetivações de Deus, não. São pessoas, reais, diversas, diferentes. Não são – como dizia aquele filósofo – ‘emanações de Deus’, não, não! São pessoas. Há o Pai, a quem rezo com o Pai Nosso; há o Filho, que me deu a redenção, a justificação; há o Espírito Santo que habita em nós e que habita na Igreja. 

Esse é um grande mistério que fala “ao nosso coração”, insistiu o Papa, porque o encontramos incluído na expressão de São João que resume toda revelação: “Deus é amor”. Um mistério que deve ser vivido por nós, fortalecendo a nossa comunhão com o Senhor e com as pessoas com as quais convivemos, não só através das palavras, mas com a força da unidade e do amor:

“E, na medida em que é amor, Deus, embora seja um e único, não é solidão, mas comunhão, entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Porque o amor é essencialmente dom de si e, na sua realidade original e infinita, é Pai que se entrega gerando o Filho, que por sua vez se entrega ao Pai, e o seu amor recíproco é o Espírito Santo, vínculo da sua unidade.”

A unidade ao cristão que nasce do amor

O Papa, assim, refletiu sobre a importância deste Domingo da Santíssima Trindade nos encorajando a “contemplar esse maravilhoso mistério de amor e de luz”, sem ignorar a unidade invocada por Jesus: “a beleza do Evangelho requer ser vivida – a unidade – e testemunhada em harmonia entre nós, que somos tão diferentes!”.

“E essa unidade, eu ouso dizer, é essencial para o cristão: não é uma atitude, uma forma de dizer, não. É essencial, porque é a unidade que nasce do amor, da misericórdia de Deus, da justificação de Jesus Cristo e da presença do Espírito Santo nos nossos corações.”

Fonte: Vatican News

Categorias
Santo do dia

Visitação de Nossa Senhora

Após a anunciação do anjo, Maria sai (apressadamente, diz Lucas) para visitar sua prima Isabel e prestar-lhe serviços. Ajuntando-se provavelmente a alguma caravana de peregrinos que vão à Jerusalém, passa a Samaria e atinge Ain-Karin, na Judeia, onde mora a família de Zacarias. É fácil imaginar os sentimentos que povoam sua alma na meditação do mistério anunciado pelo anjo. São sentimentos de humilde gratidão para com a grandeza e bondade de Deus, que Maria expressará na presença da prima com o hino do Magnificat, a expressão “do amor jubiloso que canta e louva o amado” (diz são Bernardino de Sena): “A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito exulta em Deus, meu Salvador…”.

A presença do Verbo encarnado em Maria é causa de graça para Isabel que, inspirada, percebe os grandes mistérios que se operam na jovem prima, a sua dignidade de Mãe de Deus, a sua fé na palavra divina e a santificação do precursor, que exulta de alegria no ventre da mãe. Maria ficou com Isabel até o nascimento de João Batista, aguardando provavelmente outros oito dias para o rito da imposição do nome. Aceitando esta contagem do período passado junto com a prima Isabel, a festa da Visitação, de origem franciscana (os frades menores já a celebravam em 1263), era celebrada a dois de julho, isto é, ao término da visita de Maria. Teria sido mais lógico colocar a memória depois do dia 25 de março, festa da Anunciação, mas procurou-se evitar que caísse no período quaresmal.

A festa foi depois estendida a toda a Igreja Latina pelo papa Urbano VI para propiciar com a intercessão de Maria a paz e a unidade dos cristãos divididos pelo grande cisma do Ocidente. O sínodo de Basileia, na sessão do 1º de julho de 1441, confirmou a festividade da Visitação, não aceita, no início pelos Estados que defendiam o antipapa.

O atual calendário litúrgico, não levando em conta a cronologia sugerida pelo episódio evangélico, abandonou a data tradicional de 2 de julho (antigamente a Visitação era celebrada também em outras datas) para fixar-lhe a memória no último dia de maio, como coroação do mês que a devoção popular consagra ao culto particular da Virgem. “Na Encarnação — comenta são Francisco de Sales — Maria se humilha confessando-se a serva do Senhor… Porém, Maria não fica só na humilhação diante de Deus, pois sabe que a caridade e a humildade não são perfeitas se não passam de Deus ao próximo. Não é possível amar Deus que não vemos, se não amamos os homens que vemos. Esta parte realiza-se na Visitação”.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

Fonte: Paulus.

Categorias
Evangelho do dia

Festa da Visitação de Nossa Senhora

VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA

(branco, glória, pref. de Maria I [“e na visitação”], – ofício da festa)

Vinde e escutai, todos os que temeis a Deus, e eu vos

direi tudo o que o Senhor fez por mim, aleluia! (Sl 65,16)

Esta festa nasceu e se desenvolveu com base no relato da visita de Maria à sua parenta Isabel. São Boaventura a introduziu na Ordem Franciscana, em 1263. Com o passar dos anos, a festa estendeu-se para toda a Igreja. Juntamente com Maria e Isabel, exultemos cantando alegres, porque Deus vem habitar entre nós.

Primeira Leitura: Sofonias 3,14-18

Leitura da profecia de Sofonias – 14Canta de alegria, cidade de Sião; rejubila, povo de Israel! Alegra-te e exulta de todo o coração, cidade de Jerusalém! 15O Senhor revogou a sentença contra ti, afastou teus inimigos; o rei de Israel é o Senhor, ele está no meio de ti, nunca mais temerás o mal. 16Naquele dia se dirá a Jerusalém: “Não temas, Sião, não te deixes levar pelo desânimo! 17O Senhor, teu Deus, está no meio de ti, o valente guerreiro que te salva; ele exultará de alegria por ti, movido por amor; exultará por ti, entre louvores, 18como nos dias de festa. Afastarei de ti a desgraça, para que nunca mais te cause humilhação”. – Palavra do Senhor.

Leitura opcional: Romanos 12,9-16b.

Salmo Responsorial: Is 12

O santo de Israel é grande entre vós.

1. Eis o Deus, meu salvador, eu confio e nada temo; † o Senhor é minha força, meu louvor e salvação. / Com alegria bebereis do manancial da salvação. – R.

2. E direis naquele dia: “Dai louvores ao Senhor, † invocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas, / entre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime. – R.

3. Louvai, cantando ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos, / publicai em toda a terra suas grandes maravilhas! / Exultai, cantando alegres, habitantes de Sião, / porque é grande em vosso meio o Deus santo de Israel!” – R.

Evangelho: Lucas 1,39-56

Aleluia, aleluia, aleluia.

És feliz porque creste, Maria, / pois em ti a Palavra de Deus vai cumprir-se, conforme ele disse (Lc 1,45). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – 39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. 46Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu salvador, 48porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo 50e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o temem. 51Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. 53Encheu de bens os famintos e despediu os ricos de mãos vazias. 54Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência para sempre”. 56Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa. – Palavra da salvação.Reflexão:

A festa da Visitação retrata o episódio em que Maria, já grávida, visita Isabel, gestante há seis meses. No plano humano, trata-se do simples encontro entre a jovem Maria e a idosa Isabel, que espera pelo nascimento de João Batista. No plano teológico, enquanto traz no seio o seu filhinho, o Messias, Maria torna-se verdadeira habitação de Deus e como tal é reverenciada pela prima: “Você é bendita entre as mulheres, e bendito é o fruto do seu ventre!”. Então, Maria proclama um dos mais belos hinos do Novo Testamento. Doravante, não será mais com pedras que se edificará a morada de Deus, mas com a fé, o amor e a esperança. A festa da Visitação de Nossa Senhora, celebrada pelos franciscanos no final do século XIII, foi introduzida no calendário universal pelo papa Urbano VI, em 1389.

Oração
Ó Jesus, meu Salvador, antes do teu nascimento, tua Mãe foi visitar a prima Isabel, grávida de João, teu precursor. Foi uma verdadeira festa, regada a cordiais saudações, alegria generalizada e louvores a Deus. Tanto que Maria prorrompeu num hino incomparável, exaltando as maravilhas do Senhor. Amém.

(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

Fonte: Paulus

Categorias
Evangelho do dia

Solenidade da Santíssima Trindade

SANTÍSSIMA TRINDADE, DOMINGO

(branco, glória, creio, prefácio próprio – ofício da solenidade)

Bendito seja Deus Pai, bendito o Filho unigênito e bendito o Espírito Santo. Deus foi misericordioso para conosco.

Felizes nos reunimos em comunhão com as pessoas da Santíssima Trindade, o Deus único que nos conduz e nos convida a fazer parte de sua vida trinitária. Bendizemos o Pai criador, o Filho salvador e o Espírito santificador. Acolhidos e amados pela Trindade santa, celebremos na alegria de filhos e filhas de Deus, como povo que ele escolheu.

Primeira Leitura: Deuteronômio 4,32-34.39-40

Leitura do livro do Deuteronômio – Moisés falou ao povo, dizendo: 32“Interroga os tempos antigos que te precederam, desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra, e investiga de um extremo ao outro dos céus se houve jamais um acontecimento tão grande ou se ouviu algo semelhante. 33Existe, porventura, algum povo que tenha ouvido a voz de Deus falando-lhe do meio do fogo, como tu ouviste, e tenha permanecido vivo? 34Ou terá jamais algum deus vindo escolher para si um povo entre as nações por meio de provações, de sinais e prodígios, por meio de combates, com mão forte e braço estendido, e por meio de grandes terrores, como tudo o que por ti o Senhor vosso Deus fez no Egito, diante de teus próprios olhos? 39Reconhece, pois, hoje, e grava-o em teu coração, que o Senhor é o Deus lá em cima no céu e cá embaixo na terra e que não há outro além dele. 40Guarda suas leis e seus mandamentos que hoje te prescrevo, para que sejas feliz, tu e teus filhos depois de ti, e vivas longos dias sobre a terra que o Senhor teu Deus te vai dar para sempre”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 32(33)

Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança.

1. Reta é a Palavra do Senhor, / e tudo o que ele faz merece fé. / Deus ama o direito e a justiça, / transborda em toda a terra a sua graça. – R.

2. A Palavra do Senhor criou os céus, / e o sopro de seus lábios, as estrelas. / Ele falou e toda a terra foi criada, / ele ordenou e as coisas todas existiram.– R.

3. Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem / e que confiam, esperando em seu amor, / para da morte libertar as suas vidas / e alimentá-los quando é tempo de penúria. – R.

4. No Senhor nós esperamos confiantes, / porque ele é nosso auxílio e proteção! / Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, / da mesma forma que em vós nós esperamos! – R.

Segunda Leitura: Romanos 8,14-17

Leitura da carta de São Paulo aos Romanos – Irmãos, 14todos aqueles que se deixam conduzir pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. 15De fato, vós não recebestes um espírito de escravos, para recairdes no medo, mas recebestes um espírito de filhos adotivos, no qual todos nós clamamos: Abá, ó Pai! 16O próprio Espírito se une ao nosso espírito para nos atestar que somos filhos de Deus. 17E, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e coerdeiros de Cristo; se realmente sofremos com ele, é para sermos também glorificados com ele. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Mateus 28,16-20

Aleluia, aleluia, aleluia.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito divino, / ao Deus que é, que era e que vem, / pelos séculos. Amém (Ap 1,8). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 16os onze discípulos foram para a Galileia, ao monte que Jesus lhes tinha indicado. 17Quando viram Jesus, prostraram-se diante dele. Ainda assim alguns duvidaram. 18Então, Jesus aproximou-se e falou: “Toda a autoridade me foi dada no céu e sobre a terra. 19Portanto, ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo 20e ensinando-os a observar tudo o que vos ordenei! Eis que eu estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus, o Filho do Altíssimo, ao assumir a condição humana, dá-se a conhecer e nos revela o Pai. Só pode revelar o Pai quem o conhece: “Eu o conheço, porque venho de junto dele” (Jo 7,29). O Pai é misericordioso, solidário e bondoso com todos os seus fi lhos e filhas; perdoa os pecados; quer a salvação e a felicidade de todos. Jesus nos revela também o Espírito Santo: “O Espírito Santo, que o Pai vai enviar em meu nome, ele ensinará a vocês todas as coisas e lembrará a vocês tudo o que eu lhes tenho dito” (Jo 14,26). O Espírito vem para conduzir, fortalecer, consolar e sustentar os seguidores de Cristo e distribui generosamente seus dons. Sem cessar, a liturgia nos faz invocar a Santíssima Trindade, pois celebramos em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

Oração
Ó Jesus, a quem foi dada toda a autoridade no céu e sobre a terra: a ti nossa sincera gratidão. Sabemos e sentimos que não nos abandonas à mercê de nossa própria sorte, ao contrário, queres que todos sejamos discípulos teus e, pelo batismo, nos tornemos morada da Santíssima Trindade. Amém.

(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

Via: Paulus.

Categorias
Evangelho do dia

Sábado da 8° Semana do Tempo Comum

8ª SEMANA COMUM*

(verde – ofício do dia)

O Senhor se tornou o meu apoio, libertou-me da angústia e me salvou porque me ama (Sl 17,19s).

Quem é fiel a Deus alegra-se por seguir o caminho reto e por deixar-se orientar pelas instruções divinas. Abramos os ouvidos e o coração para aceitar e praticar os ensinamentos do Senhor.

Primeira Leitura: Eclesiástico 51,17-27

Leitura do livro do Eclesiástico – 17Quero dar-te graças e louvar-te, e bendirei o nome do Senhor. 18Na minha juventude, antes de andar errante, procurei abertamente a sabedoria em minhas orações; 19diante do santuário eu suplicava por ela, e até o fim vou procurá-la; ela floresceu como a uva temporã. 20Meu coração nela colocou sua alegria; meu pé andou por um caminho reto, e desde a juventude segui suas pegadas. 21Inclinei um pouco o ouvido e a acolhi, 22e encontrei para mim abundante instrução, e por meio dela fiz grandes progressos: 23por isso glorifico a quem me dá a sabedoria. 24Porque resolvi pô-la em prática, procurei o bem e não serei confundido. 25Minha alma aprendeu com ela a ser valente, e na prática da Lei procurei ser cuidadoso. 26Levantei minhas mãos para o alto e me arrependi por tê-la ignorado. 27Para ela orientei a minha alma e na minha purificação a encontrei. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 18(19B)

Os ensinos do Senhor são sempre retos, / alegria ao coração.

1. A lei do Senhor Deus é perfeita, / conforto para a alma! / O testemunho do Senhor é fiel, / sabedoria dos humildes. – R.

2. Os preceitos do Senhor são precisos, / alegria ao coração. / O mandamento do Senhor é brilhante, / para os olhos é uma luz. – R.

3. É puro o temor do Senhor, / imutável para sempre. / Os julgamentos do Senhor são corretos / e justos igualmente. – R.

4. Mais desejáveis do que o ouro são eles, / do que o ouro refinado. / Suas palavras são mais doces que o mel, / que o mel que sai dos favos. – R.

Evangelho: Marcos 11,27-33

Aleluia, aleluia, aleluia.

A palavra de Cristo ricamente habite em vós, / dando graças, por ele, a Deus Pai! (Cl 3,16s) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 27Jesus e os discípulos foram de novo a Jerusalém. Enquanto Jesus estava andando no templo, os sumos sacerdotes, os mestres da Lei e os anciãos aproximaram-se dele e perguntaram: 28“Com que autoridade fazes essas coisas? Quem te deu autoridade para fazer isso?” 29Jesus respondeu: “Vou fazer-vos uma só pergunta. Se me responderdes, eu vos direi com que autoridade faço isso. 30O batismo de João vinha do céu ou dos homens? Respondei-me”. 31Eles discutiam entre si: “Se respondermos que vinha do céu, ele vai dizer: ‘Por que não acreditastes em João?’ 32Devemos então dizer que vinha dos homens?” Mas eles tinham medo da multidão, porque todos, de fato, tinham João na qualidade de profeta. 33Então eles responderam a Jesus: “Não sabemos”. E Jesus disse: “Pois eu também não vos digo com que autoridade faço essas coisas”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Ao expulsar do templo os vendilhões, Jesus mexe com os brios das autoridades religiosas e civis, que lhe pedem conta de suas atitudes. Em nome da Lei, como se fossem juízes, os chefes usam de argumento com base no poder: “Com que autoridade fazes essas coisas?”. Em vez de discutir, Jesus contrapõe uma pergunta com base na prática religiosa deles. Faz emergir a figura de João Batista, que apontara o Messias e que era estimado pelo povo; os chefes, ao contrário, tinham eliminado o Batista. Por isso, cochicham entre si num esforço inútil de buscar consenso. Nada respondem. Preferem não se comprometer. Eles não têm nenhuma autoridade diante de Deus, pois não se converteram como o Batista havia pedido. Com classe, Jesus desarma os adversários. Sua autoridade vem de Deus, a suprema autoridade.

Oração
Senhor Jesus, os dirigentes te cercam para indagar-te com que autoridade expulsas do templo os comerciantes. Escapas da armadilha deles, evocando a figura de João Batista, que eles ignoraram. Em relação a ti, falta-lhes total boa vontade para te conhecer e seguir. Duros de coração! Amém.

(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

Via: Paulus.

Categorias
Notícias

Santo Terço em 31 de maio dedicado a Nossa Senhora Desatadora dos Nós com o papa

Solidão, desemprego, violência doméstica e social, mas também progresso humano acessível a todos, e a retomada de um forte impulso na ação pastoral. Estas são as várias situações confiadas a Maria na oração do Terço com as quais o Papa encerrará o mês mariano na segunda-feira, 31 de maio nos Jardins do Vaticano.

Nos Jardins do Vaticano, diante da imagem Nossa Senhora Desatadora de Nós à qual é muito devoto, o Papa Francisco elevará sua oração recitando o Terço no dia 31 de maio. Uma oração que será expressa em particular nas cinco intenções que dizem respeito aos tantos nós a serem desatados, agora firmemente unidos à humanidade, especialmente neste tempo de pandemia.

Mary, Untier of Knots - Wikipedia

É assim que na próxima segunda-feira à tarde se encerrará o mês mariano e a maratona de oração que começou na Basílica Vaticana e uniu o mundo através do Terço recitado todos os dias com uma intenção específica em 30 Santuários em todos os cinco continentes. É uma oração destinada sobretudo a invocar o fim da pandemia e o reinício das atividades.

Santuários do mundo rezam o terço para o fim da pandemia

A celebração do Terço começará com uma solene procissão, guiada pelo Bispo de Augsburg, que levará o ícone a um lugar especial nos Jardins do Vaticano, que para a ocasião se tornará um verdadeiro Santuário ao ar livre. Acompanhando a procissão estarão as crianças que receberam sua Primeira Comunhão de uma paróquia de Viterbo, adolescentes crismados da paróquia de São Domingos de Guzmán, um grupo de escoteiros de Roma, algumas famílias e por alguns religiosos representando todo o povo de Deus. Os jovens da Associação SS. Pedro e Paulo carregarão o ícone de Nossa Senhora, com a Guarda Suíça e a Gendarmaria do Vaticano como guarda de honra. A procissão será animada pelo coro da diocese de Roma e pela Banda de Arcinazzo Romano. Os jovens da Ação Católica, algumas famílias de recém-casados e uma família de surdos onde nasceu uma vocação religiosa, se unirão à oração.

O ícone

O ícone que representa a Nossa Senhora encontra-se em Augsburg, Alemanha, e consiste em uma pintura a óleo sobre tela feita pelo pintor alemão Johann Georg Melchior Schmidtner por volta de 1700. A pintura retrata Nossa Senhora desatando os nós de uma fita branca segurada por dois anjos, rodeada de cenas bíblicas que se referem simbolicamente a imagens de esperança, misericórdia e vitória sobre o mal. “Cópia única do ícone original conhecido em toda a Baviera por ocasião de uma peregrinação das dioceses bávaras a Augsburg realizada no ano de 2015, será trazido a Roma pelo bispo de Augsburg, Dom Bertram Johannes Meier”, que o presenteará ao Papa Francisco, informa o comunicado do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, que organizou a iniciativa da maratona de oração. A escolha desta imagem quer representar uma oração particular para que Nossa Senhora interceda para “desmanchar” o sofrimento que uniu o mundo neste tempo de crise sanitária, mas também as relações econômicas, psicológicas e sociais. O Papa sempre demonstrou uma forte devoção a esta imagem, e difundiu seu culto, particularmente na Argentina.

Os cinco nós

O primeiro nó a desenodoar é o dos “relacionamentos feridos, da solidão e da indiferença, que se tornaram mais profundos nestes tempos”. O segundo nó é dedicado ao desemprego, “com particular atenção ao desemprego juvenil, desemprego feminino, desemprego dos pais de família e daqueles que estão tentando defender seus empregados”. O terceiro é representado pelo “drama da violência, em particular a que irrompe na família, no lar, contra as mulheres ou explodiu nas tensões sociais geradas pela incerteza da crise”. O quarto nó se refere ao “progresso humano, que a pesquisa científica é chamada a apoiar, compartilhando descobertas para que sejam acessíveis a todos”, especialmente aos mais frágeis e pobres. O quinto nó a ser desatado é o do cuidado pastoral, para que “as Igrejas locais, paróquias, oratórios, centros pastorais e de evangelização possam redescobrir entusiasmo e novo impulso em toda a vida pastoral” e “os jovens possam se casar e construir uma família e um futuro”.

A evocativa celebração será encerrada com a coroação da imagem de Nossa Senhora com uma preciosa coroa feita pelos joalheiros Fratelli Savi. Será possível acompanhar toda a cerimônia ao vivo no Vatican News e nas redes sociais e católicas do mundo.

A experiência da maratona de oração

A “maratona” do Terço no mês de maio começou com a oração do Papa diante do ícone de Nossa Senhora do Socorro na Basílica de São Pedro, continuando em 30 Santuários ao redor do mundo, e se conclui com esta cerimônia. Muitos testemunhos relatam uma iniciativa que foi recebida com entusiasmo e envolvimento. Da simplicidade do Santuário de Nossa Senhora de Lourdes em Nyaunglebin, em Mianmar, à solenidade de Nuestra Señora de Montserrat, na Espanha, à grande participação do povo nos Santuários da África, Índia e Coreia: estes são apenas alguns exemplos significativos do envolvimento que teve lugar. A iniciativa foi muito apreciada por sua simplicidade e, ao mesmo tempo, pelo profundo senso de comunhão com a Igreja e com o Papa Francisco. Ao acompanhar as transmissões ao vivo pela mídia, foi possível a milhões de pessoas rezar o terço todos os dias, da forma como cada cultura e cada país o expressa naturalmente.

VIA VATICAN NEWS

Categorias
Santo do dia

São Marcelino, mártir

Em 6 de junho comemoramos o dia de São Marcelino Champagnat, fundador do Instituto dos Irmãos Maristas. Champagnat encantou-se por Deus e compartilhou sua fé e carisma com entusiasmo, a favor das crianças e jovens.

São Marcelino Champagnat nasceu em Marlhes (França), em 1789. Viveu num tempo conturbado por graves conflitos políticos, como a Revolução Francesa, iniciada no mesmo ano de seu nascimento. Nesse período, a sociedade francesa e a Igreja mergulharam em profundo caos.

Sensibilizado pelas necessidades pastorais de seu tempo, Champagnat concebeu o projeto de fundar um Instituto de Irmãos que se dedicassem à educação e à formação religiosa das crianças e dos jovens.
Muito preocupado com a saúde e o bem-estar da população, o Padre demonstrava ter muita compaixão e acreditava que educar é disponibilizar aos demais toda a sua qualidade. Um momento decisivo em sua vida foi o encontro com o jovem Montagne.

Faleceu em 6 de junho de 1840, sendo lembrado desde então. A Igreja considera a data de morte uma “comemoração”, pois acredita que é o momento que marca a passagem para a vida eterna, sendo, portanto, um renascimento.
Existem inúmeras histórias que narram momentos importantes de sua vida. Em comemoração ao dia de São Marcelino Champagnat, durante o Ano Mariano, nos lembramos de uma história de 1836. Nesse ano, a Igreja reconhece a Sociedade de Maria, confiando-lhe uma missão na Oceania. Foi o primeiro passo para a expansão missionária em outros territórios.

Como forma de encorajar, lembrar e proteger os irmãos que partiram em missão, Champagnat pendurou um coração de prata no pescoço da imagem da Virgem Maria, na capela do Hermitage, com a inscrição “missionários da Polinésia”. A joia era uma espécie de pequeno cofre, dentro do qual ele colocou uma faixa de papel com os nomes dos missionários.

A viagem à Polinésia foi demorada e penosa. Mas os missionários estavam cheios de esperança: tinham o compromisso de tornar Jesus Cristo “conhecido e amado pela educação” e, dessa forma, aprimorar a sociedade, formar bons cristãos e virtuosos cidadãos. Esse ideal tinha como objetivo principal dar continuidade ao projeto inspirado por Champagnat.

Tal compromisso permanece até hoje, no trabalho de educação e evangelização dos Irmãos Maristas presentes em 79 países.

Fonte: Paulus.