Search
quinta-feira 20 junho 2019
  • :
  • :

Celebrar o Tríduo Pascal é celebrar toda a história de nossa salvação

Estamos na Semana Santa! Desde ontem, Domingo de Ramos, em minhas homilias, ressaltava que naquele dia, iniciamos a celebração da Páscoa do Senhor. E propus uma semana de meditação para que realmente possamos com Cristo morrer, para com Ele ressuscitar.

Jesus Cristo, em sua vida e missão, assume e conduz à perfeição o que prefigurava a Páscoa antiga. A memória do Êxodo, como passagem da escravidão para a liberdade, encontra sua culminância na atitude de amor e de serviço de Jesus Cristo.

Celebrar o Tríduo Pascal é celebrar toda a história de nossa salvação. É viver intensamente a memória da passagem de Jesus Cristo no meio de nós. Com sua atitude de amor ao Pai e serviço aos irmãos, Jesus marca de uma maneira decisiva, a história da humanidade e inaugura uma nova maneira de viver como irmãos e como filhos de um mesmo Pai.

Cremos que ele é o Alfa e o Ômega, a revelação do Deus da Aliança e Sua vida e a missão manifestam de forma perfeita o que é o amor e a fidelidade de Deus. A cruz, escândalo aparente de um Deus que fracassa, torna-se o lugar referencial de salvação para a humanidade. A morte foi vencida e o amor tem a última palavra.

Fazer a memória da Paixão, morte e ressurreição do Senhor Jesus com as celebrações que nos propõe a Igreja é tornar-se contemporâneo desses acontecimentos salvíficos. É para nós cristãos a memória de um acontecimento fundador de nossa identidade cristã. É Ele o fundamento da nossa fé e de nosso agir cristão.

Nós, os seguidores de Jesus Cristo, somos os responsáveis por esta memória. Mas esta memória cristã é comprometedora, de tal maneira que o caminho do servidor não é tranquilidade, mas sim luta, doação e serviço até as últimas consequências, a exemplo de nosso Mestre e Senhor.

Assim, para o discípulo seguidor de Jesus Cristo, a vida é um constante caminhar em que Deus é a fonte e também a meta a se alcançar.

Em Jesus Cristo, o Pai já nos fez entrar, no que Ele nos prometeu e que será plenamente manifestado quando da vinda de Seu filho na glória, como está escrito na Carta aos Hebreus: “Não temos aqui a nossa pátria definitiva, mas buscamos a pátria futura” (Hb 13, 14).

Não é ao paraíso perdido que nós sonhamos voltar. A Pátria que buscamos é a cidade nova, a Jerusalém celeste, ou seja, o Reino definitivo, a Aliança plenamente realizada, objeto de nossa esperança cristã.

Se somos Igreja que celebra o mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus é porque cremos que para toda a humanidade hoje, apesar das ameaças e da violência assustadora, Ele é a luz, a esperança e a Boa Nova de salvação.

Procuremos com todo o empenho, preparar e viver bem a celebração do Tríduo Pascal, para que possamos participar frutuosamente do Mistério da nossa salvação, que culmina com a Celebração da Páscoa do Senhor.

O Domingo da Páscoa é como diz o Salmista: “O dia que o Senhor fez para nós: alegremo-nos e nele exultemos!” Por isso nenhum cristão católico pode deixar de celebrar a Eucaristia neste dia.

É o dia do Povo de Deus fazer o grande eco: “Jesus ressuscitou! Ele está vivo! Alegrai-vos!”

Por Pe. Reginaldo Manzotti, via Aleteia




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *