Search
segunda-feira 1 março 2021
  • :
  • :

7º Domingo do Tempo Comum

Primeira Leitura: Levítico 19,1-2.17-18

Leitura do livro do Levítico – O Senhor falou a Moisés, dizendo: “Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel e dize-lhes: ‘Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo. Não tenhas no coração ódio contra teu irmão. Repreende o teu próximo, para não te tornares culpado de pecado por causa dele. Não procures vingança nem guardes rancor dos teus compatriotas. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor!’” – Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial: 102(103)

Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / pois ele é bondoso e compassivo! 

1. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / e todo o meu ser, seu santo nome! / Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / não te esqueças de nenhum de seus favores! – R.
2. Pois ele te perdoa toda culpa / e cura toda a tua enfermidade; / da sepultura ele salva a tua vida / e te cerca de carinho e compaixão. – R.
3. O Senhor é indulgente, é favorável, / é paciente, é bondoso e compassivo. / Não nos trata como exigem nossas faltas / nem nos pune em proporção às nossas culpas. – R.
4. Quanto dista o nascente do poente, / tanto afasta para longe nossos crimes. / Como um pai se compadece de seus filhos, / o Senhor tem compaixão dos que o temem. – R.

Segunda Leitura: 1 Coríntios 3,16-23

Leitura da primeira carta de são Paulo aos Coríntios – Irmãos, acaso não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus mora em vós? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá, pois o santuário de Deus é santo, e vós sois esse santuário. Ninguém se iluda: se algum de vós pensa que é sábio nas coisas deste mundo, reconheça sua insensatez, para se tornar sábio de verdade; pois a sabedoria deste mundo é insensatez diante de Deus. Com efeito, está escrito: “Aquele que apanha os sábios em sua própria astúcia”, e ainda: “O Senhor conhece os pensamentos dos sábios; sabe que são vãos”. Portanto, que ninguém ponha a sua glória em homem algum. Com efeito, tudo vos pertence: Paulo, Apolo, Cefas, o mundo, a vida, a morte, o presente, o futuro; tudo é vosso, mas vós sois de Cristo, e Cristo é de Deus. – Palavra do Senhor.

 

Evangelho: Mateus 5,38-48

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Vós ouvistes o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente!’ Eu, porém, vos digo, não enfrenteis quem é malvado! Pelo contrário, se alguém te dá um tapa na face direita, oferece-lhe também a esquerda! Se alguém quiser abrir um processo para tomar a tua túnica, dá-lhe também o manto! Se alguém te forçar a andar um quilômetro, caminha dois com ele! Dá a quem te pedir e não vires as costas a quem te pede emprestado. Vós ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ Eu, porém, vos digo, amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem! Assim vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons e faz cair a chuva sobre justos e injustos. Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”. – Palavra da salvação.

 

Reflexão:

O texto de hoje continua com as reinterpretações da Lei do Antigo Testamento que Jesus propõe no Sermão da Montanha. São apresentadas mais duas antíteses, com a visão do Mestre a respeito das leis já existentes. A lei do talião – “olho por olho” – propunha a regulamentação da vingança e da retaliação. Se respondermos à violência com violência, nunca resolveremos o problema. Para conter a violência descontrolada em que vivemos, há a tentação de adotar novamente a lei do talião; mata-se por qualquer motivo, a vingança está solta. Jesus supera essa lei com a proposta da não violência e do perdão. Por fim, o Mestre alarga o conceito sobre o próximo que precisa ser amado: trata-se não somente do membro da família, do vizinho ou do conterrâneo, mas também do estrangeiro e do inimigo. Portanto, o amor não deve excluir ninguém. Tudo isso para sermos “perfeitos como o Pai celeste é perfeito”. O limite é a perfeição do Pai do céu, sabendo que esta é a meta de um processo contínuo, que dura por toda a vida.




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *