Search
terça-feira 22 outubro 2019
  • :
  • :

6ª Semana da Páscoa – Domingo

Primeira Leitura: Atos 15,1-2.22-29

Leitura dos Atos dos Apóstolos – Naqueles dias, chegaram alguns da Judeia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: “Vós não podereis salvar-vos se não fordes circuncidados, como ordena a lei de Moisés”. Isso provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos. Então os apóstolos e os anciãos, de acordo com toda a comunidade de Je­ru­salém, resolveram escolher alguns da comunidade para mandá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé. Escolheram Judas, chamado Bársa­bas, e Silas, que eram muito respeitados pelos irmãos. Através deles enviaram a seguinte carta: “Nós, os apóstolos e os anciãos, vossos irmãos, saudamos os irmãos vindos do paganismo e que estão em Antioquia e nas regiões da Síria e da Cilícia. Ficamos sa­ben­do que alguns dos nossos cau­saram perturbações com palavras que transtornaram vosso espí­rito. Eles não foram enviados por nós. Então decidimos, de comum acor­­do, escolher alguns represen­tantes e mandá-los até vós, junto com nossos queridos irmãos Bar­nabé e Paulo, homens que arriscaram suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, esta­mos en­vi­an­do Judas e Silas, que pes­soal­mente vos transmitirão a mes­ma mensagem. Porque decidimos, o Espírito San­to e nós, não vos impor nenhum fardo, além destas coisas indispen­sáveis: abster-se de carnes sacrifi­cadas aos ídolos, do sangue, das carnes de animais sufocados e das uniões ilegítimas. Vós fareis bem se evitardes essas coisas. Saudações!” – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 66(67)

Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, / que todas as nações vos glorifiquem!

  1. Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção, / e sua face resplandeça sobre nós! / Que na terra se conheça o seu caminho / e a sua salvação por entre os povos. – R.
  2. Exulte de alegria a terra inteira, / pois julgais o universo com justiça; / os povos governais com retidão / e guiais, em toda a terra, as nações. – R.
  3. Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, / que todas as nações vos glorifiquem! / Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe, / e o respeitem os confins de toda a terra! – R.
Segunda Leitura: Apocalipse 21,10-14.22-23

Leitura do livro do Apocalipse de são João – Um anjo me levou em espírito a uma montanha grande e alta. Mostrou-me a cidade santa, Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, brilhando com a glória de Deus. Seu brilho era como o de uma pedra preciosíssima, como o brilho de jaspe cristalino. Estava cercada por uma muralha maciça e alta, com doze portas. Sobre as portas estavam doze anjos, e nas portas estavam escritos os nomes das doze tribos de Israel. Havia três portas do lado do oriente, três portas do lado norte, três portas do lado sul e três portas do lado do ocidente. A muralha da cidade tinha doze alicerces, e sobre eles estavam escritos os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. Não vi templo na cidade, pois o seu templo é o próprio Senhor, o Deus todo-poderoso, e o Cordeiro. A cidade não precisa de sol nem de lua que a iluminem, pois a glória de Deus é a sua luz e a sua lâmpada é o Cordeiro. – Palavra do Senhor.

Evangelho: João 14,23-29

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. Mas o defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. Disse-vos isso agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

O texto deste sexto domingo da Páscoa está no contexto da última ceia e faz parte do grande discurso de despedida de Jesus. Apresenta alguns valores importantes para os seguidores do Mestre: a vinda do Filho e a morada de Deus; a tarefa do Espírito na vida da comunidade; a paz messiânica. Quem observa a mensagem de Jesus responde ao seu amor. Diante disso, o Pai e Jesus estabelecem sua morada no discípulo, vivendo juntos como nova família. Jesus é o laço de união entre o Pai e cada seguidor seu. A função do Espírito na comunidade é ensinar e lembrar. Faz recordar e compreender o que Jesus ensinou durante sua vida terrena. O Espírito é memória sempre atualizada da prática de Jesus em todos os tempos e lugares. Por meio dele, podemos distinguir o que leva a construir o Reino de Deus e o que se opõe a ele. Ao se despedir, Jesus oferece o dom da paz aos seus. Não a “pax romana”, que era a paz da opressão e da morte, praticada pelo poder dominante, mas a paz que plenifica a vida e que é fruto da justiça. Viver a “paz de Jesus” é não se comprometer com os esquemas de violência e dominação. Numa palavra, é viver os valores do projeto de Jesus.




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *