Search
domingo 26 janeiro 2020
  • :
  • :

3º Domingo do Advento

Primeira Leitura: Isaías 35,1-6.10

Leitura do livro do profeta Isaías – Alegre-se a terra que era deserta e intransitável, exulte a solidão e floresça como um lírio. Germine e exulte de alegria e louvores. Foi-lhe dada a glória do Líbano, o esplendor do Carmelo e de Saron; seus habitantes verão a glória do Senhor, a majestade do nosso Deus. Fortalecei as mãos enfraquecidas e firmai os joelhos debilitados. Dizei às pessoas deprimidas: “Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar”. Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos. Os que o Senhor salvou voltarão para casa. Eles virão a Sião cantando louvores, com infinita alegria brilhando em seus rostos: cheios de gozo e contentamento, não mais conhecerão a dor e o pranto. – Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial: 145(146)

Vinde, Senhor, para salvar o vosso povo!
1. O Senhor é fiel para sempre, / faz justiça aos que são oprimidos; / ele dá alimento aos famintos, / é o Senhor quem liberta os cativos. – R.
2. O Senhor abre os olhos aos cegos, / o Senhor faz erguer-se o caído; / o Senhor ama aquele que é justo, / é o Senhor que protege o estrangeiro. – R.
3. Ele ampara a viúva e o órfão, / mas confunde os caminhos dos maus. / O Senhor reinará para sempre! / Ó Sião, o teu Deus reinará. – R.

Segunda Leitura: Tiago 5,7-10

Leitura da carta de são Tiago – Irmãos, ficai firmes até a vinda do Senhor. Vede o agricultor: ele espera o precioso fruto da terra e fica firme até cair a chuva do outono ou da primavera. Também vós, ficai firmes e fortalecei vossos corações, porque a vinda do Senhor está próxima. Irmãos, não vos queixeis uns dos outros, para que não sejais julgados. Eis que o juiz está às portas. Irmãos, tomai por modelo de sofrimento e firmeza os profetas, que falaram em nome do Senhor. – Palavra do Senhor.

 

Evangelho: Mateus 11,2-11
Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, João estava na prisão. Quando ouviu falar das obras de Cristo, enviou-lhe alguns discípulos para lhe perguntarem: “És tu aquele que há de vir ou devemos esperar um outro?” Jesus respondeu-lhes: “Ide contar a João o que estais ouvindo e vendo: os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres são evangelizados. Feliz aquele que não se escandaliza por causa de mim!” Os discípulos de João partiram, e Jesus começou a falar às multidões sobre João: “O que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? O que fostes ver? Um homem vestido com roupas finas? Mas os que vestem roupas finas estão nos palácios dos reis. Então, o que fostes ver? Um profeta? Sim, eu vos afirmo, e alguém que é mais do que profeta. É dele que está escrito: ‘Eis que envio o meu mensageiro à tua frente; ele vai preparar o teu caminho diante de ti’. Em verdade vos digo, de todos os homens que já nasceram, nenhum é maior do que João Batista. No entanto, o menor no reino dos céus é maior do que ele”. – Palavra da salvação.
Reflexão:

O evangelho nos dá a notícia de que João Batista está preso e que, da prisão, ele envia mensageiros para saber a respeito de Jesus se seria ele o Messias ou se era preciso esperar por outro. É a dúvida que está na cabeça dele e de muitos outros. Jesus não responde sim ou não aos discípulos do precursor, mas pede que levem a João a notícia das obras que são realizadas por ele: revela-se não por palavras, mas por obras. Pelos frutos, diz Jesus, vocês conhecerão a árvore. Jesus é realmente o verdadeiro Messias tão esperado: cura os doentes, liberta do mal e dá esperança aos pobres. É a nova realidade proposta pelo Mestre. Nele se cumpre o plano divino, pois ele nos revela o amor e a ternura de Deus, como fora anunciado pelos profetas. Num segundo momento, o próprio Jesus apresenta a identidade de João. O Batista não é um caniço agitado pelo vento, que age conforme as circunstâncias; não é alguém representante da classe dominante, pois se fosse não estaria vivendo no deserto; ele é mais que profeta: é o mensageiro que denunciou o luxo e a arrogância dos poderosos e anunciou e preparou a chegada do Mestre.




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *