Search
sexta-feira 3 julho 2020
  • :
  • :

24ª Semana do Tempo Comum – Quarta-feira

Primeira Leitura: 1 Timóteo 3,14-16

Leitura da primeira carta de são Paulo a Timóteo – Caríssimo, escrevo com a esperança de ir ver-te em breve. Se tardar, porém, quero que saibas como proceder na casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e fundamento da verdade. Não pode haver dúvida de que é grande o mistério da piedade: ele foi manifestado na carne, foi justificado no espírito, contemplado pelos anjos, pregado às nações, acreditado no mundo, exaltado na glória! – Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial: 110(111)

Grandiosas são as obras do Senhor!

Eu agradeço a Deus de todo o coração, / junto com todos os seus justos reunidos! / Que grandiosas são as obras do Senhor, / elas merecem todo o amor e admiração! – R.
Que beleza e esplendor são os seus feitos! / Sua justiça permanece eternamente! / O Senhor bom e clemente nos deixou / a lembrança de suas grandes maravilhas. – R.
Ele dá o alimento aos que o temem / e jamais esquecerá sua aliança. / Ao seu povo manifesta seu poder, / dando a ele a herança das nações. – R.

 

Evangelho: Lucas 7,31-35

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, disse Jesus: “Com quem hei de comparar os homens desta geração? Com quem eles se parecem? São como crianças que se sentam nas praças, se dirigem aos colegas, dizendo: ‘Tocamos flauta para vós e não dançastes; fizemos lamentações e não chorastes!’ Pois veio João Batista, que não comia pão nem bebia vinho, e vós dissestes: ‘Ele está com um demônio!’ Veio o Filho do homem, que come e bebe, e vós dizeis: ‘Ele é um comilão e beberrão, amigo dos publicanos e dos pecadores!’ Mas a sabedoria foi justificada por todos os seus filhos”. – Palavra da salvação.

 

Reflexão:

Jesus faz um desabafo. Seu lamento recai sobre os dirigentes do povo, incluindo as autoridades religiosas, que buscam desculpas, em vez de se abrirem ao projeto de Deus. Não se dispuseram a mudar de vida ante os apelos severos do Batista, a quem tacharam de louco. Agora não se dispõem a converter-se, diante das palavras de misericórdia de Jesus e de seus grandes prodígios. Até o chamam de “comilão e beberrão, amigo de cobradores de impostos e pecadores”. São como crianças caprichosas: nada é capaz de despertar-lhes interesse. Nem tudo, porém, está perdido: muitos discípulos da Sabedoria, (“filhos”) que eram os desprezados pelas autoridades religiosas, ou seja, o povo simples e os pecadores, foram inteligentes, aceitando a conversão anunciada por João e o compromisso com Jesus.




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *