Categorias
Evangelho do dia

Sexta-feira da 14ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Recebemos, Senhor, vossa misericórdia no meio do vosso templo. Como vosso nome, ó Deus, assim vosso louvor ressoa até os confins da terra; vossa destra está cheia de justiça (Sl 47,10s).

No seu percurso evangelizador, os discípulos de Cristo encontrarão muitos perigos e situações desafiadoras, geradas pela maldade dos corações que, cativos de uma sociedade idólatra, não aderiram à verdade do Evangelho. Celebremos o Senhor, que nos encoraja e garante sua proteção, juntamente com a certeza de novos tempos de justiça, paz e plena alegria aos que perseverarem até o fim.

Primeira Leitura: Oseias 14,2-10

Leitura da profecia de Oseias – Assim fala o Senhor: 2“Volta, Israel, para o Senhor, teu Deus, porque estavas caído em teu pecado. 3Vós todos, encontrai palavras e voltai para o Senhor; dizei-lhe: ‘Livra-nos de todo o mal e aceita este bem que oferecemos, o fruto de nossos lábios. 4A Assíria não nos salvará; não queremos montar nossos cavalos, não chamaremos mais ‘deuses nossos’ a produtos de nossas mãos; em ti encontrará o órfão misericórdia’. 5Hei de curar sua perversidade e me será fácil amá-los, deles afastou-se a minha cólera. 6Serei como orvalho para Israel; ele florescerá como o lírio e lançará raízes como plantas do Líbano. 7Seus ramos hão de estender-se; será seu esplendor como o da oliveira, e seu perfume como o do Líbano. 8Voltarão a sentar-se à minha sombra e a cultivar o trigo, e florescerão como a videira, cuja fama se iguala à do vinho do Líbano. 9Que tem ainda Efraim a ver com ídolos? Sou eu que o atendo e que olho por ele. Sou como o cipreste sempre verde: de mim procede o teu fruto. 10Compreenda estas palavras o homem sábio, reflita sobre elas o bom entendedor! São retos os caminhos do Senhor e por eles andarão os justos, enquanto os maus ali tropeçam e caem”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 50(51)

Minha boca anunciará vosso louvor!

1. Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! / Na imensidão de vosso amor, purificai-me! / Lavai-me todo inteiro do pecado / e apagai completamente a minha culpa! – R.

2. Mas vós amais os corações que são sinceros, / na intimidade me ensinais sabedoria. / Aspergi-me e serei puro do pecado, / e mais branco do que a neve ficarei. – R.

3. Criai em mim um coração que seja puro, / dai-me de novo um espírito decidido. / Ó Senhor, não me afasteis de vossa face / nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! – R.

4. Dai-me de novo a alegria de ser salvo / e confirmai-me com espírito generoso! / Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, / e minha boca anunciará vosso louvor! – R.

Evangelho: Mateus 10,16-23

Aleluia, aleluia, aleluia.

Quando o Paráclito vier, o Espírito da verdade, / ele vos conduzirá a toda a verdade, / lembrar-vos-á de tudo o que eu tenho falado (Jo 16,13; 14,26). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 16“Eis que eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas. 17Cuidado com os homens, porque eles vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas. 18Vós sereis levados diante de governadores e reis por minha causa, para dar testemunho diante deles e das nações. 19Quando vos entregarem, não fiqueis preocupados de como falar ou do que dizer. Então naquele momento vos será indicado o que deveis dizer. 20Com efeito, não sereis vós que havereis de falar, mas, sim, o Espírito do vosso Pai é que falará através de vós. 21O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contra seus pais e os matarão. 22Vós sereis odiados por todos por causa do meu nome. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo. 23Quando vos perseguirem numa cidade, fugi para outra. Em verdade vos digo, vós não acabareis de percorrer as cidades de Israel antes que venha o Filho do Homem”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

A missão dos apóstolos vai abalar as bases da sociedade injusta; por consequência, vai desencadear também as perseguições. Pessoas aferradas ao poder e à vida luxuosa consideram inimigos os que lhes apontam as injustiças e lhes propõem a partilha dos bens e vida digna para todos. Jesus alerta seus discípulos a tomar cuidado com esses “lobos” prontos para o ataque. São perigosos e traiçoeiros. Entretanto, quando seus seguidores, sob pressão ou tortura, tiverem que dar razão de sua fé ou explicações sobre o bem realizado, fiquem sossegados. As palavras certas vão brotar por obra do Espírito Santo. As tribulações fazem parte do anúncio do Evangelho. O Senhor cuidará dos missionários do Reino em todas as circunstâncias. A eles compete “perseverar até o fim”.(Dia a dia com o Evangelho 2024)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São João Gualberto, abade

Após haver inutilmente procurado, João Visdomini topou, numa sexta-feira santa, com o assassino do seu irmão. Estavam em lugar solitário, fora das Portas de são Miniato. O jovem, filho do nobre Gualberto Visdomini, puxou instintivamente a espada. O antigo adversário, desarmado, caiu de joelhos e abriu os braços, tacitamente suplicante. Aquela atitude que projetava a sombra de uma cruz, dissuadiu o feroz cavaleiro. Com gesto inesperado e generoso, ergueu da terra o assassino do irmão e o abraçou em sinal de perdão. Com o coração ainda em tumulto, João foi ajoelhar-se diante do crucifixo da igreja de são Miniato. Cristo, contam os biógrafos do santo, moveu a cabeça em sinal de aprovação. Uma grande paz invadiu sua alma. Decidiu por isso abandonar o mundo e foi bater na porta do mosteiro beneditino, vencendo as desculpáveis resistências do pai.

A bravura do nobre cavaleiro, mitigada mas não domada pela rígida disciplina monástica, reapareceu quando se tratou de defender a honra da Igreja, espezinhada pela corrupção dos falsos pastores. Alvo de sua santa cólera foram o próprio abade do mosteiro e o bispo de Florença, Mezzabarba. Ameaçado por ambos teve de se refugiar entre as selvas dos Apeninos, no monte ao longo do verde vale do Arno. O nome deste monte, Vallombrosa, se tornará famoso nos séculos pelo mosteiro que são João Gualberto aí edificou. Uma grande casa rústica, feita com madeira e cal, ofereceu abrigo aos numerosos jovens que aí afluíram, atraídos pela santidade do monge e decididos como ele a combater o mau costume da simonia.

De Vallombrosa descem realmente os monges, temperados da Regra beneditina reformada. Primeiro à vizinha Florença, depois a várias cidades da Itália operaram aquela benéfica transfusão de operosa santidade, seguindo o exemplo do santo abade: corrigir com os costumes as próprias instituições civis. Os florentinos confiaram aos monges valombrosianos até as chaves do tesouro e o sigilo da República. João Gualberto declarara guerra aos abusos e à imoderada procura do dinheiro e das honras. Mas não pôde subtrair-se ele mesmo à fama de sabedoria que se difundiu por toda a Itália.

O papa Leão XI realizou uma longa viagem para fazer-lhe uma visita. Aos seus monges, antes de morrer, em 1073, havia dito: “Quando quiserem eleger um abade, escolham entre os irmãos o mais humilde, o mais doce, o mais mortificado”. Sem ostentação e retórica, traçava assim o perfil de sua própria alma.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quinta-feira da 14ª semana do Tempo Comum

SÃO BENTO, ABADE

(branco, pref. comum ou dos santos – ofício da memória)

Houve um homem de vida venerável, Bento pela graça e pelo nome; desejando agradar somente a Deus, deixou a casa do pai e seus bens e procurou um novo estilo de vida e santidade.

Bento nasceu na Itália em 480 e lá faleceu em 547. A princípio, fez-se eremita, levando vida solitária; depois, agrupou alguns jovens que queriam viver só para Deus e fundou doze pequenos mosteiros. Escreveu a famosa “Regra de São Bento”, na qual conciliou doçura e firmeza, simplicidade e prudência, obediência e liberdade. Dividiu sabiamente o tempo entre o trabalho e a oração; daí nasceu a expressão “ora et labora”. Seu exemplo nos motive a buscar o equilíbrio entre a vida de oração e as tarefas cotidianas.

Primeira Leitura: Oseias 11,1-4.8-9

Leitura da profecia de Oseias – Assim fala o Senhor: 1“Quando Israel era criança, eu já o amava, e desde o Egito chamei meu filho. 2Quanto mais eu os chamava, tanto mais eles se afastavam de mim; imolavam aos Baals e sacrificavam aos ídolos. 3Ensinei Efraim a dar os primeiros passos, tomei-o em meus braços, mas eles não reconheceram que eu cuidava deles. 4Eu os atraía com laços de humanidade, com laços de amor; era para eles como quem leva uma criança ao colo e rebaixava-me a dar-lhes de comer. 8Meu coração comove-se no íntimo e arde de compaixão. 9Não darei largas à minha ira, não voltarei a destruir Efraim, eu sou Deus e não homem; o santo no meio de vós, e não me servirei do terror”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 79(80)

Sobre nós iluminai a vossa face / e, então, seremos salvos, ó Senhor!

1. Ó pastor de Israel, prestai ouvidos. / Vós, que sobre os querubins vos assentais, / despertai vosso poder, ó nosso Deus, / e vinde logo nos trazer a salvação! – R.

2. Voltai-vos para nós, Deus do universo! † Olhai dos altos céus e observai. / Visitai a vossa vinha e protegei-a! / Foi a vossa mão direita que a plantou; / protegei-a, e ao rebento que firmastes! – R.

Evangelho: Mateus 10,7-15

Aleluia, aleluia, aleluia.

Convertei-vos e crede no Evangelho, / pois o Reino de Deus está chegando! (Mc 1,15) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7“Em vosso caminho, anunciai: ‘O Reino dos Céus está próximo’. 8Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça deveis dar! 9Não leveis ouro, nem prata, nem dinheiro nos vossos cintos; 10nem sacola para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem bastão, porque o operário tem direito ao seu sustento. 11Em qualquer cidade ou povoado onde entrardes, informai-vos para saber quem ali seja digno. Hospedai-vos com ele até a vossa partida. 12Ao entrardes numa casa, saudai-a. 13Se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; se ela não for digna, volte para vós a vossa paz. 14Se alguém não vos receber nem escutar vossa palavra, saí daquela casa ou daquela cidade e sacudi a poeira dos vossos pés. 15Em verdade vos digo, as cidades de Sodoma e Gomorra serão tratadas com menos dureza do que aquela cidade, no dia do juízo”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Aos doze apóstolos Jesus dá orientações bem definidas: anunciar que o Reino de Deus está próximo, curar os enfermos, ressuscitar os mortos, purificar os leprosos e expulsar os demônios. É uma novidade bem-vinda e revolucionária, capaz de desinstalar as estruturas sociais injustas e opressoras. O Reino dos Céus deve abarcar a todos, mas dá preferência aos doentes e marginalizados. O estilo de vida dos missionários deve ser despojado. Sem ostentação ou cobiça: “Deem gratuitamente”. A mensagem é de esperança e de paz. Os destinatários da missão apostólica não podem descuidar o dever sagrado da hospitalidade. E precisam também abrir o coração para a visita de Deus. Se rejeitarem os mensageiros da paz, terão que dar explicação a Deus “no dia do julgamento”.(Dia a dia com o Evangelho 2024)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Bento, abade

Em 1964 Paulo VI declarava são Bento padroeiro principal da Europa, tributando desse modo justo reconhecimento ao santo a quem a civilização europeia deve muito. Quatro anos antes do seu nascimento, que foi em Nórcia, pelo ano de 480, o bárbaro rei dos hérulos matou o último imperador romano, fechou definitivamente o capítulo do domínio de Roma: a sobrevivência da cultura romana só foi possível através do empenho religioso e cultural dos monges. Com são Bento abre-se precisamente o glorioso capítulo da vida monástica ocidental.

Homem amante das coisas concretas e claras, Bento resumia sua Regra num lema eficaz: Ora e trabalha, restituindo à ascese cristã o caráter de contemplação e ação, conforme o espírito e a letra do Evangelho. O verdadeiro monge devia ser — assim se lê no segundo capítulo da Regra: “Não soberbo, não violento, não comilão, não dorminhoco, não preguiçoso, não murmurador, não detrator… mas casto, manso, zeloso, humilde, obediente”. Como nos informa o livro II dos Diálogos de são Gregório Magno, Bento, jovem patrício da família Anícia, enviado a Roma para que aprendesse retórica e filosofia, desiludido da vida que aí se vivia, abandonou a cidade para retirar-se em Enfide (hoje Affile), dedicando-se ao estudo numa vida de rigorosa disciplina ascética. Não satisfeito com aquela relativa solidão, aos vinte anos, sob a guia de piedoso ermitão, escondeu-se numa espelunca do Subiaco.

Três anos de meditações e penitências. Depois, a breve estada entre os monges de Vicovaro, que o elegeram prior e depois tentaram desfazer-se dele, envenenando-lhe a bebida, pois estavam descontentes com a disciplina que lhes havia imposto. Com um grupo de jovens entre os quais Plácido e Mauro, emigrou para Nápoles, escolhendo sua morada no sopé da Montanha de Cassino, onde edificou o primeiro mosteiro, fechado dos quatro lados, como uma fortaleza e aberto à luz do alto como uma grande vasilha que recebe do céu a benéfica seiva para depois despejá-la no mundo. O emblema monástico, a cruz e o arado, tornou-se a expressão deste novo modo de conceber a ascese cristã — oração e trabalho —, para edificar espiritual e materialmente a nova sociedade, sobre as ruínas do mundo romano. Bento, precedido no túmulo pela irmã santa Escolástica, previu o dia da sua morte, ocorrida provavelmente em 547.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santos Sete Irmãos, mártires

“Nos tempos do imperador Antonino, foi presa e encarcerada a nobre senhora Felicidade com seus sete cristianíssimos filhos”. Assim começam as Atas do martírio de santa Felicidade e dos seus sete filhos que certos estudiosos acham que não podem ser autênticas, embora muito antigas. É bastante evidente neste documento a inspiração em dois outros clamorosos casos de martírio coletivo, de uma mãe juntamente com sete filhos: o caso dos irmãos Macabeus, de que fala a Sagrada Escritura no capítulo 7 do segundo livro dos Macabeus e aquele de santa Sinforosa. Parece até que não se possa falar de sete verdadeiros irmãos, embora isso venha afirmado por são Gregório Magno. Este, de fato, acolhendo o pedido de santa Teodolinda, enviou-lhe algumas gotas de óleo da lâmpada que ardia próximo ao sepulcro da mártir. Ora, como estivesse ali ao lado também uma gravura mural que representava santa Felicidade, juntamente com outras sete figuras, foi o suficiente para o grande papa declarar que se tratava dos protagonistas das Atas de santa Felicidade e identificar as outras figuras como sendo os sete filhos da mártir. E por ocasião de uma celebração litúrgica na basílica edificada sobre o túmulo de santa Felicidade pelo papa Bonifácio I, o próprio são Gregório Magno aproveitou muita coisa da Paixão para a sua homilia.

De qualquer modo, está fora de dúvida, que existiram efetivamente, além de santa Felicidade, sete mártires, cujos nomes são lembrados no Martirológio Romano, juntamente com a forma do martírio: “Em Roma (festeja-se) a paixão dos santos sete irmãos mártires, isto é Januário, Félix, Filipe, Silvano, Alexandre, Vidal e Marcial no tempo do imperador Antonino, quando era prefeito da cidade Públio. Entre esses, Januário, após ter sido açoitado com varas e padecido no cárcere, foi morto com flagelos chumbados; Félix e Filipe foram mortos a cacete; Silvano foi jogado num precipício; Alexandre, Vidal e Marcial foram punidos com sentença capital”.

As Atas do martírio concluem com este grito de triunfo: “Assim, mortos por diversos suplícios foram todos vencedores e mártires de Cristo e, triunfando com a mãe, voaram ao céu para receber os prêmios que tinham merecido. Eles que, por amor a Deus desprezaram as ameaças dos homens, as penas e os tormentos, tornaram-se no reino dos céus amigos de Cristo, que, com o Pai e o Espírito Santo, vive e reina por todos os séculos. Amém”.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quarta-feira da 14ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Recebemos, Senhor, vossa misericórdia no meio do vosso templo. Como vosso nome, ó Deus, assim vosso louvor ressoa até os confins da terra; vossa destra está cheia de justiça (Sl 47,10s).

Jesus envia seus discípulos em missão para propagarem a Boa-nova da vida e da libertação aos homens e mulheres de todos os tempos. De tal modo que estes, sentindo a proximidade do Reino, possam viver no amor, que se manifesta em relações de justiça. Também nós somos convocados para sermos promotores da vida, curando a humanidade dos males que a atingem. Como Igreja, povo de Deus, que “existe para evangelizar”, celebremos o Senhor, deixando-nos fortalecer por ele no banquete da Eucaristia.

Primeira Leitura: Oseias 10,1-3.7-8.12

Leitura da profecia de Oseias – 1Israel era uma vinha exuberante e dava frutos para seu consumo; na medida de sua produção, erguia os numerosos altares; na medida da fertilidade da terra, embelezava seus ídolos. 2Com o coração dividido, deve agora receber castigo; o Senhor mesmo derrubará seus altares, destruirá os seus simulacros. 3Decerto, dirão agora: “Não temos rei; não temos medo do Senhor. Que poderia o rei fazer por nós?” 7Samaria está liquidada, seu rei vai flutuando como palha em cima da água. 8Será desmantelada a idolatria dos lugares altos, pecado de Israel; ali crescerão espinhos e abrolhos sobre seus altares; então se dirá aos montes: “Cobri-nos!” e às colinas: “Caí sobre nós!”1 2Semeai justiça entre vós e colhereis amor; desbravai uma roça nova. É tempo de procurar o Senhor, até que ele venha e derrame a justiça em vós. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 104(105)

Buscai constantemente a face do Senhor!

1. Cantai, entoai salmos para ele, / publicai todas as suas maravilhas! / Gloriai-vos em seu nome que é santo, / exulte o coração que busca a Deus! – R.

2. Procurai o Senhor Deus e seu poder, / buscai constantemente a sua face! / Lembrai as maravilhas que ele fez, / seus prodígios e as palavras de seus lábios! – R.

3. Descendentes de Abraão, seu servidor, / e filhos de Jacó, seu escolhido, / ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, / vigoram suas leis em toda a terra. – R.

Evangelho: Mateus 10,1-7

Aleluia, aleluia, aleluia.

Convertei-vos e crede no Evangelho, / pois o Reino de Deus está chegando! (Mc 1,15) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 1Jesus chamou os doze discípulos e deu-lhes poder para expulsarem os espíritos maus e para curarem todo tipo de doença e enfermidade. 2Estes são os nomes dos doze apóstolos: primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João; 3Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o cobrador de impostos; Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu; 4Simão, o Zelota, e Judas Iscariotes, que foi o traidor de Jesus. 5Jesus enviou esses Doze com as seguintes recomendações: “Não deveis ir aonde moram os pagãos nem entrar nas cidades dos samaritanos! 6Ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel! 7Em vosso caminho, anunciai: ‘O Reino dos Céus está próximo’”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus chama e envia doze discípulos para continuar sua missão. O número doze evoca as antigas doze tribos de Israel e indica que o novo povo de Deus está nascendo. De diferentes culturas e condições sociais, os Doze formam o núcleo da comunidade de Jesus: fraterna, solidária e aberta para anunciar o Evangelho por todo o mundo. As tarefas de Jesus são as dos apóstolos: expulsar espíritos impuros e “curar toda doença e enfermidade”. O que devem anunciar? O Reino de Deus está próximo, isto é, ao alcance dos que o aceitarem. Esse Reino está em contraste com os reinos deste mundo, incluindo o Império Romano e as autoridades de Israel. Portador de vida, o Reino de Deus assume a justiça a favor dos pobres e marginalizados.(Dia a dia com o Evangelho 2024)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Madre Paulina

O nome de batismo de Santa Paulina é Amábile Lúcia Visintainer. Ela nasceu em 16 de dezembro de 1865, em Vigolo Vattaro, Trento, norte da Itália. Seus pais, Napoleão Visitainer e Anna Pia­nezzer, levaram-na para ser batizada no dia seguinte ao seu nascimento.

Quando uma família é verdadeiramente cristã, os pais são os primeiros cate­quis­tas. Amábile recebeu de seus pais uma catequese exemplar, pois eles eram cristãos praticantes e procuraram transmitir a fé aos seus catorze filhos: nove homens e cinco mulheres. Como muitas famílias pobres da Europa, a família de Santa Paulina precisou mudar-se para o Brasil, em busca de melhores condições de vida, no ano de 1875. Eles se instalaram em Santa Catarina, que naquele tempo era uma província pouco habitada. Os imigrantes, então, fundaram vilarejos, dando-lhes os nomes dos povoados italianos em que viveram.

No Brasil, a família de Amábile manteve a fé e a participação na comunidade. Ela fez a primeira comunhão mais ou menos com doze anos. Ainda adolescente começou a ajudar nas atividades de sua paróquia, auxiliando na cate­quese dos mais novos, visitando os doentes e limpando a capela de Vígolo, povoado onde morava com sua família.

Amábile não conseguia ver pessoas sofrendo e ficar parada. Por isso, em 12 de junho de 1890, aos 25 anos de idade, deixou a casa de seu pai e foi morar em um casebre próximo da Igreja, para cuidar de uma mulher desamparada que estava com câncer. Por isso, Santa Pau­lina é considerada a protetora das pessoas com câncer. Junto com ela foi sua amiga Virgínia Nicolodi. Em 1895, o bispo de Curitiba aprovou o trabalho de Amábile e suas com­panheiras, chamando-as Filhas da Imaculada Conceição. Amábile fez os votos religiosos e passou a ser chamada Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus. A elas se associaram outras companheiras com o desejo de confortar os sofredores. Irmã Paulina trabalhava na horta, capinava, cortava lenha, plantava milho e feijão, fazia as tarefas da casa, ou seja, fazia tudo o que fosse possível para sustentar sua obra em favor dos pobres. Logo que o instituto tinha se organizado em Nova Trento, cidade para onde elas se haviam transferido para ajudar um número maior de pessoas, Madre Paulina transferiu-se para São Paulo, e lá, em 1903, fundou uma casa. Logo depois iniciou uma obra para acolher ex-escravos e seus filhos, que, com a abolição da escravatura, ficaram desamparados.

Em 1909, por causa de um desentendimento com o arcebispo de São Paulo e uma rica benfeitora da Congregação das irmãzinhas, Madre Paulina foi transferida para Bragança Paulista. Viveu lá até 1918, quando foi chamada de volta a São Paulo. Em 1938 começou a sofrer por causa do diabete. Sofreu amputação de um dedo e depois do braço direito. Passou seus últimos dias cega, até seu falecimento, aos 72 anos de idade, em 9 de julho de 1942.

Extraído do livro:
Rezando com Madre Paulina, João Ferreira dos Santos

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Terça-feira da 14ª semana do Tempo Comum

SANTA PAULINA DO CORAÇÃO AGONIZANTE DE JESUS

RELIGIOSA E VIRGEM

(branco, pref. comum ou das virgens – ofício da memória)

O caminho dos justos é como luz esplêndida que surge e cresce do amanhecer até o pleno dia (Pr 4,18).

Amábile – mais tarde chamada de Irmã Paulina – nasceu na Itália em 1865. Com sua família, migrou para o Brasil e foi morar em Nova Trento, Santa Catarina. Mulher dedicada à oração constante, ocupava-se das crianças órfãs e de ex-escravos abandonados. Fundou a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição e faleceu em 1942. Foi canonizada pelo papa São João Paulo 2º em 2002. Que seu exemplo nos anime no serviço generoso aos pobres e marginalizados.

Primeira Leitura: Oseias 8,4-7.11-13

Leitura da profecia de Oseias – Assim fala o Senhor: 4“Eles constituíram reis sem minha vontade; constituíram príncipes sem meu conhecimento; sua prata e seu ouro serviram para fazer ídolos e para sua perdição. 5Teu bezerro, ó Samaria, foi jogado ao chão; minha cólera inflamou-se contra eles. Até quando ficarão sem purificar-se? 6Esse bezerro provém de Israel; um artesão fabricou-o, isso não é um deus; será feito em pedaços esse bezerro de Samaria. 7Semeiam ventos, colherão tempestades; se não há espiga, o grão não dará farinha; e, mesmo que dê, estranhos a comerão. 11Efraim ergueu muitos altares em expiação do pecado, mas seus altares resultaram-lhe em pecado. 12Eu lhes deixei, por escrito, grande número de preceitos, mas estes foram considerados coisa que não lhes toca. 13Gostam de oferecer sacrifícios, imolam carnes e comem; mas o Senhor não os recebe. Antes, o Senhor lembra seus pecados e castiga suas culpas: eles deverão voltar para o Egito”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 113B(115)

Confia, Israel, no Senhor!

1. É nos céus que está o nosso Deus, / ele faz tudo aquilo que quer. / São os deuses pagãos ouro e prata, / todos eles são obras humanas. – R.

2. Têm boca e não podem falar, / têm olhos e não podem ver; / têm nariz e não podem cheirar, / tendo ouvidos, não podem ouvir. – R.

3. Têm mãos e não podem pegar, / têm pés e não podem andar. / Como eles, serão seus autores, / que os fabricam e neles confiam. – R.

4. Confia, Israel, no Senhor. / Ele é teu auxílio e escudo! / Confia, Aarão, no Senhor. / Ele é teu auxílio e escudo! – R.

Evangelho: Mateus 9,32-38

Aleluia, aleluia, aleluia.

Eu sou o bom pastor, conheço minhas ovelhas / e elas me conhecem, assim fala o Senhor (Jo 10,14). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 32apresentaram a Jesus um homem mudo, que estava possuído pelo demônio. 33Quando o demônio foi expulso, o mudo começou a falar. As multidões ficaram admiradas e diziam: “Nunca se viu coisa igual em Israel”. 34Os fariseus, porém, diziam: “É pelo chefe dos demônios que ele expulsa os demônios”. 35Jesus percorria todas as cidades e povoados, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade. 36Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam cansadas e abatidas como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: 37“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38Pedi, pois, ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!” – Palavra da salvação.

Reflexão:

Pequeno recorte da atividade missionária de Jesus. Destacam- se: seu ensinamento (v. 35); a cura de “toda doença”; a compaixão pelas multidões “angustiadas e abandonadas”; e a constatação de que o trabalho pelo Reino de Deus é imenso, faltam operários, então é necessário pedir ao Pai celeste que “envie trabalhadores para a sua colheita”. Não obstante o total empenho de Jesus em benefício da população enferma, pobre e oprimida, surgem os fariseus para insultá-lo. Dizem que ele age pelo poder dos demônios. Atribuição ofensiva e descabida. É pelo poder de Deus que Jesus realiza suas obras. A maioria do povo sabe disso e o manifesta: “As multidões ficaram maravilhadas”. Qual é a sua colaboração para fortalecer, no mundo, o Reino de justiça e paz?(Dia a dia com o Evangelho 2024)

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Segunda-feira da 14ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Recebemos, Senhor, vossa misericórdia no meio do vosso templo. Como vosso nome, ó Deus, assim vosso louvor ressoa até os confins da terra; vossa destra está cheia de justiça (Sl 47,10s).

Jesus é sinal de vida e restauração para aqueles que creem no seu nome. A comunidade cristã, iluminada pela fé na sua Palavra, é chamada a abrir-se ao seu amor misericordioso, manifestado em favor dos mais fragilizados e necessitados de socorro.

Primeira Leitura: Oseias 2,16-18.21-22

Leitura da profecia de Oseias – Assim fala o Senhor: 16“Eis que eu a vou seduzir, levando-a à solidão, onde lhe falarei ao coração; 17e ela aí responderá ao compromisso, como nos dias de sua juventude, nos dias da sua vinda da terra do Egito. 18Acontecerá nesse dia, diz o Senhor, que ela me chamará ‘Meu marido’, e não mais chamará ‘Meu Baal’. 21Eu te desposarei para sempre; eu te desposarei conforme as sanções da justiça e conforme as práticas da misericórdia. 22Eu te desposarei para manter fidelidade, e tu conhecerás o Senhor”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 144(145)

Misericórdia e piedade é o Senhor.

1. Todos os dias haverei de bendizer-vos, / hei de louvar o vosso nome para sempre. / Grande é o Senhor e muito digno de louvores, / e ninguém pode medir sua grandeza. – R.

2. Uma idade conta à outra vossas obras / e publica os vossos feitos poderosos; / proclamam todos o esplendor de vossa glória / e divulgam vossas obras portentosas! – R.

3. Narram todos vossas obras poderosas, / e de vossa imensidade todos falam. / Eles recordam vosso amor tão grandioso / e exaltam, ó Senhor, vossa justiça. – R.

4. Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. / O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. – R.

Evangelho: Mateus 9,18-26

Aleluia, aleluia, aleluia.

Jesus Cristo salvador destruiu o mal e a morte; / fez brilhar, pelo Evangelho, a luz e a vida imperecíveis (2Tm 1,10). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – 18Enquanto Jesus estava falando, um chefe aproximou-se, inclinou-se profundamente diante dele e disse: “Minha filha acaba de morrer. Mas vem, impõe tua mão sobre ela, e ela viverá”. 19Jesus levantou-se e o seguiu, junto com os seus discípulos. 20Nisto, uma mulher que sofria de hemorragia há doze anos veio por trás dele e tocou a barra do seu manto. 21Ela pensava consigo: “Se eu conseguir ao menos tocar no manto dele, ficarei curada”. 22Jesus voltou-se e, ao vê-la, disse: “Coragem, filha! A tua fé te salvou”. E a mulher ficou curada a partir daquele instante. 23Chegando à casa do chefe, Jesus viu os tocadores de flauta e a multidão alvoroçada 24e disse: “Retirai-vos, porque a menina não morreu, mas está dormindo”. E começaram a caçoar dele. 25Quando a multidão foi afastada, Jesus entrou, tomou a menina pela mão e ela se levantou. 26Essa notícia espalhou-se por toda aquela região. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Alguns gestos e palavras do chefe demonstram sua fé no poder de Jesus: aproximar-se, ajoelhar-se diante dele, e a certeza de que Jesus, impondo as mãos sobre a falecida, a fará viver. Diferente de outros líderes, como Herodes, que matou crianças, e Herodes Antipas, que mandou cortar a cabeça do Batista, este chefe reconhece seus limites, busca Jesus e deseja o bem para a filha. Oxalá nossos governantes sigam seu exemplo: sentir as necessidades da população e prestar-lhe socorro! Louváveis também são a coragem e a fé da mulher enferma. Pela fé simples e profunda, ela fica livre de sua enfermidade. Na casa do chefe, Jesus dispensa curiosos e barulhentos, comuns e inúteis nessas circunstâncias. Jesus não dá espetáculo. O que faz é demonstrar o poder de Deus e consolidar seu Reino.(Dia a dia com o Evangelho 2024)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Bem-aventurado Bento XI, papa

Treviso, a diocese que deu à Igreja são Pio X, é a pátria de outro papa, elevado às honras dos altares: Bento XI. Como são Pio X, pelo registro civil Nicolau Boccasini, nascido em Treviso em 1240, provinha de modestíssima família. Sua mãe era lavadeira no convento dos dominicanos, e esta sua ocupação favoreceu o ingresso do filho na jovem ordem de são Domingos. Vestindo o hábito religioso aos dezessete anos, Nicolau completou os estudos em Milão. Ordenado padre voltou a Treviso, onde desempenhou a função de professor no próprio convento. Distinguiu-se pela mansidão de caráter, pureza de vida, humildade e piedade. Eleito em 1286 superior provincial da vasta região lombarda, dez anos após foi chamado a suceder a Estevão de Besançon no cargo de geral da Ordem.

Pouco depois Nicolau, filho de uma humilde lavadeira de Treviso, conseguiu realizar uma difícil trégua entre o rei da Inglaterra, Eduardo I, e o rei da França, Filipe, o Belo. Esta sua missão de paz, coroada de inesperado sucesso, valeu ao geral dos dominicanos o chapéu cardinalício, concedido pelo papa Bonifácio VIII, que desejava com esta nomeação premiar também toda a ordem domi-nicana, pela sua adesão ao pontífice. O cardeal Boccasini estava em Anagni ao lado de Bonifácio VIII quando este foi atingido pelo bofetão do emissário de Filipe, o Belo, Guilherme de Nogaret.

Morto Bonifácio VIII, os cardeais reunidos em conclave em Roma, a 22 de outubro de 1303, deram-lhe como sucessor o próprio cardeal Boccasini, homem conciliador e o mais indicado para resolver o grande conflito entre o papado e o rei da França. O novo pontífice, que recebeu o nome de Bento XI, correspondeu às expectativas. Embora mostrando-se duro com o executor material do gesto sacrílego (renovou a excomunhão a Nogaret e a Sciarra Colonna), absolveu o rei das censuras em que havia incorrido. Bento XI preferiu a residência de Perúgia àquela romana, para ficar longe dos tumultos e das insídias, e dedicar-se ao pacífico governo da Igreja. Mas também aqui foi atingido pelo ódio de seus inimigos: sentindo-se mal após ter provado um figo fresco, provavelmente envenenado, fez escancarar as portas do palácio para conceder uma última au-diência e bênção aos fiéis. Entre os atos do seu breve pontificado (22 de outubro de 1303 — 7 de julho de 1304) está o decreto da obrigação para todo cristão de confessar-se ao menos uma vez por ano.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS