Categorias
Evangelho do dia

Sábado da 13ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Povos todos, aplaudi e aclamai a Deus com brados de alegria (Sl 46,2).

O Senhor reergue, conserta e reconstrói a vida, prometendo novos tempos de abundância e alegria. Somos convidados a acolher a novidade do seu Evangelho e promover a paz e a justiça em todas as circunstâncias.

Primeira Leitura: Amós 9,11-15

Leitura da profecia de Amós – Assim diz o Senhor: 11“Naquele dia, reerguerei a tenda de Davi, em ruínas, e consertarei seus estragos, levantando-a dos escombros e reconstruindo tudo, como nos dias de outrora; 12desse modo possuirão todo o resto de Edom e das outras nações, que são chamadas com o meu nome, diz o Senhor, que tudo isso realiza. 13Eis que dias virão, diz o Senhor, em que se seguirão de perto quem ara e quem ceifa, o que pisa as uvas e o que lança a semente; os montes destilarão vinho e as colinas parecerão liquefazer-se. 14Mudarei a sorte de Israel, meu povo cativo; eles reconstruirão as cidades devastadas e as habitarão, plantarão vinhas e tomarão o vinho, cultivarão pomares e comerão seus frutos. 15Eu os plantarei sobre o seu solo e eles nunca mais serão arrancados de sua terra, que eu lhes dei”, diz o Senhor teu Deus. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 84(85)

O Senhor anunciará a paz para o seu povo.

1. Quero ouvir o que o Senhor irá falar: / é a paz que ele vai anunciar; / a paz para o seu povo e seus amigos, / para os que voltam ao Senhor seu coração. – R.

2. A verdade e o amor se encontrarão, / a justiça e a paz se abraçarão; / da terra brotará a fidelidade, / e a justiça olhará dos altos céus. – R.

3. O Senhor nos dará tudo o que é bom, / e a nossa terra nos dará suas colheitas; / a justiça andará na sua frente / e a salvação há de seguir os passos seus. – R.

Evangelho: Mateus 9,14-17

Aleluia, aleluia, aleluia.

Minhas ovelhas escutam minha voz, / eu as conheço e elas me seguem (Jo 10,27). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 14os discípulos de João aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns, mas os teus discípulos não?” 15Disse-lhes Jesus: “Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, sim, eles jejuarão. 16Ninguém coloca remendo de pano novo em roupa velha, porque o remendo repuxa a roupa e o rasgão fica maior ainda. 17Também não se coloca vinho novo em odres velhos, senão os odres se arrebentam, o vinho se derrama e os odres se perdem. Mas vinho novo se coloca em odres novos, e assim os dois se conservam”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

A exemplo dos fariseus, os discípulos de João estão preocupados porque os discípulos de Jesus não jejuam. O jejum é importante no momento certo e com objetivos claros. Jesus considera o jejum não como prática religiosa, mas como expressão de luto e tristeza. O esposo, Jesus, ainda está presente na comunidade, por isso ainda não é momento para ficar de luto e jejuar. Os fariseus e os discípulos de João não reconhecem em Jesus o Messias-Esposo, por isso eles continuam jejuando. Seu jejum é sinal de rejeição do Mestre de Nazaré. As duas comparações – pano novo em vestido velho e vinho novo em vasilhas velhas – mostram claramente a diferença entre o velho e o novo, que chegou com o Mestre. Jesus liberta uma religião fundamentada no legalismo para propor a novidade do seu Reino: vivência do amor, da solidariedade e da justiça.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.