Categorias
Santo do dia

São Benedito, confessor

Benedito, nascido em 1526 em São Filadelfo, nos arredores de Messina, era filho de pais descendentes de escravos levados para a Sicília — casal de extraordinária piedade. Era o primogênito da família e foi libertado pelo professor siciliano Manasseri. Manifestou desde os 10 anos pronunciada tendência para a penitência e a solidão. Foi chamado o santo Mouro, por causa de sua cor preta.

Guardando rebanhos, entregava-se à oração; os maus-tratos que recebia dos companheiros foram a ocasião para se voltar com mais fervor para Jesus, fonte de toda consolação. Aos 18 anos, com o fruto de seu trabalho, provia a si mesmo e aos pobres. Um jovem senhor, Jerônimo Lanza, vendo como o tratavam seus companheiros por causa de sua piedade, chamou-o para o eremitério em que vivia, e ele o seguiu; tinha então 21 anos.

A vida de Benedito tornou-se exercício contínuo de todas as virtudes e Deus lhe concedeu o dom de operar milagres. Isso fez com que os eremitas deixassem o eremitério dos arredores de Messina e fossem para os rochedos de Montepelegrino, na vizinhança de Palermo. Após a morte de Jerônimo, os eremitas escolheram Benedito para superior; mas como Pio IV tivesse tirado a autorização dada por Júlio III, Benedito e os seus eremitas, pessoas obedientes, se separaram. Dirigiu-se Benedito aos frades menores da Observância no Convento de Santa Maria de Jesus, onde foi recebido como simples irmão leigo. Depois de ter sido mandado para o Convento de Sant’Ana de Giuliana, onde viveu por três anos, voltou para Santa Maria de Jesus, onde passou o resto de sua vida.

Apenas chegado a Santa Maria, foi encarregado da cozinha pelo Superior. Realizou Deus aí, por seu intermédio, diversos milagres. Em 1578, o capítulo geral o nomeou Guardião. Como não soubesse nem ler nem escrever, suplicou que afastassem dele esse cargo, no que não foi atendido, apelando-se para a santa obediência. A sua conduta no cargo justificou plenamente a escolha dos superiores. Foi respeitoso para com os padres, caridoso para com os irmãos leigos, condescendente para com os noviços e foi por todos respeitado, amado e obedecido, sem que ninguém tentasse abusar de sua humildade. Sua confiança na Providência foi sem limites: recomendara ao porteiro jamais recusar esmolas aos pobres que se apresentassem. Dava a seus religiosos o exemplo de todas as virtudes. Era sempre o primeiro no coro e nos exercícios da comunidade, o primeiro na visita aos doentes e no trabalho manual. Na direção do noviciado demonstrou grande doçura e consumada prudência; os noviços tiveram nele guia seguro, pai cheio de ternura e excelente mestre da Escritura, cujas leituras do Ofício lhes explicava com surpreendente facilidade.

São Benedito tinha manifestamente o dom da ciência infusa, acontecendo-lhe de dar respostas luminosas a mestres em teologia que o vieram consultar. A este dom unia também o da penetração dos espíritos e dos corações.

Terminado o tempo de seu cargo, voltou novamente ao ofício de cozinheiro, felicíssimo por reencontrar a vida obscura e oculta, objeto de todos os seus desejos.
Em 1589 caiu gravemente doente, e Deus lhe revelou que seu fim estava próximo. Na recepção dos últimos sacramentos experimentou como que um antegozo das alegrias celestes. Morreu docemente no dia 4 de abril.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quinta-feira da 4ª Semana da Quaresma

(roxo – ofício do dia)

Exulte o coração dos que buscam a Deus. Sim, buscai o Senhor e sua força, procurai sem cessar a sua face (Sl 104,3s).

O Senhor não cede à vingança, mas revela seu verdadeiro perfil: é Deus repleto de amor e de perdão. Somos convidados a buscar sua glória no dia a dia, sendo promotores de harmonia e paz em nossos relacionamentos.

Primeira Leitura: Êxodo 32,7-14

Leitura do livro do Êxodo – Naqueles dias, 7o Senhor falou a Moisés: “Vai, desce, pois corrompeu-se o teu povo, que tiraste da terra do Egito. 8Bem depressa desviaram-se do caminho que lhes prescrevi. Fizeram para si um bezerro de metal fundido, inclinaram-se em adoração diante dele e ofereceram-lhe sacrifícios, dizendo: ‘Estes são os teus deuses, Israel, que te fizeram sair do Egito!’” 9E o Senhor disse ainda a Moisés: “Vejo que este é um povo de cabeça dura. 10Deixa que minha cólera se inflame contra eles e que eu os extermine. Mas de ti farei uma grande nação”. 11Moisés, porém, suplicava ao Senhor seu Deus, dizendo: “Por que, ó Senhor, se inflama a tua cólera contra o teu povo, que fizeste sair do Egito com grande poder e mão forte? 12Não permitas, te peço, que os egípcios digam: ‘Foi com má intenção que ele os tirou, para fazê-los perecer nas montanhas e exterminá-los da face da terra’. Aplaque-se a tua ira e perdoa a iniquidade do teu povo. 13Lembra-te de teus servos Abraão, Isaac e Israel, com os quais te comprometeste por juramento, dizendo: ‘Tornarei os vossos descendentes tão numerosos como as estrelas do céu; e toda esta terra de que vos falei, eu a darei aos vossos descendentes como herança para sempre’”. 14E o Senhor desistiu do mal que havia ameaçado fazer ao seu povo. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 105(106)

Lembrai-vos de nós, ó Senhor, / segundo o amor para com vosso povo!

1. Construíram um bezerro no Horeb / e adoraram uma estátua de metal; / eles trocaram o seu Deus, que é sua glória, / pela imagem de um boi que come feno. – R.

2. Esqueceram-se do Deus que os salvara, / que fizera maravilhas no Egito; / no país de Cam fez tantas obras admiráveis, / no mar Vermelho, tantas coisas assombrosas. – R.

3. Até pensava em acabar com sua raça, / não se tivesse Moisés, o seu eleito, / interposto, intercedendo junto a ele, / para impedir que sua ira os destruísse. – R.

Evangelho: João 5,31-47

Jesus Cristo, sois bendito, / sois o ungido de Deus Pai!

Deus o mundo tanto amou, / que lhe deu seu próprio Filho, / para que todo o que nele crer / encontre vida eterna (Jo 3,16). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: 31“Se eu der testemunho de mim mesmo, meu testemunho não vale. 32Mas há um outro que dá testemunho de mim, e eu sei que o testemunho que ele dá de mim é verdadeiro. 33Vós mandastes mensageiros a João, e ele deu testemunho da verdade. 34Eu, porém, não dependo do testemunho de um ser humano. Mas falo assim para a vossa salvação. 35João era uma lâmpada que estava acesa e a brilhar, e vós com prazer vos alegrastes por um tempo com a sua luz. 36Mas eu tenho um testemunho maior que o de João: as obras que o Pai me concedeu realizar. As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou. 37E também o Pai que me enviou dá testemunho a meu favor. Vós nunca ouvistes sua voz nem vistes sua face, 38e sua palavra não encontrou morada em vós, pois não acreditais naquele que ele enviou. 39Vós examinais as Escrituras, pensando que nelas possuís a vida eterna. No entanto, as Escrituras dão testemunho de mim, 40mas não quereis vir a mim para ter a vida eterna! 41Eu não recebo a glória que vem dos homens. 42Mas eu sei que não tendes em vós o amor de Deus. 43Eu vim em nome do meu Pai, e vós não me recebeis. Mas, se um outro viesse em seu próprio nome, a este vós o receberíeis. 44Como podereis acreditar, vós que recebeis glória uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus? 45Não penseis que eu vos acusarei diante do Pai. Há alguém que vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança. 46Se acreditásseis em Moisés, também acreditaríeis em mim, pois foi a respeito de mim que ele escreveu. 47Mas se não acreditais nos seus escritos, como acreditareis então nas minhas palavras?” – Palavra da salvação.

Reflexão:

A maneira como Jesus se posiciona diante dos judeus é profundamente clara e desconcertante. Na realidade, o evangelista João apresenta uma bem elaborada reflexão de quem é Jesus, qual é a sua missão e por quais meios se confirma o que ele diz. Em Jesus, palavra e atitudes são equivalentes; por isso, as coisas que ele faz dão testemunho dele. Jesus não está preso nem depende de nenhuma pessoa para confirmá-lo em sua missão. Como Jesus é, por excelência, o vocacionado do Pai, tudo o que ele diz e faz reflete e confirma seu especial chamado de proclamar o Reino de Deus. Se os gestos de Jesus atestam quem ele é, por sua vez, as palavras e os gestos dos judeus revelam quem eles são. Podemos nos voltar para o nosso coração e realizar um detido exame de consciência a fim de identificar quem somos verdadeiramente no seguimento de Jesus.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São João Clímaco, abade

O sobrenome deriva do célebre tratado de ascética escrito por João sobre o convite do abade do mosteiro de Raithu, A escada do Paraíso (climax = escada). O seu biógrafo, o monge Daniel do mosteiro de Raithu a sudoeste do Sinai, escreve que são João nasceu na Palestina e quando tinha a idade de dezesseis anos abandonou a cidade natal para ingressar num mosteiro do Sinai, onde quatro anos depois teve a tonsura monacal. Passou 19 anos de vida monástica sob a direção de santo velho que se chamava Martírio.

Quando morreu o Mestre, João se retirou numa cela solitária, bastante perto do mosteiro, onde descia aos sábados e domingos para participar dos ritos litúrgicos com os confrades. Vivia dos trabalhos de suas próprias mãos. Na cela havia grande cruz de madeira, mesa e banco que servia de cama. Sua única riqueza era constituída das Sagradas Escrituras e das obras dos Padres da Igreja, especialmente são Gregório Magno traduzido em grego.

Sua A escada do Paraíso depende evidentemente da Regra Pastoral de são Gregório. Houve muita dúvida sobre as datas de sua vida. Baseados em documentos autênticos os estudiosos estabeleceram o ano de 649 para a sua morte. Assim explica-se a influência de Gregório sobre o anacoreta do Sinai. Escreveu essa admirável obra ascética durante o tempo que passou na cela. Depois arrancaram-no de lá para ser abade no mosteiro do monte Sinai.

O santo anacoreta acolheu por obediência o convite para transcrever as experiências de suas longas meditações sobre a prática das virtudes cristãs. Nasceu assim um dos mais lidos tratados de teologia ascética, que desde a primeira publicação teve grande difusão. Trata do caminho da perfeição na união com Deus por meio da caridade.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quarta-feira da 4ª Semana da Quaresma

(roxo – ofício do dia)

A vós, Senhor, minha oração dirijo, no tempo em que me ouvis; respondei-me, ó Deus, com a largueza de vossa misericórdia e com a verdade de vossa salvação (Sl 68,14).

Deus nos trata com extrema misericórdia e ternura; ele trabalha sempre a nosso favor. Elevemos, pois, hinos de louvor ao Senhor, porque ele “consola seu povo e se compadece dos pobres”.

Primeira Leitura: Isaías 49,8-15

Leitura do livro do profeta Isaías – 8Isto diz o Senhor: “Eu atendo teus pedidos com favores e te ajudo na obra de salvação; preservei-te para seres elo de aliança entre os povos, para restaurar a terra, para distribuir a herança dispersa; 9para dizer aos que estão presos: ‘Saí!’ e aos que estão nas trevas: ‘Mostrai-vos’. E todos se alimentam pelas estradas e até nas colinas estéreis se abastecem; 10não sentem fome nem sede, não os castiga nem o calor nem o sol, porque o seu protetor toma conta deles e os conduz às fontes de água. 11Farei de todos os montes uma estrada, e os meus caminhos serão nivelados. 12Eis que estão vindo de longe, uns chegam do norte e do lado do mar, e outros, da terra de Sinim. 13Louvai, ó céus, alegra-te, terra; montanhas, fazei ressoar o louvor, porque o Senhor consola o seu povo e se compadece dos pobres. 14Disse Sião: ‘O Senhor abandonou-me, o Senhor esqueceu-se de mim!’ 15Acaso pode a mulher esquecer-se do filho pequeno, a ponto de não ter pena do fruto de seu ventre? Se ela se esquecer, eu, porém, não me esquecerei de ti”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 144(145)

Misericórdia e piedade é o Senhor.

1. Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. / O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. – R.

2. O Senhor é amor fiel em sua palavra, / é santidade em toda obra que ele faz. / Ele sustenta todo aquele que vacila / e levanta todo aquele que tombou. – R.

3. É justo o Senhor em seus caminhos, / é santo em toda obra que ele faz. / Ele está perto da pessoa que o invoca, / de todo aquele que o invoca lealmente. – R.

Evangelho: João 5,17-30

Jesus Cristo, sois bendito, / sois o ungido de Deus Pai!

Eu sou a ressurreição, eu sou a vida; / quem crê em mim, ainda que morra, viverá (Jo 11,25s). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, 17Jesus respondeu aos judeus: “Meu Pai trabalha sempre, portanto também eu trabalho”. 18Então, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque, além de violar o sábado, chamava Deus o seu Pai, fazendo-se, assim, igual a Deus. 19Tomando a palavra, Jesus disse aos judeus: “Em verdade, em verdade vos digo, o Filho não pode fazer nada por si mesmo; ele faz apenas o que vê o Pai fazer. O que o Pai faz, o Filho o faz também. 20O Pai ama o Filho e lhe mostra tudo o que ele mesmo faz. E lhe mostrará obras maiores ainda, de modo que ficareis admirados. 21Assim como o Pai ressuscita os mortos e lhes dá a vida, o Filho também dá a vida a quem ele quer. 22De fato, o Pai não julga ninguém, mas ele deu ao Filho o poder de julgar, 23para que todos honrem o Filho assim como honram o Pai. Quem não honra o Filho também não honra o Pai, que o enviou. 24Em verdade, em verdade vos digo, quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou possui a vida eterna. Não será condenado, pois já passou da morte para a vida. 25Em verdade, em verdade, eu vos digo, está chegando a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus e os que a ouvirem viverão. 26Porque, assim como o Pai possui a vida em si mesmo, do mesmo modo concedeu ao Filho possuir a vida em si mesmo. 27Além disso, deu-lhe o poder de julgar, pois ele é o Filho do Homem. 28Não fiqueis admirados com isso, porque vai chegar a hora em que todos os que estão nos túmulos ouvirão a voz do Filho e sairão: 29aqueles que fizeram o bem ressuscitarão para a vida; e aqueles que praticaram o mal, para a condenação. 30Eu não posso fazer nada por mim mesmo. Eu julgo conforme o que escuto, e meu julgamento é justo, porque não procuro fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

A presença de Jesus é incômoda para muitos e por diferentes motivos. No Evangelho de hoje, os judeus não aceitavam a liberdade de Jesus, que fazia o que não era permitido aos sábados e chamava a Deus de Pai. Jesus vem romper com o esquema estabelecido e, obviamente, haverá questionamento e hostilidade por parte daqueles que têm certeza de que o errado é o outro, nesse caso, Jesus. Em sua resposta aos judeus, Jesus tenta clarificar quem ele é e qual é a sua missão. Jesus e o Pai formam uma unidade que pode ser traduzida e entendida como perfeita sintonia. Não há aqui relação de dependência e anulação de um ou de outro; mas profunda cumplicidade e complementariedade. Jesus não vive por si, mas segundo o projeto que o Pai tem para ele. O que move o nosso coração e firma nossos pés na caminhada?(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Terça-feira da 4ª Semana da Quaresma

(roxo – ofício do dia)

Vós, que tendes sede, vinde às águas; vós que não tendes com que pagar, vinde e bebei com alegria (Is 55,1).

Assim como a água que brota do templo e se espalha por toda parte, a Eucaristia nos transmite a vida e a graça divina. Deixemo-nos tocar pelas generosas bênçãos do Senhor, que nos visita a todo instante.

Primeira Leitura: Ezequiel 47,1-9.12

Leitura da profecia de Ezequiel – Naqueles dias, 1o anjo fez-me voltar até a entrada do templo e eis que saía água da sua parte subterrânea na direção leste, porque o templo estava voltado para o oriente; a água corria do lado direito do templo, a sul do altar. 2Ele fez-me sair pela porta que dá para o norte, e fez-me dar uma volta por fora, até a porta que dá para o leste, onde eu vi a água jorrando do lado direito. 3Quando o homem saiu na direção leste, tendo uma corda de medir na mão, mediu quinhentos metros e fez-me atravessar a água: ela chegava-me aos tornozelos. 4Mediu outros quinhentos metros e fez-me atravessar a água: ela chegava-me aos joelhos. 5Mediu mais quinhentos metros e fez-me atravessar a água: ela chegava-me à cintura. Mediu mais quinhentos metros, e era um rio que eu não podia atravessar. Porque as águas haviam crescido tanto, que se tornaram um rio impossível de atravessar, a não ser a nado. 6Ele me disse: “Viste, filho do homem?” Depois, fez-me caminhar de volta pela margem do rio. 7Voltando, eu vi junto à margem muitas árvores, de um e de outro lado do rio. 8Então ele me disse: “Estas águas correm para a região oriental, descem para o vale do Jordão, desembocam nas águas salgadas do mar, e elas se tornarão saudáveis. 9Aonde o rio chegar, todos os animais que ali se movem poderão viver. Haverá peixes em quantidade, pois ali desembocam as águas que trazem saúde; e haverá vida aonde chegar o rio. 12Nas margens junto ao rio, de ambos os lados, crescerá toda espécie de árvores frutíferas; suas folhas não murcharão e seus frutos jamais se acabarão: cada mês darão novos frutos, pois as águas que banham as árvores saem do santuário. Seus frutos servirão de alimento e suas folhas serão remédio”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 45(46)

Conosco está o Senhor do universo! / O nosso refúgio é o Deus de Jacó.

1. O Senhor para nós é refúgio e vigor, / sempre pronto, mostrou-se um socorro na angústia; / assim não tememos se a terra estremece, / se os montes desabam, caindo nos mares. – R.

2. Os braços de um rio vêm trazer alegria / à cidade de Deus, à morada do Altíssimo. / Quem a pode abalar? Deus está no seu meio! / Já bem antes da aurora, ele vem ajudá-la. – R.

3. Conosco está o Senhor do universo! / O nosso refúgio é o Deus de Jacó! / Vinde ver, contemplai os prodígios de Deus / e a obra estupenda que fez no universo. – R.

Evangelho: João 5,1-16

Glória a vós, Senhor Jesus, / primogênito dentre os mortos!

Criai em mim um coração que seja puro, / dai-me de novo a alegria de ser salvo! (Sl 50,12.14) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João – 1Houve uma festa dos judeus, e Jesus foi a Jerusalém. 2Existe em Jerusalém, perto da porta das Ovelhas, uma piscina com cinco pórticos, chamada Betesda em hebraico. 3Muitos doentes ficavam ali deitados: cegos, coxos e paralíticos. 4De fato, um anjo descia, de vez em quando, e movimentava a água da piscina, e o primeiro doente que aí entrasse, depois do borbulhar da água, ficava curado de qualquer doença que tivesse. 5Aí se encontrava um homem que estava doente havia trinta e oito anos. 6Jesus viu o homem deitado e, sabendo que estava doente há tanto tempo, disse-lhe: “Queres ficar curado?” 7O doente respondeu: “Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente”. 8Jesus disse: “Levanta-te, pega a tua cama e anda”. 9No mesmo instante, o homem ficou curado, pegou a sua cama e começou a andar. Ora, esse dia era um sábado. 10Por isso, os judeus disseram ao homem que tinha sido curado: “É sábado! Não te é permitido carregar tua cama”. 11Ele respondeu-lhes: “Aquele que me curou disse: ‘Pega tua cama e anda’”. 12Então lhe perguntaram: “Quem é que te disse: ‘Pega tua cama e anda’?” 13O homem que tinha sido curado não sabia quem fora, pois Jesus se tinha afastado da multidão que se encontrava naquele lugar. 14Mais tarde, Jesus encontrou o homem no templo e lhe disse: “Eis que estás curado. Não voltes a pecar, para que não te aconteça coisa pior”. 15Então o homem saiu e contou aos judeus que tinha sido Jesus quem o havia curado. 16Por isso, os judeus começaram a perseguir Jesus, porque fazia tais coisas em dia de sábado. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus, sensível a tudo e a todos que estão ao seu redor, percebe o homem que há muitos anos vive à margem de tudo e de todos. À espera de que alguém o jogue na piscina assim que as águas se agitarem, o homem doente simboliza a estagnação ou paralisia provocada pelo pecado e pelo sistema, que amarra as pessoas e impede que elas conquistem sua autonomia e independência. Diante do bem que foi realizado, Jesus encontra opositores; pois o arranjo social, político, econômico e religioso olha e busca a manutenção da estrutura que o caracteriza e não necessariamente o bem daqueles e daquelas que necessitam de cuidado e meios para que suas vidas sejam restabelecidas. Gestos do passado podem ainda ser reproduzidos em nossas comunidades hoje. Observemos e ajamos para que ao nosso redor a vida de todos tenha igual valor e prevaleça.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Segundo, mártir

Dizem que o Pó é o rio mais comprido e mais curto da Itália. Da nascente até a foz mede 652 km, mas quanto ao nome tem só duas letras. Ele tem duas cheias e duas baixas durante o ano, mas tem sempre um aspecto imponente com seus 1500 metros cúbicos de água por segundo. Estas notícias têm um significado no perfil de são Segundo de Asti. Um dos episódios característicos de sua vida é precisamente a travessia do rio Pó a cavalo. São Segundo é muito popular no norte da Itália, padroeiro de Asti e Ventimiglia.
Grande parte das notícias são lendárias e antigas. Na metade do século IX fala-se de uma igreja em sua honra. A lenda narra que Segundo era jovem de família nobre. Admirava o heroísmo de tantos mártires cristãos e visitava-os nos cárceres de Asti. São Calógero de Bréscia teve oportunidade de falar-lhe demoradamente a respeito da mensagem cristã. Algum tempo depois, Segundo, que era amigo de Saprício, prefeito da cidade, foi com ele a Tortona. Ali encontrava-se em andamento o processo de Marciano (uma tradição o con-sidera primeiro bispo de Tortona, depois martirizado sob Adriano, no início do século II).
O testemunho de são Marciano fez são Segundo dar um passo decisivo à conversão que se completaria por ocasião de uma viagem a Milão. Lá encontrou os santos Faustino e Jovita no cárcere. Diz a lenda que um anjo de Deus o levou até a prisão e recebeu lá mesmo o batismo. A água teria vindo de uma nuvem e logo após veio uma pomba trazer-lhes a comunhão. Faustino deu as sagradas espécies a Segundo para as levar ao prisioneiro são Marciano. Saprício descobriu a conversão do amigo e procurou por todos os meios fazê-lo abjurar. Não o conseguindo, fê-lo torturar e por fim mandou-o à decapitação que foi executada em 30 de março de 119 (?).

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Segunda-feira da 4ª Semana da Quaresma

(roxo – ofício do dia)

Confio em vós, ó Deus! Alegro-me e exulto em vosso amor, pois olhastes, Senhor, minha miséria (Sl 30,7s).

Deus se dispõe a recriar, renovando coisas e pessoas. Celebremos o Senhor com confiança e alegria, reconhecendo com o salmista: “Transformastes o meu pranto em uma festa”.

Primeira Leitura: Isaías 65,17-21

Leitura do livro do profeta Isaías – Assim fala o Senhor: 17“Eis que eu criarei novos céus e nova terra, coisas passadas serão esquecidas, não voltarão mais à memória. 18Ao contrário, haverá alegria e exultação sem fim em razão das coisas que eu vou criar; farei de Jerusalém a cidade da exultação e um povo cheio de alegria. 19Eu também exulto com Jerusalém e alegro-me com o meu povo; ali nunca mais se ouvirá a voz do pranto e o grito de dor. 20Ali não haverá crianças condenadas a poucos dias de vida nem anciãos que não completem seus dias. Será considerado jovem quem morrer aos cem anos; e quem não alcançar cem anos passará por maldito. 21Construirão casas para nelas morar, plantarão vinhas para comer seus frutos”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 29(30)

Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes!

1. Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes / e não deixastes rir de mim meus inimigos! / Vós tirastes minha alma dos abismos / e me salvastes quando estava já morrendo! – R.

2. Cantai salmos ao Senhor, povo fiel, / dai-lhe graças e invocai seu santo nome! / Pois sua ira dura apenas um momento, / mas sua bondade permanece a vida inteira; / se à tarde vem o pranto visitar-nos, / de manhã vem saudar-nos a alegria. – R.

3. Escutai-me, Senhor Deus, tende piedade! / Sede, Senhor, o meu abrigo protetor! / Transformastes o meu pranto em uma festa, / Senhor meu Deus, eternamente hei de louvar-vos! – R.

Evangelho: João 4,43-54

Honra, glória, poder e louvor / a Jesus, nosso Deus e Senhor!

Buscai o bem, não o mal, pois assim vivereis; / então o Senhor, nosso Deus, convosco estará! (Am 5,14) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, 43Jesus partiu da Samaria para a Galileia. 44O próprio Jesus tinha declarado que um profeta não é honrado na sua própria terra. 45Quando então chegou à Galileia, os galileus receberam-no bem, porque tinham visto tudo o que Jesus havia feito em Jerusalém durante a festa. Pois também eles tinham ido à festa. 46Assim, Jesus voltou para Caná da Galileia, onde havia transformado a água em vinho. Havia em Cafarnaum um funcionário do rei que tinha um filho doente. 47Ouviu dizer que Jesus tinha vindo da Judeia para a Galileia. Ele saiu ao seu encontro e pediu-lhe que fosse a Cafarnaum curar seu filho, que estava morrendo. 48Jesus disse-lhe: “Se não virdes sinais e prodígios, não acreditais”. 49O funcionário do rei disse: “Senhor, desce, antes que meu filho morra!” 50Jesus lhe disse: “Podes ir, teu filho está vivo”. O homem acreditou na palavra de Jesus e foi embora. 51Enquanto descia para Cafarnaum, seus empregados foram ao seu encontro, dizendo que o seu filho estava vivo. 52O funcionário perguntou a que horas o menino tinha melhorado. Eles responderam: “A febre desapareceu, ontem, pela uma da tarde”. 53O pai verificou que tinha sido exatamente na mesma hora em que Jesus lhe havia dito: “Teu filho está vivo”. Então, ele abraçou a fé, juntamente com toda a sua família. 54Esse foi o segundo sinal de Jesus. Realizou-o quando voltou da Judeia para a Galileia. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Em vez de “milagres”, o evangelista João adota o termo “sinais” para designar os feitos extraordinários que Jesus realizou. Ao todo, ao longo de seu Evangelho, João apresenta sete sinais; recordemos que o número sete na Bíblia significa plenitude. Inicialmente, Jesus afirma que sem sinais e prodígios o povo não é capaz de acreditar; e, ao ser interpelado por um pai aflito, Jesus, de forma simples, diz que a cura esperada já aconteceu. O pai da criança constata o que Jesus realizou e, por causa desse sinal, passa a acreditar. Os sinais realizados por Jesus têm, sim, caráter extraordinário, mas, sobretudo, pedagógico; não tem valor em si o “fora do normal”, mas o que esse sinal pode provocar de adesão ao projeto proposto por Jesus. O dia a dia, sim, deve se tornar extraordinário e nos motivar a construir um mundo mais justo e fraterno onde a vida de todos transborde.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Bem-aventurada Gisela, rainha e abadessa

Nasceu Gisela por volta de 985, filha do duque bávaro, Henrique, o Briguento, e de sua esposa, Gisela da Borgonha. Foi a irmã mais nova de Henrique II, de Bruno, depois bispo de Augsburgo e de Brígida, futura abadessa de Mittelmuenster. Por seus antepassados, Gisela se relacionou com a Baviera, com a Alemanha e com a Hungria; por isso, alcançou especial importância.
Na sua História da Hungria conta Homann: “ … também Gisela quis tomar o véu, quando em 996 os emissários de Geiza da Hungria vieram a Regensburgo e a pediram como esposa para Estêvão, filho de Geiza. O duque bávaro Henrique, aluno do santo bispo Wolfgango, recebeu com alegria os emissários. Gisela renunciou ao esposo celeste e mudou-se para a corte principesca húngara para multiplicar o povo de Cristo”. Certamente antes celebraram-se as bodas no castelo de Scheyern, como quer a tradição, no ano 1000. Na festa da Assunção, Gisela foi coroada e ungida primeira rainha cristã dos húngaros e com ela o seu marido. Estêvão, de fato, converteu-se ao cristianismo por influência de sua esposa. Por influência dela ainda Estêvão via na obra de conversão dos seus súditos a tarefa principal do seu reinado. Sem a colaboração da rainha, não se poderia explicar o sucesso dos seus esforços.
Gisela ajudou na construção e no acabamento de igrejas. Construiu a catedral de Vezprim, à qual doou ricos feudos. Mandou vir escultores da Grécia com o encargo de embelezarem as igrejas de Belgrado e Buda Velha. A rainha também interveio na história dos povos: pelo casamento de Estêvão com a irmã do duque da Baviera e mais tarde imperador alemão, Henrique II, foi a Hungria conquistada para a Igreja de Roma e enquadrada na cultura do oeste europeu. As relações com a Baviera mantiveram-se até o século XX.
A piedosa rainha teve de fazer grandes sacrifícios. Deus lhe levou o primeiro filho e logo mais uma filha. Duas seguiram os maridos para terras longínquas, e jamais as reviu. Seu filho Américo, que deveria ser o sucessor no trono real, faleceu; mais tarde foi canonizado. A 15 de agosto de 1038, festa da Assunção de Maria, à qual consagrara o país, faleceu o marido Estêvão, que, com o filho, foi canonizado em 1083. Após essa morte, a viúva foi exposta indefesa às mais graves hostilidades da parte dos húngaros nacionalistas pagãos. Confiscaram-lhe os bens, proibiram-lhe corresponder-se com parentes em países estrangeiros; enfim, prenderam-na e a maltrataram. Depois de vários anos de prisão, foi libertada por Henrique III, em 1042.
Gisela voltou para a Baviera e se faz beneditina no Mosteiro de Niedernburg, perto de Passau, que Henrique II elevara à dignidade de abadia principesca (isto é: a abadessa eleita era automaticamente princesa do império alemão) em 1010. Não podiam passar desapercebidas as qualidades espirituais e morais desta mulher cheia de prudência e experiência: foi eleita terceira abadessa-princesa, governando a abadia até 7 de maio de 1065, quando morreu, sendo enterrada na capela de Parz da igreja abacial; a laje original ainda se conserva.
Logo após sua morte, vieram peregrinos de todos os recantos, crescendo as romarias no decurso dos séculos.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

4º Domingo da Quaresma

(roxo ou róseo, creio – 4ª semana do saltério)

Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações (Is 66,10s).

Com alegria nos reunimos para celebrar, na Eucaristia, o mistério pascal de Jesus. O Senhor nos acolhe de braços abertos e nos convida a provar a suavidade do seu amor. Reconciliados por Cristo com Deus, nosso Pai, participemos do banquete por ele oferecido, no qual partilhamos do seu perdão e da sua misericórdia.

Primeira Leitura: Josué 5,9-12

Leitura do livro de Josué – Naqueles dias, 9o Senhor disse a Josué: “Hoje tirei de cima de vós o opróbrio do Egito”. 10Os israelitas ficaram acampados em Guilgal e celebraram a Páscoa no dia catorze do mês, à tarde, na planície de Jericó. 11No dia seguinte à Páscoa, comeram dos produtos da terra, pães sem fermento e grãos tostados nesse mesmo dia. 12O maná cessou de cair no dia seguinte, quando comeram dos produtos da terra. Os israelitas não mais tiveram o maná. Naquele ano comeram dos frutos da terra de Canaã. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 33(34)

Provai e vede quão suave é o Senhor!

1. Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, / seu louvor estará sempre em minha boca. / Minha alma se gloria no Senhor; / que ouçam os humildes e se alegrem! – R.

2. Comigo engrandecei ao Senhor Deus, / exaltemos todos juntos o seu nome! / Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu / e de todos os temores me livrou. – R.

3. Contemplai a sua face e alegrai-vos, / e vosso rosto não se cubra de vergonha! / Este infeliz gritou a Deus e foi ouvido, / e o Senhor o libertou de toda angústia. – R.

Segunda Leitura: 2 Coríntios 5,17-21

Leitura da segunda carta de São Paulo aos Coríntios – Irmãos, 17se alguém está em Cristo, é uma criatura nova. O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo. 18E tudo vem de Deus, que, por Cristo, nos reconciliou consigo e nos confiou o ministério da reconciliação. 19Com efeito, em Cristo, Deus reconciliou o mundo consigo, não imputando aos homens as suas faltas e colocando em nós a palavra da reconciliação. 20Somos, pois, embaixadores de Cristo, e é Deus mesmo que exorta através de nós. Em nome de Cristo, nós vos suplicamos: deixai-vos reconciliar com Deus. 21Aquele que não cometeu nenhum pecado, Deus o fez pecado por nós, para que nele nós nos tornemos justiça de Deus. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 15,1-3.11-32

Louvor e honra a vós, Senhor Jesus.

Vou levantar-me e vou a meu pai e lhe direi: / Meu pai, eu pequei contra o céu e contra ti (Lc 15,18). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 1os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 3Então, Jesus contou-lhes esta parábola: 11“Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. 14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isso lhe davam. 17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’. 20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. 21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’. 22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. 24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa. 25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’. 28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’. 31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Os fariseus e os doutores da Lei criticam Jesus porque ele se aproxima de pecadores, acolhe as prostitutas e faz refeição com pessoas desprezadas. De fato, Jesus não tem problema em se relacionar com pecadores de diversos tipos. Diante disso, Jesus conta três parábolas: a ovelha, a moeda e o filho perdidos. O objetivo dessas parábolas é revelar a misericórdia de Deus. Nosso texto nos coloca em contato com a terceira parábola: a do Pai misericordioso, também conhecida como do “filho pródigo”. Jesus tratava com misericórdia gente pobre e de má fama, prostitutas, comilões e beberrões. Ele se aproximava dessas pessoas e lhes apresentava uma nova vida, restituía a dignidade delas. Quando conta a parábola dos dois filhos e do pai misericordioso, diz também aos fariseus e doutores da Lei que Deus recebe a todos, como Pai bondoso que é. Abraça o que foi para longe, gastou tudo a ponto de precisar se alimentar com a lavagem dos porcos, e dialoga também com aquele que está por perto, mas tem o coração endurecido ao ponto de não se alegrar com o reencontro do irmão que se perdera. Acolhamos o abraço carinhoso do Pai misericordioso, que nos ensina a acolher nossos irmãos e irmãs perdidos e que necessitam de alguém que os acolha com um abraço caloroso e fraterno.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Ruperto, bispo

Salisburgo é uma bela cidade austríaca, cuja fama está ligada com a do seu filho mais ilustre, Wolfgang Amadeus Mozart. Salisburgo significa cidade do sal. O seu primeiro bispo e padroeiro principal é representado com um saleiro na mão. É o único santo local festejado, nas regiões de língua alemã e na Irlanda, pois foi o modelo para os monges irlandeses.
São Ruperto descendia dos rupertinos, importante família que dominava com o título de conde a região do médio e do alto Reno. Desta família nasceu também outro são Roberto (ou Ruperto) de Bingen, cuja vida foi escrita por santa Hildegarda. Os rupertinos eram parentes dos carolíngios e o centro de suas atividades era em Worms. Aí são Ruperto recebeu sua formação de cunho monástico irlandês. Em 700, como seus mestres, se sentiu impulsionado à pregação e ao testemunho monástico e foi à Baviera. Apoiado pelo conde Teodo de Baviera, fundou perto do lago Waller, a 10 km de Salisburgo, uma igreja dedicada a são Pedro. O lugar, porém, não pareceu próprio para os fins de Ruperto que pediu ao conde outro terreno perto do rio Salzach, próximo à antiga cidade romana de Juvavum.
O mosteiro que ali construiu, dedicado a são Pedro, é o mais antigo da Áustria e está ligado com o núcleo de Nova Salisburgo. Seu desenvolvimento deveu-se também à colaboração de doze conterrâneos seus. Desses, Cunialdo e Gislero foram honrados como santos. Perto do mosteiro de são Pedro surgiu um mosteiro feminino que foi confiado à direção da abadessa Erentrude, sobrinha do santo.
Foi este punhado de corajosos que fez surgir a Nova Salisburgo. São Ruperto é justamente reconhecido como seu fundador. Ele morreu no dia da Páscoa, 27 de março de 718. Suas relíquias são conservadas na magnífica catedral de Salisburgo, edificada no século XVII.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS