Categorias
Santo do dia

São Bento Biscop – abade

Não existem palavras mais eficazes para louvar são Bento Biscop do que as usadas por são Beda, o Venerável, na Vida dos cinco santos abades: “Bento foi santo por graça e pelo nome”. O venerável Beda foi seu discípulo desde os sete anos, idade em que lhe foi entregue pelos pais.

Com a idade de 25 anos renunciou aos favores do rei Oswiu e se pôs ao serviço do verdadeiro rei, Jesus Cristo. Abandonou tudo: casa, parentes e pátria por Cristo e pelo Evangelho para receber o cêntuplo e possuir a vida eterna. No ano de 653, após ter feito sua escolha, fez a primeira das seis viagens a Roma. Era fã incondicional dos santos apóstolos Pedro e Paulo e dos papas. Suas viagens tinham a finalidade da devoção e também o aprendizado de exemplos e instituições monásticas.

No leito de morte podia dizer com razão: “Meus filhos, não considerem invenção minha a constituição que lhes dei. Depois que visitei dezessete mosteiros, cujas regras e usos me esforcei por conhecer e selecionar as que me pareceram melhores, dou-lhes o resultado desse trabalho”. Em Lerins, no percurso da segunda viagem a Roma (ano 665), permaneceu cerca de dois anos. E não procurava só encontrar modelos de vida como também numerosos livros, documentos iconográficos, relíquias dos santos, paramentos e outros objetos que favorecessem um culto em perfeita sintonia com a Igreja de Roma.

Uma vez chegou a suplicar ao papa Agatão que enviasse o cantor da basílica de são Pedro, o abade João, para que a liturgia e o canto romano fossem assimilados por seus monges reunidos nos dois mosteiros de são Pedro e de são Paulo. Quando voltou da sexta viagem a Roma ficou surpreso com uma epidemia que destruíra grande parte de sua obra. Morreu no dia 12 de janeiro de 690, aos 62 anos de idade.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Terça-feira da 1ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Ergamos os nossos olhos para aquele que tem o céu como trono; a multidão dos anjos o adora, cantando a uma só voz: Eis aquele cujo poder é eterno.

Com olhar benevolente, Deus atende às preces que brotam de uma alma aflita. Confiemos nossas necessidades ao Senhor, certos de que “ele ergue do pó o homem fraco” e destrói o mal que aprisiona a vida.

Primeira Leitura: 1 Samuel 1,9-20

Leitura do primeiro livro de Samuel – Naqueles dias, 9Ana levantou-se, depois de ter comido e bebido em Silo. Ora, o sacerdote Eli estava sentado em sua cadeira à porta do templo do Senhor. 10Ana, com o coração cheio de amargura, orou ao Senhor, derramando copiosas lágrimas. 11E fez a seguinte promessa, dizendo: “Senhor todo-poderoso, se olhares para a aflição de tua serva e te lembrares de mim, se não te esqueceres da tua escrava e lhe deres um filho homem, eu o oferecerei a ti por todos os dias de sua vida e não passará navalha sobre a sua cabeça”. 12Como ela se demorasse nas preces diante do Senhor, Eli observava o movimento de seus lábios. 13Ana, porém, apenas murmurava; os seus lábios se moviam, mas não se podia ouvir palavra alguma. Eli julgou que ela estivesse embriagada; 14por isso lhe disse: “Até quando estarás bêbada? Vai tirar essa bebedeira!” 15Ana, porém, respondeu: “Não é isso, meu senhor! Sou apenas uma mulher muito infeliz; não bebi vinho nem outra coisa que possa embebedar, mas desafoguei a minha alma na presença do Senhor. 16Não julgues a tua serva como uma mulher perdida, pois foi pelo excesso da minha dor e da minha aflição que falei até agora”. 17Eli então lhe disse: “Vai em paz, e que o Deus de Israel te conceda o que lhe pediste”. 18Ela respondeu: “Que tua serva encontre graça diante dos teus olhos”. E a mulher foi embora, comeu e o seu semblante não era mais o mesmo. 19Na manhã seguinte, ela e seu marido levantaram-se muito cedo e, depois de terem adorado o Senhor, voltaram para sua casa em Ramá. Elcana uniu-se a Ana, sua mulher, e o Senhor lembrou-se dela. 20Ana concebeu e, no devido tempo, deu à luz um filho e chamou-o Samuel, porque – disse ela – “eu o pedi ao Senhor”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 1Sm 2

Meu coração se alegrou em Deus, meu salvador.

1. Exulta no Senhor meu coração, / e se eleva a minha fronte no meu Deus; / minha boca desafia os meus rivais / porque me alegro com a vossa salvação. – R.

2. O arco dos fortes foi dobrado, foi quebrado, / mas os fracos se vestiram de vigor. / Os saciados se empregaram por um pão, / mas os pobres e os famintos se fartaram. / Muitas vezes deu à luz a que era estéril, / mas a mãe de muitos filhos definhou. – R.

3. É o Senhor quem dá a morte e dá a vida, / faz descer à sepultura e faz voltar; / é o Senhor quem faz o pobre e faz o rico, / é o Senhor quem nos humilha e nos exalta. – R.

4. O Senhor ergue do pó o homem fraco / e do lixo ele retira o indigente, / para fazê-los assentar-se com os nobres / num lugar de muita honra e distinção. – R.

Evangelho: Marcos 1,21-28

Aleluia, aleluia, aleluia.

Acolhei a Palavra de Deus não como palavra humana, / mas como mensagem de Deus, o que ela é, em verdade! (1Ts 2,13) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – 21Estando com seus discípulos em Cafarnaum, Jesus, num dia de sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. 22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei. 23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 24“Que queres de nós, Jesus nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o santo de Deus”. 25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!” 26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. 27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “O que é isso? Um ensinamento novo, dado com autoridade: ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” 28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda parte, em toda a região da Galileia. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Constituído o grupo dos primeiros discípulos, Jesus, num dia de sábado, vai à sinagoga de Cafarnaum, onde realiza o primeiro gesto concreto segundo o Evangelho de Marcos. Na sinagoga, espaço oficial do sistema judaico, o Mestre ensina com autoridade e os ouvintes se admiram com seu ensinamento. Sua autoridade é de origem divina, não legalista como a dos doutores da lei. Na sinagoga se defronta com um “homem com um espírito impuro”. Esse homem conhece quem é Jesus e o interroga: o que queres de nós? Ao usar o “nós”, dá a entender que é um grupo que resiste contra o ensinamento de Jesus. Este, porém, se impõe e consegue libertá-lo do seu fanatismo, convidando-o a repensar sua posição. O Mestre provoca admiração com seu ensinamento e sua ação, porque há coerência entre sua palavra e seu viver. O projeto de Jesus nem sempre encontra acolhida.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Domingo do Batismo do Senhor

Batizado o Senhor, os céus se abriram e o Espírito Santo pairou sobre ele sob forma de pomba. E a voz do Pai se fez ouvir: Este é o meu Filho muito amado, nele está todo o meu amor! (Mt 3,16s)

Concluindo o tempo do Natal, reunimo-nos para a festa do Batismo de Jesus, o Filho amado do Pai, que passou pelo mundo fazendo o bem. Ao buscar o batismo, Jesus se solidariza com todo o povo; ungido pelo Espírito, assume publicamente a missão salvadora. A nós, batizados em nome da Trindade, o Senhor nos chama a participar de sua obra.

Primeira Leitura: Isaías 42,1-4.6-7

Leitura do livro do profeta Isaías – Assim fala o Senhor: 1“Eis o meu servo – eu o recebo; eis o meu eleito – nele se compraz minha alma; pus meu espírito sobre ele, ele promoverá o julgamento das nações. 2Ele não clama nem levanta a voz, nem se faz ouvir pelas ruas. 3Não quebra uma cana rachada nem apaga um pavio que ainda fumega, mas promoverá o julgamento para obter a verdade. 4Não esmorecerá nem se deixará abater, enquanto não estabelecer a justiça na terra; os países distantes esperam seus ensinamentos. 6Eu, o Senhor, te chamei para a justiça e te tomei pela mão; eu te formei e te constituí como o centro de aliança do povo, luz das nações, 7para abrires os olhos dos cegos, tirar os cativos da prisão, livrar do cárcere os que vivem nas trevas”. – Palavra do Senhor.

Leitura opcional: Isaías 40,1-5.9-11.

Salmo Responsorial: 28(29)

Que o Senhor abençoe, com a paz, o seu povo!

1. Filhos de Deus, tributai ao Senhor, / tributai-lhe a glória e o poder! / Dai-lhe a glória devida ao seu nome, / adorai-o com santo ornamento! – R.

2. Eis a voz do Senhor sobre as águas, / sua voz sobre as águas imensas! / Eis a voz do Senhor com poder! / Eis a voz do Senhor majestosa. – R.

3. Sua voz no trovão reboando! / No seu templo os fiéis bradam: “Glória!” / É o Senhor que domina os dilúvios, / o Senhor reinará para sempre! – R.

Salmo opcional: 103(104),1-4.24-25.27-30.

Segunda Leitura: Atos 10,34-38

Leitura dos Atos dos Apóstolos – Naqueles dias, 34Pedro tomou a palavra e disse: “De fato, estou compreendendo que Deus não faz distinção entre as pessoas. 35Pelo contrário, ele aceita quem o teme e pratica a justiça, qualquer que seja a nação a que pertença. 36Deus enviou sua palavra aos israelitas e lhes anunciou a Boa-nova da paz por meio de Jesus Cristo, que é o Senhor de todos. 37Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia, a começar pela Galileia, depois do batismo pregado por João: 38como Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder. Ele andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os que estavam dominados pelo demônio, porque Deus estava com ele”. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 3,15-16.21-22

Aleluia, aleluia, aleluia.

Abriram-se os céus e fez-se ouvir a voz do Pai: / Eis meu Filho muito amado; escutai-o, todos vós! (Mc 9,7) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 15o povo estava na expectativa e todos se perguntavam no seu íntimo se João não seria o Messias. 16Por isso, João declarou a todos: “Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo”. 21Quando todo o povo estava sendo batizado, Jesus também recebeu o batismo. E, enquanto rezava, o céu se abriu 22e o Espírito Santo desceu sobre Jesus em forma visível, como pomba. E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu benquerer”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Ouvindo sua pregação, as pessoas se perguntavam se João, aquele que batizava, era ou não o Cristo, o enviado de Deus. João, porém, tinha clareza da sua missão, sabia qual era sua tarefa. Ele não quis se tornar o centro das atenções, pois sabia que deveria levar as pessoas a Jesus, aquele mais forte, capaz de dar vida e vida em abundância. Quando prestamos algum serviço, especialmente de liderança, somos tentados a querer ficar no centro: receber elogios, aproveitar-se dos benefícios, gozar de privilégios. Como seguidores de Jesus, nossa tarefa é apontar para o Mestre; ele é o centro em torno do qual tudo deveria convergir. Se João dá exemplo de humildade, reconhecendo qual era sua função, Jesus dá um exemplo ainda maior de doação e serviço, ao colocar-se junto com os pecadores para receber o batismo. Ao colocar-se ao lado dos pecadores e desprezados, Jesus como que inicia sua missão. O céu está aberto, todos podem ter acesso a ele e ouvir a voz de Deus. No batismo, somos “proclamados oficialmente” filhos e filhas de Deus, somos gerados a uma nova vida. Como o povo no tempo de João estava na espera do Messias que traria nova esperança, sempre estamos na expectativa de algo melhor, principalmente nos inícios de cada ano.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Severino – abade

No século V o império romano do Ocidente foi progressivamente submerso pelos invasores germânicos: visigodos, ostrogodos, vândalos, suevos, bargúndios, alamanos e francos. Na devastação geral só as autoridades cristãs constituíam ponto seguro para a sobrevivência. Esse é o contexto histórico em que se inserem a figura e a obra de são Severino, o apóstolo da Nórica. Ao que parece descende de nobres famílias romanas. Nasceu em 410. Em 454 esteve no Oriente, por pouco tempo, estabelecendo-se nesse mesmo ano sobre o Danúbio, nos confins da Nórica e da Panônia, onde erigiu mosteiros capazes de dar refúgio às populações ameaçadas e ao mesmo tempo serviam de pontos estratégicos para irradiação do Evangelho entre os bárbaros.

Sentia-se impelido à vida contemplativa e eremítica e, ao mesmo tempo, era impulsionado ao trabalho missionário. Favorecido com o carisma da profecia, são Severino foi vidente também no plano humano. Compreendeu por isso que a agitação das jovens gerações bárbaras era irrefreável e que a decrépita sociedade romana ganharia vigor com a transfusão dessas novas forças.

Era, porém, necessário abrir suas mentes para a verdade evangélica e antes disso entrar em contato direto. Com um gesto corajoso que chamou a atenção dos rústicos guerreiros, chegou até Comagene, já em poder dos inimigos. Sua caridade concreta para com os necessitados conquistou definitivamente o coração simples dos bárbaros, a começar pelos chefes. Gibuldo, rei dos alamanos, tinha para com ele “suma reverência e afeto”, diz seu biógrafo Eugipo. Escutava-o com respeito, dócil como um filho. Flaciteu, rei dos ruges, consultava-o nos empreendimentos arriscados como se ele fosse oráculo.

Não faltaram sinais do céu para confirmar suas palavras. Um dia a nora de Flaciteu tinha-o convencido, contra a vontade e parecer de são Severino, a negar a liberdade a alguns prisioneiros. Severino advertiu-o com energia a que temesse a ira de Deus. Naquela mesma noite o filho de Flaciteu caiu prisioneiro de outros bárbaros e só conseguiu a liberdade por intermédio de Severino.

Reverenciado e amado pela gente humilde e também por reis e guerreiros, viveu pobremente, sem tirar para si proveito algum das coisas materiais. Vestia-se com a mesma túnica no verão e no inverno, dormia as diminutas horas de sono estendido sobre a terra, com o cilício apertando-lhe o corpo e na quaresma comia apenas uma vez por semana.

Morreu no dia oito de janeiro de 482. Suas relíquias são veneradas em Nápoles.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sexta-feira do tempo do Natal

(branco, pref. da Epifania ou do Natal, – ofício do dia)

Deus enviou o seu Filho, nascido de mulher, para que nos tornássemos filhos adotivos (Gl 4,4s).

Nós, cristãos, confiamos em Deus, sabendo que, “se lhe pedimos alguma coisa de acordo com sua vontade, ele nos ouve”. Reunidos para ouvir a voz do Senhor e fazer experiência com ele, peçamos, para nós e para todos, as graças de que realmente necessitamos.

Primeira Leitura: 1 João 5,14-21

Leitura da primeira carta de São João – Caríssimos, 14esta é a confiança que temos em Deus: se lhe pedimos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve. 15E se sabemos que ele nos ouve em tudo o que lhe pedimos, sabemos que possuímos o que havíamos pedido. 16Se alguém vê seu irmão cometer um pecado que não conduz à morte, que ele reze, e Deus lhe dará a vida; isso se, de fato, o pecado cometido não conduz à morte. Existe um pecado que conduz à morte, mas não é a respeito deste que eu digo que se deve rezar. 17Toda iniquidade é pecado, mas existe pecado que não conduz à morte. 18Sabemos que todo aquele que nasceu de Deus não peca. Aquele que é gerado por Deus o guarda, e o maligno não o pode atingir. 19Nós sabemos que somos de Deus, ao passo que o mundo inteiro está sob o poder do maligno. 20Nós sabemos que veio o Filho de Deus e nos deu inteligência para conhecermos aquele que é o verdadeiro. E nós estamos com o verdadeiro, no seu Filho, Jesus Cristo. Este é o Deus verdadeiro e a vida eterna. 21Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 149

O Senhor ama seu povo de verdade.

1. Cantai ao Senhor Deus um canto novo / e o seu louvor na assembleia dos fiéis! / Alegre-se Israel em quem o fez, / e Sião se rejubile no seu rei! – R.

2. Com danças glorifiquem o seu nome, / toquem harpa e tambor em sua honra! / Porque, de fato, o Senhor ama seu povo / e coroa com vitória os seus humildes. – R.

3. Exultem os fiéis por sua glória / e, cantando, se levantem de seus leitos / com louvores do Senhor em sua boca. / Eis a glória para todos os seus santos. – R.

Evangelho: João 3,22-30

Aleluia, aleluia, aleluia.

O povo sentado nas trevas / grande luz enxergou; / aos que viviam na sombra da morte, / resplandeceu-lhes a luz (Mt 4,16). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, 22Jesus foi com seus discípulos para a região da Judeia. Permaneceu aí com eles e batizava. 23Também João estava batizando, em Enon, perto de Salim, onde havia muita água. Aí chegavam as pessoas e eram batizadas. 24João ainda não tinha sido posto no cárcere. 25Alguns discípulos de João estavam discutindo com um judeu a respeito da purificação. 26Foram a João e disseram: “Rabi, aquele que estava contigo além do Jordão, e do qual tu deste testemunho, agora está batizando, e todos vão a ele”. 27João respondeu: “Ninguém pode receber alguma coisa se não lhe for dada do céu. 28Vós mesmos sois testemunhas daquilo que eu disse: ‘Eu não sou o Messias, mas fui enviado na frente dele’. 29É o noivo que recebe a noiva, mas o amigo, que está presente e o escuta, enche-se de alegria ao ouvir a voz do noivo. Esta é a minha alegria, e ela é completa. 30É necessário que ele cresça e eu diminua”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Os discípulos de João Batista ficam sabendo que Jesus estava batizando na região da Judeia. Apreensivos, talvez enciumados, relatam o fato a João. O Batista esclarece a situação. Não havia nenhuma rivalidade entre os dois, Jesus e João, nem interferência indevida em campo alheio. João tinha consciência de ter feito a sua parte como precursor do Messias. Agora, Jesus assume a parte que lhe cabe: inaugurar o Reino de Deus. Era justamente o que João esperava e para isso havia preparado o povo. Em vez de ficar chateado, João exulta de alegria. Alegria, porque se sente feliz por colaborar no projeto de Deus. Já não há necessidade do batismo de João, uma vez que Jesus está presente e atuante no meio do povo. Com humildade, João vai deixando espaço para a atividade de Jesus. Muitos de nós iniciamos nossas tarefas com uma compreensão clara de nossos papéis. Mas, ao longo do caminho, nós mudamos de alguma forma, mudamos de direção, e aspiramos por papéis novos e “mais altos”. E assim, de meros “atores coadjuvantes”, agarramos os holofotes e nos apresentamos como os “protagonistas”. Aprendamos com o ensinamento de João Batista: “É preciso que ele cresça e eu diminua”.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Raimundo de Peñafort – sacerdote (memória facultativa)

Gregório IX teve-o como precioso colaborador durante seis anos. Quando porém lhe comunicou sua intenção de nomeá-lo arcebispo de Tarragona, Raimundo ficou tão consternado a ponto de cair gravemente enfermo. O humilde e douto frade, nascido entre 1175 e 1180, se esforçara para evitar honrarias e prestígio, mas nem sempre conseguiu. Renunciando a vida folgada e alegre (era filho do nobre castelão de Peñafort, na Catalunha) dedicou-se muito cedo aos estudos filosóficos e jurídicos. Aos vinte anos ensinava filosofia em Barcelona e aos trinta, recém-laureado, ensinava jurisprudência em Bolonha. Excepcionalmente recebia do município um salário que se dispersava imediatamente em numerosas direções para aliviar e socorrer os indigentes. Voltou a Barcelona a convite do seu bispo em 1220. Foi nomeado cônego e recebeu do amigo Pedro Nolasco o convite para redigir as Constituições da nascente Ordem dos Mercedários. Mas quando os dominicanos, já dele conhecidos em Bolonha, chegaram a Barcelona, Raimundo abandonou tudo para vestir o hábito alvinegro. Dezesseis anos mais tarde (1238) tornou-se o terceiro mestre geral da Ordem, cargo que não pôde recusar. Por dois anos visitou a pé os conventos da Ordem. Depois reuniu o capítulo geral em Bolonha onde conseguiu demitir-se. Pôde assim, aos setenta anos, voltar ao ensino e ao cuidado das almas.

Aceitando o cargo de confessor do rei Tiago de Aragón, não titubeou em reprovar seu comportamento escandaloso numa expedição à ilha de Maiorca. Conta-se que, tendo o rei proibido a todas as embarcações de velejar para o continente, Raimundo, querendo discordar do soberano, estendeu o manto sobre as águas e chegou até Barcelona sobre essa estranha barca a vela.

Uma de suas obras apostólicas mais digna de nota são as missões para a conversão dos judeus e dos maometanos estabelecidos na Espanha. Segundo a tradição foi ele que convidou santo Tomás de Aquino a escrever a Suma contra os Gentios, para que seus pregadores pudessem recorrer a argumentos sólidos nas controvérsias com os hereges e os infiéis. Ele mesmo redigiu importantes obras de teologia moral e de direito. Uma delas é a Suma de casos para administração correta e frutífera do sacramento da reconciliação. Tinha quase cem anos quando morreu (1275). Foi canonizado em 1601.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sexta-feira do Tempo do Natal

(branco, pref. da Epifania ou do Natal, – ofício do dia)

Para os retos de coração surgiu nas trevas uma luz: o Senhor cheio de compaixão, justo e misericordioso (Sl 111,4).

O batismo de Jesus nas águas do Jordão e sua morte redentora na cruz, testemunhados pelo Espírito, são a prova de que ele é o Filho de Deus. Pelo batismo começamos a participar da vida de Cristo: “Quem tem o Filho tem a vida”.

Primeira Leitura: 1 João 5,5-13

Leitura da primeira carta de São João – Caríssimos, 5quem é o vencedor do mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? 6Este é o que veio pela água e pelo sangue: Jesus Cristo. (Não veio somente com a água, mas com a água e o sangue.) E o Espírito é que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 7Assim, são três que dão testemunho: 8o Espírito, a água e o sangue; e os três são unânimes. 9Se aceitamos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior. Este é o testemunho de Deus, pois ele deu testemunho a respeito de seu Filho. 10Aquele que crê no Filho de Deus tem esse testemunho dentro de si. Aquele que não crê em Deus faz dele um mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus deu a respeito de seu Filho. 11E o testemunho é este: Deus nos deu a vida eterna, e esta vida está em seu Filho. 12Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho não tem a vida. 13Eu vos escrevo estas coisas, a vós que acreditastes no nome do Filho de Deus, para que saibais que possuís a vida eterna. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 147(147B)

Glorifica o Senhor, Jerusalém!

1. Glorifica o Senhor, Jerusalém! / Ó Sião, canta louvores ao teu Deus! / Pois reforçou com segurança as tuas portas, / e os teus filhos em teu seio abençoou. – R.

2. A paz em teus limites garantiu / e te dá como alimento a flor do trigo. / Ele envia suas ordens para a terra, / e a palavra que ele diz corre veloz. – R.

3. Anuncia a Jacó sua palavra, / seus preceitos, suas leis a Israel. / Nenhum povo recebeu tanto carinho, / a nenhum outro revelou os seus preceitos. – R.

Evangelho: Lucas 5,12-16

Aleluia, aleluia, aleluia.

Jesus pregava a Boa-nova, o Reino anunciando, / e curava toda espécie de doenças entre o povo (Mt 4,23). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – 12Aconteceu que Jesus estava numa cidade e havia aí um homem leproso. Vendo Jesus, o homem caiu a seus pés e pediu: “Senhor, se queres, tu tens o poder de me purificar”. 13Jesus estendeu a mão, tocou nele e disse: “Eu quero, fica purificado”. E, imediatamente, a lepra o deixou. 14E Jesus recomendou-lhe: “Não digas nada a ninguém. Vai mostrar-te ao sacerdote e oferece pela purificação o prescrito por Moisés como prova de tua cura”. 15Não obstante, sua fama ia crescendo, e numerosas multidões acorriam para ouvi-lo e serem curadas de suas enfermidades. 16Ele, porém, se retirava para lugares solitários e se entregava à oração. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Ao curar o leproso, Jesus lhe restitui a possibilidade de voltar ao convívio social, pois um doente de lepra era evitado por todos. A cura se dá em dois movimentos: primeiro, o homem reconhece o poder de Jesus, prostra-se a seus pés e, respeitosamente, lhe pede para ser purificado. Em seguida, Jesus lhe dá a devida atenção e, com a simples palavra “quero” e um toque, deixa-o livre da enfermidade. Apresentar-se ao sacerdote, após a cura, era exigência para ser oficialmente reintegrado na sociedade. Ao saber do fato, multidões vão se reunindo ao redor de Jesus para o ouvirem e serem curadas de suas doenças. Jesus, no entanto, mostra o seu perfeito equilíbrio. Por isso, afasta-se para rezar em lugar silencioso. Os últimos versículos nos oferecem um rico traço da personalidade de Jesus. Ele não se apegava aos aplausos da multidão, nem dependia do reconhecimento popular para perseverar na missão; ao contrário, afastava-se da euforia das massas e se recolhia na intimidade com o Pai, e ali rezava.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Epifania do Senhor – solenidade

A origem oriental desta solenidade está implícita no seu nome: Epifania (revelação, manifestação). Os latinos usavam a denominação festividade da declaração ou aparição com o significado de revelação da divindade de Cristo ao mundo pagão através da adoração dos magos, aos judeus com o batismo nas águas do Jordão e aos discípulos com o milagre das bodas de Caná. O episódio dos magos, que está além de possível reconstrução histórica, podemos considerá-lo, como o fizeram os Padres da Igreja, o símbolo e a manifestação do chamado de todos os povos pagãos à vida eterna. Os magos foram a declaração explícita de que o Evangelho era para ser pregado a todos os povos.

Na Igreja oriental é enfocado particularmente o batismo de Jesus. São Gregório Nazianzeno chama-a de “festa das luzes” e a contrapõe à festa pagã do sol invicto. Na realidade, tanto no Oriente como no Ocidente, a Epifania tem o caráter de solenidade ideológica que transcende os episódios históricos particulares. Celebra-se a manifestação de Deus aos homens na pessoa do Filho, isto é a primeira fase da redenção. Cristo se manifesta aos pagãos, aos judeus e aos apóstolos. São três momentos sucessivos do relacionamento Deus-homens.

Ao pagão Deus fala através do mundo visível; o esplendor do sol, a harmonia dos astros, a luz das estrelas no firmamento ilimitado são portadores de certa presença de Deus. Os magos descobriram no céu os sinais de Deus. Tendo como ponto de partida a natureza, os pagãos podem “cumprir as obras da lei”, diz são Paulo. E aos habitantes de Listra: “… o Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo quanto neles há. Ele permitiu nos tempos passados que todas as nações seguissem os seus caminhos. Contudo, nunca deixou de dar testemunho de si mesmo, por seus benefícios: dando-vos do céu as chuvas e os tempos férteis, concedendo abundante alimento e enchendo os vossos corações de alegria” (At 14,15-17). Mas “ultimamente falou-nos por seu Filho, que constituiu herdeiro de tudo, por quem igualmente criou o mundo” (Hb 1,2). Os numerosos mediadores da manifestação divina encontram seu término na pessoa de Jesus de Nazaré, no qual resplandece a glória de Deus. Por isso, podemos hoje exprimir “a humilde, trepidante, mas plena e jubilosa profissão de nossa fé, de nossa esperança e de nosso amor” (Paulo VI).

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quinta-feira do Tempo do Natal

(branco, pref. da Epifania ou do Natal, – ofício do dia)

No princípio e antes dos séculos, o Verbo era Deus, e dignou-se nascer para salvar o mundo (Jo 1,1).

O verdadeiro amor a Deus se manifesta no amor aos seus filhos e filhas. Abramos o coração à força do Espírito, com vistas a libertar nossos irmãos e irmãs de toda forma de escravidão.

Primeira Leitura: 1 João 4,19-5,4

Leitura da primeira carta de São João – Caríssimos, 19quanto a nós, amamos a Deus porque ele nos amou primeiro. 20Se alguém disser: “Amo a Deus”, entretanto odeia o seu irmão, é um mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê. 21E este é o mandamento que dele recebemos: aquele que ama a Deus ame também o seu irmão. 5,1Todo o que crê que Jesus é o Cristo nasceu de Deus, e quem ama aquele que gerou alguém, amará também aquele que dele nasceu. 2Podemos saber que amamos os filhos de Deus quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos. 3Pois isto é amar a Deus: observar os seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados, 4pois todo o que nasceu de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que venceu o mundo: a nossa fé. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 71(72)

As nações de toda a terra / hão de adorar-vos, ó Senhor!

1. Dai ao rei vossos poderes, Senhor Deus, / vossa justiça ao descendente da realeza! / Com justiça ele governe o vosso povo, / com equidade ele julgue os vossos pobres. – R.

2. Há de livrá-los da violência e opressão, / pois vale muito o sangue deles a seus olhos! / Hão de rezar também por ele sem cessar, / bendizê-lo e honrá-lo cada dia. – R.

3. Seja bendito o seu nome para sempre! / E que dure como o sol sua memória! / Todos os povos serão nele abençoados, / todas as gentes cantarão o seu louvor! – R.

Evangelho: Lucas 4,14-22

Aleluia, aleluia, aleluia.

O Espírito do Senhor repousa sobre mim / e enviou-me a anunciar aos pobres o Evangelho (Lc 4,18). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 14Jesus voltou para a Galileia com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a redondeza. 15Ele ensinava nas suas sinagogas, e todos o elogiavam. E veio à cidade de Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado e levantou-se para fazer a leitura. 17Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: 18“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa-nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos 19e para proclamar um ano da graça do Senhor”. 20Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. 21Então começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. 22Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. – Palavra da salvação.Reflexão:

Jesus inaugura seu ministério público pela força do Espírito Santo. Embora Jesus comece a pregar na sua cidade natal, Nazaré, ele receberá uma resposta negativa, que o leva a dizer: “Nenhum profeta é aceito em sua pátria” (Lc 4,24). Deus, porém, pode transformar essa rejeição em bênção, abrindo o caminho da Boa-nova aos pagãos. Eis o movimento do Espírito Santo. O seu poder e dinamismo não podem ser acorrentados. Ele prepara o coração humano para receber a Palavra do Senhor. A pregação eficaz da Palavra de Deus requer a compreensão do papel e do poder do Espírito Santo. Somente ele pode mudar o coração e transformar a vida de uma pessoa. No Evangelho de Lucas, o Espírito Santo se manifesta na origem das ações de Jesus, como no episódio aqui narrado. Na sinagoga, casa de oração e catequese, Jesus faz a leitura do profeta Isaías. O texto desenha os traços do Messias, o Libertador, aquele que fará reviver todos os marginalizados da sociedade. Após a leitura, em atitude de quem ensina (senta-se), Jesus proclama solenemente: “Hoje se cumpriu essa passagem da Escritura”. Em outras palavras: “Eu sou o Messias anunciado pelo profeta”.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santos Emiliana, Tarsila e João N. Neumann – religiosos

Nesta data, reunimos a lembrança de duas santas e de um santo. Todos eles, apesar de diferentes, manifestam a universalidade da salvação e do chamado à santidade. A nobre e senatorial família romana Anicia teve o privilégio de dar à Igreja o papa são Gregório Magno, “pequeno no tamanho e grande no valor”, como disse Mommsen, comparando a pequena estatura física e saúde frágil à grandeza espiritual e às excelentes qualidades de homem de governo. Tomaram parte na formação do menino o pai, senador Gordiano, a mãe, santa Sílvia, as duas tias paternas: Tarsila e Emiliana (ou Amélia).

O próprio são Gregório Magno fala-nos de suas tias comentando a passagem do Evangelho onde Jesus diz que são muitos os chamados e poucos os escolhidos. Conta-nos o santo que uma terceira tia, Gordiana, juntamente com Emiliana e Tarsila, haviam decidido consagrar-se ao Senhor, levando uma vida ascética na casa paterna. Porém, só as primeiras duas tinham sabido perseverar e progredir no caminho da santidade e da fidelidade à vocação. A tia Gordiana, ao contrário das outras, foi, pouco a pouco, voltando aos costumes mundanos. Abandonou a virgindade e casou-se com seu administrador.

São Gregório refere-nos um episódio engraçado sobre as tias: alguns dias após a morte de Tarsila, Emiliana ouviu da irmã este convite: “Festejei o Natal do Senhor sem você, mas venha para que possamos juntas festejar a santa Epifania”. Não sabemos ao certo a data da morte de Emiliana, mas a tradição diz que foi precisamente no dia cinco de janeiro, véspera da Epifania.

Em outro cinco de janeiro, já bem mais perto de nós (em 1860), morria em Filadélfia, nos EUA, aquele que o povo carinhosamente chamava de “o nosso bispinho”, João Nepomuceno Neumann. Morreu enquanto cumpria um gesto de delicadeza para com um seu presbítero. A fim de participarem da sua glorificação, 30.000 pessoas atravessaram o oceano em junho de 1977. A cerimônia da sua canonização foi transmitida, via satélite, para o mundo todo. Neumann chegara aos Estados Unidos em junho de 1836, após 40 dias de viagem marítima. Em sua diocese de origem, na Boêmia, não havia necessidade de padres. Foi o pioneiro das escolas paroquiais americanas.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS