Categorias
Evangelho do dia

Segunda-feira da 4ª semana do Tempo Comum

SÃO JOÃO BOSCO

PRESBÍTERO

(branco, pref. comum, ou dos pastores, – ofício da memória)

Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais, diz o Senhor. O Reino do céu pertence aos que se parecem com eles (Mc 10,14).

João Bosco nasceu em 1815 na Itália e lá faleceu em 1888. Sua inteligência brilhante e o gosto pelos estudos o favoreceram com sólida cultura. Ordenado padre, cercou-se de numerosos jovens humildes e desempregados, os quais motivaram a fundação da “Família Salesiana”: padres, religiosos, religiosas – as Filhas de Maria Auxiliadora – e cooperadores leigos. Enfrentou pesados obstáculos, mas superou-os com o auxílio do Espírito Santo. Aprendamos deste santo educador a manter, em nossa vida diária, a alegria que nasce da oração.

Primeira Leitura: 2 Samuel 15,13-14.30; 16,5-13

Leitura do segundo livro de Samuel – Naqueles dias, 13um mensageiro veio dizer a Davi: “As simpatias de todo Israel estão com Absalão”. 14Davi disse aos servos que estavam com ele em Jerusalém: “Depressa, fujamos, porque, de outro modo, não podemos escapar de Absalão! Apressai-vos em partir, para que não aconteça que ele, chegando, nos apanhe, traga sobre nós a ruína e passe a cidade ao fio da espada”. 30Davi caminhava chorando, enquanto subia o monte das Oliveiras com a cabeça coberta e os pés descalços. E todo o povo que o acompanhava subia também chorando, com a cabeça coberta. 16,5Quando o rei chegou a Baurim, saiu de lá um homem da parentela de Saul chamado Semei, filho de Gera, que ia proferindo maldições enquanto andava. 6Atirava pedras contra Davi e contra todos os servos do rei, embora toda a tropa e todos os homens de elite seguissem agrupados à direita e à esquerda do rei Davi. 7Semei amaldiçoava-o, dizendo: “Vai-te embora! Vai-te embora, homem sanguinário e criminoso! 8O Senhor fez cair sobre ti todo o sangue da casa de Saul, cujo trono usurpaste, e entregou o trono a teu filho Absalão. Tu estás entregue à tua própria maldade, porque és um homem sanguinário”. 9Então Abisai, filho de Sárvia, disse ao rei: “Por que há de este cão morto continuar amaldiçoando o senhor, meu rei? Deixa-me passar para lhe cortar a cabeça”. 10Mas o rei respondeu: “Não te intrometas, filho de Sárvia! Se ele amaldiçoa e se o Senhor o mandou maldizer a Davi, quem poderia dizer-lhe: ‘Por que fazes isso?’” 11E Davi disse a Abisai e a todos os seus servos: “Vede, se meu filho, que saiu das minhas entranhas, atenta contra a minha vida, com mais razão esse filho de Benjamim. Deixai-o amaldiçoar, conforme a permissão do Senhor. 12Talvez o Senhor leve em conta a minha miséria, restituindo-me a ventura em lugar da maldição de hoje”. 13E Davi e seus homens seguiram adiante. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 3

Levantai-vos, ó Senhor, vinde salvar-me!

1. Quão numerosos, ó Senhor, os que me atacam; / quanta gente se levanta contra mim! / Muitos dizem, comentando a meu respeito: / “Ele não acha a salvação junto de Deus!” – R.

2. Mas sois vós o meu escudo protetor, / a minha glória que levanta minha cabeça! / Quando eu chamei em alta voz pelo Senhor, / do monte santo ele me ouviu e respondeu. – R.

3. Eu me deito e adormeço bem tranquilo; / acordo em paz, pois o Senhor é meu sustento. / Não terei medo de milhares que me cerquem † e, furiosos, se levantem contra mim. / Levantai-vos, ó Senhor, vinde salvar-me! – R.

Evangelho: Marcos 5,1-20

Aleluia, aleluia, aleluia.

Um grande profeta surgiu entre nós / e Deus visitou o seu povo, aleluia (Lc 7,16). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 1Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar, na região dos gerasenos. 2Logo que saiu da barca, um homem possuído por um espírito impuro, saindo de um cemitério, foi ao seu encontro. 3Esse homem morava no meio dos túmulos e ninguém conseguia amarrá-lo, nem mesmo com correntes. 4Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes, mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas. E ninguém era capaz de dominá-lo. 5Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras. 6Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele 7e gritou bem alto: “Que tens a ver comigo, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Eu te conjuro por Deus, não me atormentes!” 8Com efeito, Jesus lhe dizia: “Espírito impuro, sai desse homem!” 9Então Jesus perguntou: “Qual é o teu nome?” O homem respondeu: “Meu nome é ‘Legião’, porque somos muitos”. 10E pedia com insistência para que Jesus não o expulsasse da região. 11Havia aí perto uma grande manada de porcos, pastando na montanha. 12O espírito impuro suplicou, então: “Manda-nos para os porcos, para que entremos neles”. 13Jesus permitiu. Os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. E toda a manada – mais ou menos uns dois mil porcos – atirou-se monte abaixo para dentro do mar, onde se afogou. 14Os homens que guardavam os porcos saíram correndo e espalharam a notícia na cidade e nos campos. E as pessoas foram ver o que havia acontecido. 15Elas foram até Jesus e viram o endemoninhado sentado, vestido e no seu perfeito juízo, aquele mesmo que antes estava possuído pela Legião. E ficaram com medo. 16Os que tinham presenciado o fato explicaram-lhes o que havia acontecido com o endemoninhado e com os porcos. 17Então começaram a pedir que Jesus fosse embora da região deles. 18Enquanto Jesus entrava de novo na barca, o homem que tinha sido endemoninhado pediu-lhe que o deixasse ficar com ele. 19Jesus, porém, não permitiu. Entretanto, lhe disse: “Vai para casa, para junto dos teus, e anuncia-lhes tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti”. 20Então o homem foi embora e começou a pregar na Decápole tudo o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Outro lado do mar significa território habitado por pagãos ou gentios. Lá, Jesus se defronta com um possesso. O espírito que domina o possesso simboliza o poder opressor, que tira da pessoa a liberdade de pensar e de agir livremente, tornando o povo submisso e, muitas vezes, violento. Fazendo memória do exército do faraó submerso no mar, o Mestre liberta o possesso e envia a “Legião” para o fundo do mar. Libertado, o homem agora é dono de si: está sentado, vestido e em perfeito juízo. O homem curado pede para seguir Jesus, mas este o convida a ir para sua casa e lá anunciar o que aconteceu com ele. Entre os seus, ele proclama as maravilhas que Deus lhe concedeu. Há diversos caminhos e diferentes maneiras de seguir o Mestre. Jesus não espera que todos o sigam da mesma forma. O importante é cada cristão discernir o que Deus deseja dele.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São João Bosco – presbítero (memória)

É conhecido popularmente por Dom Bosco. É um dos santos que mais atraem a simpatia de todas as classes de pessoas, mas especialmente os jovens. Nasceu em Castelnuovo d’Asti — hoje Castelnuovo Dom Bosco — a 16 de agosto de 1815. Sua mãe, Margarida Occhiena, deu-lhe sólida educação humana e cristã. Desde pequeno liderava um grupo de colegas, pois era dotado de muita inteligência, memória, vontade e agilidade física nos jogos. Organizava as brincadeiras, mas quando tocava o sino levava a turma à igreja. Foi ordenado sacerdote em 1841 em Turim. Começou a trabalhar junto com são José Cafasso.

Desde logo sua paixão foi a educação dos jovens, de modo especial os pobres e abandonados. Recolheu um grupo para brincar, rezar e alimentar. No começo não tinham onde se instalar. Depois abrigaram-se sob Pinardi, primeira célula do Oratório. Deu-lhe o nome de Oratório de são Francisco de Sales. Teve muitas dificuldades materiais e vários opositores no começo de sua obra. Sua mãe o ajudou muito. Sua pedagogia, baseada na alegria e no amor, conforme as palavras de são Paulo: “A caridade é benigna e paciente, tudo espera, tudo suporta..”. tornou-se universal. É a prática do método preventivo.

Dom Bosco assegurou a continuidade da sua obra com a fundação de duas Congregações religiosas: os padres salesianos e as irmãs filhas de Maria Auxiliadora. Foi escritor fecundo. Fundou escolas tipográficas, revistas e editoras para difundir a boa imprensa católica. Exerceu ação de intermediário entre a Santa Sé e o governo italiano.

Santo sorridente e amável, sempre o mesmo entre os pobres ou entre reis e ministros. Era amigo dos protestantes e dos judeus, e escrevia: “Reprovemos os erros, mas respeitemos as pessoas”. Morreu no dia 31 de janeiro de 1888 e foi canonizado por Pio XI em 1934.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

4° Domingo do Tempo Comum

(verde, glória, creio – 4ª semana do saltério)

Salvai-nos, Senhor nosso Deus, reuni vossos filhos dispersos pelo mundo, para que celebremos o vosso santo nome e nos gloriemos em vosso louvor (Sl 105,47).

A Eucaristia nos torna comunidade profética a serviço do Evangelho. Somos consagrados pelo Senhor e convidados a continuar seu caminho, marcado pelo amor que tudo crê, suporta e espera. Com fé, esperança e caridade, celebremos a páscoa de Jesus, assumindo o anúncio da graça e da justiça de Deus em meio às dificuldades da missão.

Primeira Leitura: Jeremias 1,4-5.17-19

Leitura do livro do profeta Jeremias – Nos dias de Josias, rei de Judá, 4foi-me dirigida a palavra do Senhor, dizendo: 5“Antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações. 17Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer; não tenhas medo, senão eu te farei tremer na presença deles. 18Com efeito, eu te transformarei hoje numa cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra; 19eles farão guerra contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te”, diz o Senhor. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 70(71)

Minha boca anunciará, todos os dias, / vossas graças incontáveis, ó Senhor.

1. Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor: / que eu não seja envergonhado para sempre! / Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! / Escutai a minha voz, vinde salvar-me! – R.

2. Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! / Porque sois a minha força e meu amparo, † o meu refúgio, proteção e segurança! / Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. – R.

3. Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, / em vós confio desde a minha juventude! / Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, / desde o seio maternal, o meu amparo. – R.

4. Minha boca anunciará todos os dias / vossa justiça e vossas graças incontáveis. / Vós me ensinastes desde a minha juventude, / e até hoje canto as vossas maravilhas. – R.

Segunda Leitura: 1 Coríntios 12,31-13,13 ou 13,4-13

[A forma breve está entre colchetes.]

Leitura da primeira carta de São Paulo aos Coríntios – [Irmãos,] 31aspirai aos dons mais elevados. Eu vou ainda mostrar-vos um caminho incomparavelmente superior. 13,1Se eu falasse todas as línguas, as dos homens e as dos anjos, mas não tivesse caridade, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine. 2Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, mas se não tivesse caridade, eu não seria nada. 3Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, se entregasse o meu corpo às chamas, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria. [4A caridade é paciente, é benigna; não é invejosa, não é vaidosa, não se ensoberbece; 5não faz nada de inconveniente, não é interesseira, não se encoleriza, não guarda rancor; 6não se alegra com a iniquidade, mas se regozija com a verdade. 7Suporta tudo, crê tudo, espera tudo, desculpa tudo. 8A caridade não acabará nunca. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá. 9Com efeito, o nosso conhecimento é limitado e a nossa profecia é imperfeita. 10Mas, quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito. 11Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança. 12Agora nós vemos num espelho, confusamente, mas, então, veremos face a face. Agora, conheço apenas de modo imperfeito, mas, então, conhecerei como sou conhecido. 13Atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é a caridade.] – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 4,21-30

Aleluia, aleluia, aleluia.

Foi o Senhor quem me mandou / Boas Notícias anunciar; / ao pobre, a quem está no cativeiro, / libertação eu vou proclamar! (Lc 4,18) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, estando Jesus na sinagoga, começou a dizer: 21“Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. 22Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?” 23Jesus, porém, disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”. 24E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. 25De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. 26No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. 27E no tempo do profeta Eliseu havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”. 28Quando ouviram essas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. 29Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até o alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. 30Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Estamos na sinagoga de Nazaré, onde Jesus apresentou seu programa de vida, ou seja, sua proposta libertadora. A seguir, o evangelista apresenta a reação dos ouvintes: a favor e contra. Desde o começo do seu ministério, Jesus encontra a rejeição, com a tentativa de eliminá-lo. Está ciente de que nenhum profeta é bem aceito na sua própria terra. Afinal, o que esse filho de José quer nos ensinar? Não acreditam que Deus possa agir numa pessoa tão simples. A proposta libertadora do Mestre causa pânico em muitos ouvintes. Os promotores da vida nem sempre são bem vistos e, muitas vezes, acabam perseguidos como o Mestre. Aconteceu com Jesus e acontece com tantos outros que atuam em favor dos necessitados. Ainda querem que Jesus mostre seu poder divino por meio de milagres. O Mestre rejeita agir para sua própria promoção e se recusa a ser ídolo do espetáculo e do aplauso. A citação da Escritura – a viúva de Sarepta e o sírio Naamã – revela que a missão de Jesus não tem fronteiras. Apesar dos obstáculos, ele continua seu caminho, sua proposta libertadora. O Mestre de Nazaré sempre se empenhou em favor das pessoas mais necessitadas. É o exemplo que ele nos deixa para que as pessoas de boa vontade possam segui-lo, fazendo o bem no dia a dia.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE:PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santa Martinha – virgem

A história desta jovem santa começa muito distante da sua morte. Cerca de 1400 anos após seu martírio, o dinâmico Urbano VIII, todo empenhado na grande contrarreforma católica, na restauração das igrejas, descobriu as relíquias da santa e a propôs à devoção dos romanos. Fixou a festa de santa Martinha no dia 30 de janeiro. Com hinos, que ele mesmo compôs, incitou os romanos à celebração da vida imaculada, da caridade exemplar, do corajoso testemunho dado a Cristo por santa Martinha.

Quem era essa jovem mártir que aparecia após tantos séculos de esquecimento? Foi considerada uma das principais padroeiras de Roma. Temos poucas notícias históricas. O papa Honório, no século IV, dedicou-lhe uma igreja. Quinhentos anos após, ao fazerem escavações nessa igreja, que estava no Foro, encontraram os túmulos de três mártires. No século VIII a festa da santa já era celebrada. Segundo a lendária Paixão, Martinha era diaconisa, filha de nobre romano. Por causa de sua aberta profissão de fé foi conduzida ao tribunal do imperador Alexandre Severo (222-285).

Este era muito tolerante. Chegou a incluir Jesus Cristo como um dos deuses do império. Durante seu governo a Igreja teve grande expansão missionária. Por isso torna-se confuso o caso de santa Martinha, como mártir desse período.

O autor da Paixão desconhece tudo isso. Ele se estende na enumeração dos atrozes tormentos, elencando as torturas feitas pelo imperador à santa. Ela teria sido obrigada a prestar culto à estátua de Apolo. Houve um terremoto que matou até os sacerdotes do deus.

O prodígio se repetiu com estátuas de outros deuses. Os perseguidores obstinavam-se cada vez mais. Após tentarem matá-la por meio de tantos sofrimentos, e não o conseguindo, apelaram para a espada. Seu sangue inundou e fertilizou ainda mais o terreno da Igreja romana.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sábado da 3ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Cantai ao Senhor um canto novo, cantai ao Senhor, ó terra inteira; esplendor, majestade e beleza brilham no seu templo santo (Sl 95,1.6).

Diante do vendaval do pecado, cabe-nos o arrependimento e o projeto de nos mantermos fiéis ao Senhor, assim como clamou Davi: “Não me afasteis de vossa face nem retireis de mim o vosso Santo Espírito”.

Primeira Leitura: 2 Samuel 12,1-7.10-17

Leitura do segundo livro de Samuel – Naqueles dias, 1o Senhor mandou o profeta Natã a Davi. Ele foi ter com o rei e lhe disse: “Numa cidade havia dois homens, um rico e outro pobre. 2O rico possuía ovelhas e bois em grande número. 3O pobre só possuía uma ovelha pequenina, que tinha comprado e criado. Ela crescera em sua casa junto com seus filhos, comendo do seu pão, bebendo do mesmo copo, dormindo no seu regaço. Era para ele como uma filha. 4Veio um hóspede à casa do homem rico, e este não quis tomar uma das suas ovelhas ou um dos seus bois para preparar um banquete e dar de comer ao hóspede que chegara. Mas foi, apoderou-se da ovelhinha do pobre e preparou-a para o visitante”. 5Davi ficou indignado contra esse homem e disse a Natã: “Pela vida do Senhor, o homem que fez isso merece a morte! 6Pagará quatro vezes o valor da ovelha, por ter feito o que fez e não ter tido compaixão”. 7Natã disse a Davi: “Esse homem és tu! Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: 10‘Por isso, a espada jamais se afastará de tua casa, porque me desprezaste e tomaste a mulher do hitita Urias para fazer dela a tua esposa’. 11Assim diz o Senhor: ‘Da tua própria casa farei surgir o mal contra ti e tomarei as tuas mulheres, sob os teus olhos, e as darei a um outro, e ele se aproximará das tuas mulheres à luz deste sol. 12Tu fizeste tudo às escondidas. Eu, porém, farei o que digo diante de todo Israel e à luz do sol’”. 13Davi disse a Natã: “Pequei contra o Senhor”. Natã respondeu-lhe: “De sua parte, o Senhor perdoou o teu pecado, de modo que não morrerás! 14Entretanto, por teres ultrajado o Senhor com teu procedimento o filho que te nasceu morrerá”. 15E Natã voltou para a sua casa. O Senhor feriu o filho que a mulher de Urias tinha dado a Davi e ele adoeceu gravemente. 16Davi implorou a Deus pelo menino e fez um grande jejum. E, voltando para casa, passou a noite deitado no chão. 17Os anciãos do palácio insistiam com ele para que se levantasse do chão; mas ele não o quis fazer nem tomar com eles alimento algum. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 50(51)

Criai em mim um coração que seja puro!

1. Criai em mim um coração que seja puro, / dai-me de novo um espírito decidido. / Ó Senhor, não me afasteis de vossa face / nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! – R.

2. Dai-me de novo a alegria de ser salvo / e confirmai-me com espírito generoso! / Ensinarei vosso caminho aos pecadores, / e para vós se voltarão os transviados. – R.

3. Da morte como pena, libertai-me, / e minha língua exaltará vossa justiça! / Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, / e minha boca anunciará vosso louvor! – R.

Evangelho: Marcos 4,35-41

Aleluia, aleluia, aleluia.

Deus o mundo tanto amou, / que lhe deu seu próprio Filho, / para que todo o que nele crer / encontre vida eterna (Jo 3,16). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – 35Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos: “Vamos para a outra margem!” 36Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava, na barca. Havia ainda outras barcas com ele. 37Começou a soprar uma ventania muito forte e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher. 38Jesus estava na parte detrás, dormindo sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: “Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?” 39Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar: “Silêncio! Cala-te!” O vento cessou e houve uma grande calmaria. 40Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?” 41Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros: “Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?” – Palavra da salvação.

Reflexão:

Passar para a outra margem indica nova etapa na missão de Jesus e dos discípulos: a missão com os gentios, na época conhecidos como pagãos. É o grande desafio das comunidades cristãs dos inícios: passar de uma mentalidade nacionalista para uma mentalidade universalista. São desafios que vão surgindo na história da Igreja. Nesses últimos anos, o papa Francisco, com base no Concílio Vaticano II, convida a Igreja a sair de seu comodismo para ir às periferias existenciais e sociais. Sair de uma Igreja “poderosa” para uma Igreja pobre, para os pobres e acolhedora. Proposta que não agrada a muitos e que é rejeitada por outros. Jesus censura seus discípulos por causa do medo em assumir a nova proposta do Mestre. A Igreja precisa estar sempre atenta e aberta aos sinais dos tempos, e não se acomodar no status quo.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Valério – bispo

O dia de hoje une dois santos homônimos: são Valério, primeiro bispo de Tréveros e são Valério, bispo de Ravena. O primeiro viveu no fim do século III e início do IV. O segundo morreu a 15 de março de 810. Nenhum deles apresenta perfil biográfico satisfatório. Quanto ao bispo de Ravena conta-se que o papa Leão III escreveu a Carlos Magno que não deporia a favor de sua santidade. A carta, porém, tinha interesses políticos, dizem os críticos.

De outras fontes históricas resulta que o arcebispo de Ravena era pastor zeloso e batalhador pela causa do bem, especialmente na luta contra o arianismo. Regeu a diocese entre 788 e 810. No século XIII o arcebispo Simeão trasladou suas relíquias para a catedral, concedendo uma indulgência especial à basílica de santo Apolinário, por reverência ao bem-aventurado Valério.

As notícias do seu homônimo são ainda mais confusas. História e lenda se alternam. A Igreja da França e da Alemanha atribuíam a Valério (primeiro bispo) uma ligação com são Pedro apóstolo. Por volta do ano mil (1000) no livro História dos bispos de Tréveros são descritos milagres numerosos, conversões de grande número de pagãos e feitos extraordinários próprios dos tempos apostólicos tais como a ressurreição de Materno por são Valério usando para isso o bastão que são Pedro lhe enviara.

O outro companheiro de missão, Eucário, que o precedeu no túmulo, teria avisado o santo do dia da morte: 29 de janeiro de 88. Portanto, anterior ao século IV, como se deduz do catálogo episcopal da cidade de Tréveros e das antigas inscrições epigráficas.

Suas relíquias estão na igreja de são Matias, num sarcófago de estilo romano.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sexta-feira da 3ª semana do Tempo Comum

SANTO TOMÁS DE AQUINO

PRESBÍTERO E DOUTOR DA IGREJA

(branco, pref. comum, ou dos pastores, – ofício da memória)

Os sábios refulgirão como o esplendor do firmamento; e os que ensinaram a muitos a justiça brilharão como estrelas para sempre (Dn 12,3).

Tomás nasceu em 1225 na Itália e lá faleceu em 1274. De família nobre, entrou na Ordem dos Dominicanos. Foi professor de teologia nas melhores universidades da época. Escreveu a Suma teológica, um compêndio com as mais belas expressões do seu ensinamento. Homem silencioso, humilde e de profunda vida espiritual, fez da ciência e do estudo o caminho de sua santificação. Recomendemos ao Senhor todos os estudantes e professores.

Primeira Leitura: 2 Samuel 11,1-10.13-17

Leitura do segundo livro de Samuel – 1No ano seguinte, na época em que os reis costumavam partir para a guerra, Davi enviou Joab com os seus oficiais e todo Israel, e eles devastaram o país dos amonitas e sitiaram Rabá. Mas Davi ficou em Jerusalém. 2Ora, um dia, ao entardecer, levantando-se Davi de sua cama, pôs-se a passear pelo terraço de sua casa e avistou dali uma mulher que se banhava. Era uma mulher muito bonita. 3Davi procurou saber quem era essa mulher e disseram-lhe que era Betsabeia, filha de Eliam, mulher do hitita Urias. 4Então Davi enviou mensageiros para que a trouxessem. Ela veio e ele deitou-se com ela. 5Em seguida, Betsabeia voltou para casa. Como ela concebesse, mandou dizer a Davi: “Estou grávida”. 6Davi mandou esta ordem a Joab: “Manda-me Urias, o hitita”. E ele mandou Urias a Davi. 7Quando Urias chegou, Davi pediu-lhe notícias de Joab, do exército e da guerra. 8E, depois, disse-lhe: “Desce à tua casa e lava os pés”. Urias saiu do palácio do rei e, em seguida, este enviou-lhe um presente real. 9Mas Urias dormiu à porta do palácio, com os outros servos do seu amo, e não foi para casa. 10E contaram a Davi, dizendo-lhe: “Urias não foi para sua casa”. 13Davi convidou-o para comer e beber à sua mesa e o embriagou. Mas, ao entardecer, ele retirou-se e foi-se deitar no seu leito, em companhia dos servos do seu senhor, e não desceu para a sua casa. 14Na manhã seguinte, Davi escreveu uma carta a Joab e mandou-a pelas mãos de Urias. 15Dizia nela: “Colocai Urias na frente, onde o combate for mais violento, e abandonai-o para que seja ferido e morra”. 16Joab, que sitiava a cidade, colocou Urias no lugar onde ele sabia estarem os guerreiros mais valentes. 17Os que defendiam a cidade saíram para atacar Joab, e morreram alguns do exército, da guarda de Davi. E morreu também Urias, o hitita. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 50(51)

Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!

1. Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! / Na imensidão de vosso amor, purificai-me! / Lavai-me todo inteiro do pecado / e apagai completamente a minha culpa! – R.

2. Eu reconheço toda a minha iniquidade, / o meu pecado está sempre à minha frente. / Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, / e pratiquei o que é mau aos vossos olhos! – R.

3. Mostrais assim quanto sois justo na sentença / e quanto é reto o julgamento que fazeis. / Vede, Senhor, que eu nasci na iniquidade / e pecador já minha mãe me concebeu. – R.

4. Fazei-me ouvir cantos de festa e de alegria, / e exultarão estes meus ossos que esmagastes. / Desviai o vosso olhar dos meus pecados / e apagai todas as minhas transgressões! – R.

Evangelho: Marcos 4,26-34

Aleluia, aleluia, aleluia.

Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, / pois revelaste os mistérios do teu Reino aos pequeninos, / escondendo-os aos doutores! (Mt 11,25) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 26Jesus disse à multidão: “O Reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra. 27Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece. 28A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga. 29Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou”. 30E Jesus continuou: “Com que mais poderemos comparar o Reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo? 31O Reino de Deus é como um grão de mostarda, que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra. 32Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra”. 33Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. 34E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Nos seus ensinamentos, Jesus gostava de comparar o “Reino (e a Palavra) de Deus” com uma semente. É o caso também no texto de hoje. A semente não é apenas o que aparenta ser, é algo que traz, em si, vida. Isso se percebe quando a semente é posta na terra, ela germina e se desenvolve. Para isso, porém, necessita de tempo e condições. A primeira parábola evidencia a fecundidade da semente e da terra, a planta cresce independentemente da vontade das pessoas. Assim é o Reino de Deus, em si mesmo contém vida, dinamismo, esperança. A segunda parábola acentua o contraste entre a semente (pequena) e a planta (grande). A mostarda era uma espécie de praga, brotava em lugares não desejáveis, assim como o Reino de Deus floresce de maneira incômoda aos sistemas que se opõem a ele. O reino de Deus é visto como árvore que fornece sombra (acolhida e proteção) a todos os povos.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santo Tomás de Aquino – sacerdote e doutor da Igreja (memória)

Tomás nasceu em 1225, filho do conde de Aquino, no castelo de Roccasecca. Aos 18 anos, contrariando a vontade dos familiares, ingressou na Ordem dos Pregadores de são Domingos. Estudou em Colônia na escola de santo Alberto Magno e depois em Paris. Em Paris, de aluno passou a mestre de filosofia e teologia. Ensinou depois em Orvieto, Roma e Nápoles.

Manso e silencioso, em Paris foi apelidado de boi mudo. Era gordo, contemplativo e devoto. Respeitava a todos e por todos era amado. Era antes de tudo intelectual. Imerso nos estudos, seguidamente perdia a noção de tempo e de lugar. Seus estudos foram proveitosos a todos. Sua norma era: oferecer aos outros os frutos da contemplação. Seus escritos constituem um dos maiores monumentos de filosofia e teologia católicas. Tinha só 48 anos quando morreu.

Morreu no dia 7 de março de 1274, no mosteiro cisterciense de Fossanova. Estava de viagem para o concílio de Lião, convocado por Gregório X. Sua obra principal é a Suma teológica. É síntese da teologia. Quando queriam os milagres para canonizá-lo, o papa João XXII disse: “Ele fez tantos milagres, quantas proposições teológicas escreveu.

A primazia da inteligência é a mola mestra de toda a obra filosófica e teológica do Doutor Angélico. Não se tratava, porém, de intelectualismo abstrato, pois a inteligência é condicionada e o amor é condicionante: “Luz intelectual de amor cheia..”., diz Dante que foi um dos primeiros tomistas.

O pensamento de santo Tomás de Aquino foi e continua sendo a base dos estudos filosóficos e teológicos dos seminaristas desde os seus tempos até nós. O papa Leão XIII e o filósofo Jacques Maritain fizeram reflorescer os estudos tomistas. Suas obras, não tanto as grandes Sumas, como especialmente os opúsculos pastorais e espirituais, foram reimpressos.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quinta-feira da 3ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Cantai ao Senhor um canto novo, cantai ao Senhor, ó terra inteira; esplendor, majestade e beleza brilham no seu templo santo (Sl 95,1.6).

O verdadeiro líder olha não só pelo bem-estar da sua família e do seu grupo, mas também por todo o povo. O Senhor nos ensine a ser lamparinas que iluminem e ajudem a cumprir suas promessas de vida e liberdade para todos.

Primeira Leitura: 2 Samuel 7,18-19.24-29

Leitura do segundo livro de Samuel – Depois que Natã falara a Davi, o rei entrou no tabernáculo, 18foi assentar-se diante do Senhor e disse: “Quem sou eu, Senhor Deus, e o que é a minha família, para que me tenhas conduzido até aqui? 19Mas, como isso te parecia pouco, Senhor Deus, ainda fizeste promessas à casa do teu servo para um futuro distante. Porque esta é a lei do homem, Senhor Deus! 24Estabeleceste o teu povo, Israel, para que ele seja para sempre o teu povo; e tu, Senhor, te tornaste o seu Deus. 25Agora, Senhor Deus, cumpre para sempre a promessa que fizeste ao teu servo e à sua casa e faze como disseste! 26Então o teu nome será exaltado para sempre, e dirão: ‘O Senhor todo-poderoso é o Deus de Israel’. E a casa do teu servo Davi permanecerá estável na tua presença. 27Pois tu, Senhor todo-poderoso, Deus de Israel, fizeste esta revelação ao teu servo: ‘Eu te construirei uma casa’. Por isso o teu servo se animou a dirigir-te esta oração. 28Agora, Senhor Deus, tu és Deus e tuas palavras são verdadeiras. Pois que fizeste esta bela promessa ao teu servo, 29abençoa, então, a casa do teu servo, para que ela permaneça para sempre na tua presença. Porque és tu, Senhor Deus, que falaste, e é graças à tua bênção que a casa do teu servo será abençoada para sempre”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 131(132)

O Senhor vai dar-lhe o trono / de seu pai, o rei Davi.

1. Recordai-vos, ó Senhor, do rei Davi / e de quanto vos foi ele dedicado; / do juramento que ao Senhor havia feito / e de seu voto ao Poderoso de Jacó. – R.

2. “Não entrarei na minha tenda, minha casa, / nem subirei à minha cama em que repouso, / não deixarei adormecerem os meus olhos / nem cochilarem em descanso minhas pálpebras, / até que eu ache um lugar para o Senhor, / uma casa para o Forte de Jacó!” – R.

3. O Senhor fez a Davi um juramento, / uma promessa que jamais renegará: / “Um herdeiro, que é fruto do teu ventre, / colocarei sobre o trono em teu lugar! – R.

4. Se teus filhos conservarem minha Aliança / e os preceitos que lhes dei a conhecer, / os filhos deles igualmente hão de sentar-se / eternamente sobre o trono que te dei!” – R.

5. Pois o Senhor quis para si Jerusalém / e a desejou para que fosse sua morada: / “Eis o lugar do meu repouso para sempre, / eu fico aqui: este é o lugar que preferi!” – R.

Evangelho: Marcos 4,21-25

Aleluia, aleluia, aleluia.

Vossa Palavra é uma luz para os meus passos / e uma lâmpada luzente em meu caminho (Sl 118,105). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, Jesus disse à multidão: 21“Quem é que traz uma lâmpada para colocá-la debaixo de um caixote ou debaixo da cama? Ao contrário, não a coloca num candeeiro? 22Assim, tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto, e tudo o que está em segredo deverá ser descoberto. 23Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça”. 24Jesus dizia ainda: “Prestai atenção no que ouvis: com a mesma medida com que medirdes, também vós sereis medidos; e vos será dado ainda mais. 25Ao que tem alguma coisa, será dado ainda mais; do que não tem, será tirado até mesmo o que ele tem”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Todos sabemos a função de uma lâmpada: à noite e no escuro serve para iluminar, e para iluminar bem ela é colocada em destaque, num lugar estratégico, para que ilumine todo o ambiente. A lâmpada é comparada à Palavra. A mensagem de Jesus não pode ficar trancada em algum armário ou sufocada dentro de algum caixote. A vivência dessa mensagem precisa ser testemunhada publicamente. Quem se deixa iluminar pela Palavra de Deus tem a responsabilidade de iluminar a família e a comunidade com a prática condizente com essa Palavra. Quem age assim acaba se tornando luz para os que o cercam. A verdadeira luz é Jesus, mas quem o segue fielmente também brilhará, não para se exaltar ou como motivo de orgulho, mas para iluminar a vida dos outros. Quem se fecha em si mesmo acaba se empobrecendo sempre mais.

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santa Ângela Mérici – virgem (memória facultativa)

Nasceu em Desenzano, Garda, em 1470. A respeito da vida religiosa teve uma ideia completamente revolucionária para a sua época.

Viveu num período de grande prosperidade econômica e efervescência artística. Era o Renascimento. Uma voz severa e ameaçadora açoitava os ouvidos materialistas: frei Jerônimo Savo-narola. Foi enforcado e queimado na Praça da Senhoria em Florença. Vinte anos depois um frei agostiniano, Martinho Lutero, quis reformar a Igreja e conseguiu romper a unidade do cristianismo.

No meio dessas justas aspirações de reforma da vida cristã surge uma voz submissa de mulher, oferecendo o contributo mais prático para a verdadeira reforma: a observância dos conselhos evangélicos. Pertenceu à Ordem Terceira de São Francisco, quando criança, pelo menos até os 15 anos.

Crescida numa família de camponeses, após a morte dos pais, empreendeu longas peregrinações. Chegou à Terra Santa, onde foi privada da vista. Era sinal de Deus para fazê-la entender a que estava destinada: assistência espiritual e material aos jovens.

Como prolongamento de sua obra, fundou, em Bréscia, em 1535, a Companhia de Santa Úrsula, uma congregação de religiosas humildes com a finalidade de instrução às meninas, pois em seu tempo só os meninos estudavam. Só eles se preparavam para as carreiras religiosas, políticas, diplomáticas e militares. A santa é feminista precoce e revolucionária. Só algum tempo após a sua morte é que foram impressas as regras da congregação das ursulinas. Santa Ângela Mérici morreu em Bréscia no dia 27 de janeiro de 1540. Foi canonizada em 1807. Foi, primeiro, festejada em 31 de maio, depois de 1955, no dia 19 de junho para deixar lugar à festividade de Maria Rainha, e agora é recordada no dia de sua morte. A morte dos santos é a sua glorificação.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS