Categorias
Santo do dia

Santo Herculano – mártir

O nome de Hércules, tornado de uma das mais admiráveis divindades do mito pagão, representada pelo herói fortíssimo e generoso, vencedor da Hidra e do Leão, do Centauro e do Javali, nunca apareceu entre os santos do calendário cristão.

No entanto, aparece por quatro vezes o nome de Herculano, e aparece também a 4 de julho o nome de Heráclo, análogo ao nome grego do semideus. A isso acrescenta-se o derivado “Heráclio”, tirado de sete santos, quase todos mártires, e também esses fortíssimos, não nos membros, mas na fé.

Dos quatro Herculanos, um, festejado a 12 de agosto, foi bispo de Bréscia, no século VI. Não temos notícias seguras sobre a sua história, como também não se tem sobre santo Herculano festeja-do a 5 de setembro no Porto, e que apareceu como mártir, sob Marco Aurélio e sob Galo. Mais clara, ao contrário, é a figura de santo Herculano festejado a 7 de novembro, monge e depois bispo de Perúgia. Sua obra e sua vida foram cheias de tribulações e provações por causa das grandes invasões bárbaras do século VI, e especialmente a invasão devastadora do godo Tótila. Sob as muralhas da cidade úmbria, Tótila teria encarregado um seu lugar-tenente de capturar o bispo católico, rasgando-lhe uma grande tira de pele, da cabeça até o calcanhar. Mesmo sendo bárbaro, o lugar-tenente não teve coragem no coração para fazer tal operação em um vivente. Por isso fez decapitar o bispo Herculano, cortando depois uma longa tira de pele do cadáver, que foi mostrar como reprimenda aos peruginos.

O santo Herculano, que hoje é comemorado, foi mártir, alguns séculos antes do bispo perugino. No Martirológio, a sua figura constitui, mais que qualquer outra, uma interrogação, pela falta de datas seguras e pela incerteza suscitada nos estudiosos da história de seu martírio.

Ele teria sido militar romano, o qual, durante o império do “Pio” Antonino, fora encarregado de escoltar ao martírio o bispo santo Alexandre. Também este último é personagem problemática; em seu martírio conta-se como, antes de ser decapitado, sofreu repetidas torturas, que não só não o fizeram retroceder na fé, mas tampouco conseguiram esfolá-lo. Com esses prodígios, o soldado compreendeu que o Deus dos cristãos era mais poderoso que o do imperador, e que a fidelidade dos confessores de Jesus era mais heroica que a obediência militar. Por isso, também ele declarou a própria fé, e tanto ele como o seu companheiro sofreram numerosos tormentos, antes de ter a cabeça mutilada, ou, segundo outra tradição, antes de serem jogados em um lago, com grande pedra atada ao pescoço.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

23° Domingo do Tempo Comum

(verde, glória, creio – 3ª semana do saltério)

Vós sois justo, Senhor, e justa é a vossa sentença; tratai o vosso servo segundo a vossa misericórdia (Sl 118,137.124).

Somos convidados a bendizer o Senhor, que abre nossos ouvidos para acolher sua Palavra e desata nossa língua para anunciá-la. O Deus fiel nos adotou como filhos e filhas, fez-nos herdeiros do seu Reino e nos ajuda a superar toda prostração e desânimo. Celebremos Aquele que faz justiça aos pobres e oprimidos e nos chama à comunhão com eles.

Primeira Leitura: Isaías 35,4-7

Leitura do livro do profeta Isaías – 4Dizei às pessoas deprimidas: “Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar”. 5Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. 6O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos, assim como brotarão águas no deserto e jorrarão torrentes no ermo. 7A terra árida se transformará em lago, e a região sedenta, em fontes de água. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 145(146)

Bendize, ó minha alma, ao Senhor. / Bendirei ao Senhor toda a vida!

1. O Senhor é fiel para sempre, / faz justiça aos que são oprimidos; / ele dá alimento aos famintos, / é o Senhor quem liberta os cativos. – R.

2. O Senhor abre os olhos aos cegos, / o Senhor faz erguer-se o caído; / o Senhor ama aquele que é justo. / É o Senhor quem protege o estrangeiro. – R.

3. Ele ampara a viúva e o órfão, / mas confunde os caminhos dos maus. / O Senhor reinará para sempre! † Ó Sião, o teu Deus reinará / para sempre e por todos os séculos! – R.

Segunda Leitura: Tiago 2,1-5

Leitura da carta de São Tiago – 1Meus irmãos, a fé que tendes em nosso Senhor Jesus Cristo glorificado não deve admitir acepção de pessoas. 2Pois bem, imaginai que na vossa reunião entra uma pessoa com anel de ouro no dedo e bem vestida, e também um pobre, com sua roupa surrada, 3e vós dedicais atenção ao que está bem vestido, dizendo-lhe: “Vem sentar-te aqui, à vontade”, enquanto dizeis ao pobre: “Fica aí, de pé”, ou então: “Senta-te aqui no chão, aos meus pés” – 4não fizestes, então, discriminação entre vós? E não vos tornastes juízes com critérios injustos? 5Meus queridos irmãos, escutai: não escolheu Deus os pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam? – Palavra do Senhor.

Evangelho: Marcos 7,31-37

Aleluia, aleluia, aleluia.

Jesus Cristo pregava o Evangelho, / a boa notícia do Reino, / e curava seu povo doente / de todos os males, sua gente! (Mt 4,23) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 31Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. 32Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. 33Jesus afastou-se com o homem para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e, com a saliva, tocou a língua dele. 34Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!”, que quer dizer “abre-te!” 35Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade. 36Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. 37Muito impressionados, diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

O surdo que fala com dificuldade representa os discípulos de Jesus, que continuam aferrados à ideologia nacionalista e exclusivista do judaísmo. Em outras palavras, consideram-se um povo privilegiado diante de Deus e, desse modo, permanecem inteiramente fechados (surdos) em relação aos pagãos. Não aceitam que estes façam parte do Reino de Deus. Jesus quer mudar essa mentalidade, por isso age primeiramente sobre o ouvido. Uma vez em condições de ouvir os ensinamentos do Mestre, seus discípulos serão capazes de passá-los adiante. Efatá (abre-te) é uma ordem de Jesus também para os cristãos de hoje. É necessário que tenhamos os ouvidos bem abertos para captar e assimilar a Palavra de Deus, pô-la em prática e difundi-la por toda parte, usando todos os meios da técnica moderna.

Oração
Ó Jesus, que fazes os surdos ouvirem e os mudos falarem, de coração sincero te pedimos: abre nossos ouvidos e o coração para captarmos integralmente tua mensagem de amor, justiça e paz e fortalece nosso ânimo para que anunciemos, com ousadia, teu Evangelho por toda parte. Amém.(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santa Rosália – virgem

A padroeira de Palermo, que desfruta de grande devoção na Sicília ao lado das mártires Águeda de Catânia e Lúcia de Siracusa, não tem história igualmente rica de testemunhas e tradições. Um estudioso morto em 1620, Otávio Gaietani, lamentava por não ter achado sinais desta santa deixados pelos antepassados, não obstante os cuidados com que a haviam circundado por toda a parte. Três anos após sua morte, parece que a própria santa tenha se incumbido de preencher essa lacuna aparecendo em outubro de 1623 a uma mulher doente, ordenando-lhe ir em peregrinação à igrejinha no monte Pellegrino, áspero promontório que fecha do lado do poente o golfo de Palermo. A mulher aguardou até o mês de maio seguinte para obedecer ao desejo de santa Rosália, que lhe apareceu novamente e indicou-lhe o lugar onde estavam escondidos seus restos mortais.

A 15 de julho, a procura teve bom êxito, mas os ossos, recolhidos em uma gruta escavada entre as rochas, não traziam inscrição alguma que lhe pertencesse. Duvidou-se no começo que se tratasse de res-tos humanos. O arcebispo de Palermo, Giannetino Doria, constituiu uma comissão de peritos, composta de médicos e teólogos, que a 11 de fevereiro de 1625 se pronunciou pela autenticidade das relíquias. Isso reacendeu a devoção popular e Urbano VIII, em 1630, inseriu o nome da santa no Martirológio Romano a 15 de julho e a 4 de setembro.

Naquele mesmo período, e precisamente a 25 de agosto de 1624, quarenta dias após a descoberta dos ossos, dois pedreiros, enquanto executavam trabalhos no convento dos dominicanos de santo Estêvão de Quisquina, acharam numa gruta uma inscrição latina, muito rudimentar, que dizia: “Eu, Rosália Sinibaldi, filha das rosas do Senhor, pelo amor de meu Senhor Jesus Cristo decidi morar nesta gruta de Quisquina”. Isso confirma em parte as tradições orais, recolhidas pelo próprio Gaietani, que falavam de santa Rosália, nascida em Palermo, que viveu por alguns anos na corte da rainha Margarida, esposa do rei Guilherme I da Sicília (1154-1156). Obtido como presente da rainha o monte Pellegrino, Rosália estabeleceu aí sua morada, ou melhor, escolheu-o como lugar de retiro, pela áspera solidão que ofereciam seus penhascos rochosos, inclinados sobre o mar azul. Levou vida de penitência, sendo enterrada nesse local, provavelmente depois de haver procurado outros lugares ainda mais escondidos das distrações do mundo, seguindo os exemplos dos antigos anacoretas.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sábado da 22ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Tende compaixão de mim, Senhor, clamo por vós o dia inteiro; Senhor, sois bom e clemente, cheio de misericórdia para aqueles que vos invocam (Sl 85,3.5).

O senhorio de Cristo sobre todas as realidades da vida nos estimula a abandonar as obras más e a permanecer inabaláveis e firmes na fé, sem nos afastarmos da esperança que nos vem do Evangelho.

Primeira Leitura: Colossenses 1,21-23

Leitura da carta de São Paulo aos Colossenses – Irmãos, 21vós, que outrora éreis estrangeiros e inimigos pelas manifestas más obras, 22eis que agora Cristo vos reconciliou pela morte que sofreu no seu corpo mortal, para vos apresentar como santos, imaculados, irrepreensíveis diante de si. 23Mas é necessário que permaneçais inabaláveis e firmes na fé, sem vos afastardes da esperança que vos dá o Evangelho, que ouvistes, que foi anunciado a toda criatura debaixo do céu e do qual eu, Paulo, me tornei ministro. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 53(54)

Quem me protege e me ampara é meu Deus.

1. Por vosso nome, salvai-me, Senhor, / e dai-me a vossa justiça! / Ó meu Deus, atendei minha prece / e escutai as palavras que eu digo! – R.

2. Quem me protege e me ampara é meu Deus; / é o Senhor quem sustenta minha vida! / Quero ofertar-vos o meu sacrifício / de coração e com muita alegria; / quero louvar, ó Senhor, vosso nome, / quero cantar vosso nome, que é bom! – R.

Evangelho: Lucas 6,1-5

Aleluia, aleluia, aleluia.

Sou o caminho, a verdade e a vida: / ninguém vem ao Pai, senão por mim (Jo 14,6). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – 1Num sábado, Jesus estava passando através de plantações de trigo. Seus discípulos arrancavam e comiam as espigas, debulhando-as com as mãos. 2Então alguns fariseus disseram: “Por que fazeis o que não é permitido em dia de sábado?” 3Jesus respondeu-lhes: “Acaso vós não lestes o que Davi e seus companheiros fizeram quando estavam sentindo fome? 4Davi entrou na casa de Deus, pegou dos pães oferecidos a Deus e os comeu, e ainda por cima os deu a seus companheiros. No entanto, só os sacerdotes podem comer desses pães”. 5E Jesus acrescentou: “O Filho do Homem é senhor também do sábado”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Os discípulos de Jesus colhem espigas e as comem. Interpretando o fato de debulhar espigas como colheita e, portanto, como violação ao repouso sabático, os fariseus recriminam a atitude dos discípulos. Apoiado em passagem da Escritura e citando o respeitado nome de Davi, Jesus enuncia um princípio decisivo: em caso de necessidade, a manutenção da vida tem precedência sobre o respeito às proibições religiosas. Sem alimentar-se não há ser humano, que é maior do que qualquer prescrição, pois “o sábado foi feito por causa do homem” (Mc 2,27). Ao dizer que “o Filho do Homem é senhor do sábado”, Jesus nos ensina que as instituições, estruturas, leis e costumes devem estar a serviço do homem: podem ser abolidos e cair para segundo plano em qualquer circunstância em que uma necessidade urgente o exigir.

Oração
Ó Jesus, Filho do Homem, os fariseus fazem tempestade num copo d’água: acusam teus discípulos como se tivessem cometido grave escândalo. Apenas debulhavam espigas para matar a fome, em dia de sábado. Citando as Escrituras, argumentas que as Leis foram criadas para favorecer a vida humana. Amém.(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sexta-feira da 22ª semana do Tempo Comum

SÃO GREGÓRIO MAGNO*

PAPA E DOUTOR DA IGREJA

(branco, pref. comum, ou dos pastores, – ofício da memória)

O Senhor o escolheu para a plenitude do sacerdócio e, abrindo seus tesouros, o cumulou de bens.

Gregório nasceu em Roma, por volta de 540, e lá faleceu em 604. De nobre família, ocupou cargos de grande relevo na sociedade, chegando a ser prefeito de sua cidade natal. No entanto, desprendeu-se dos títulos e bens terrenos para se tornar monge beneditino. Aprofundou seus estudos bíblicos e teológicos e deu significativo destaque à liturgia e ao canto sacro. Eleito papa, demonstrou grande zelo pelas missões. A seu exemplo, valorizemos o trabalho missionário e sejamos zelosos com as celebrações litúrgicas.

Primeira Leitura: Colossenses 1,15-20

Leitura da carta de São Paulo aos Colossenses – 15Cristo Jesus é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, 16pois, por causa dele, foram criadas todas as coisas no céu e na terra, as visíveis e as invisíveis, tronos e dominações, soberanias e poderes. Tudo foi criado por meio dele e para ele. 17Ele existe antes de todas as coisas e todas têm nele a sua consistência. 18Ele é a cabeça do corpo, isto é, da Igreja. Ele é o princípio, o primogênito dentre os mortos; de sorte que em tudo ele tem a primazia, 19porque Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude 20e por ele reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue da sua cruz. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 99(100)

Com canto apresentai-vos diante do Senhor!

1. Aclamai o Senhor, ó terra inteira, † servi ao Senhor com alegria, / ide a ele cantando jubilosos! – R.

2. Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, † ele mesmo nos fez, e somos seus, / nós somos seu povo e seu rebanho. – R.

3. Entrai por suas portas dando graças † e em seus átrios com hinos de louvor; / dai-lhe graças, seu nome bendizei! – R.

4. Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, † sua bondade perdura para sempre, / seu amor é fiel eternamente! – R.

Evangelho: Lucas 5,33-39

Aleluia, aleluia, aleluia.

Eu sou a luz do mundo; / aquele que me segue / não caminha entre as trevas, / mas terá a luz da vida (Jo 8,12). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 33os fariseus e os mestres da Lei disseram a Jesus: “Os discípulos de João, e também os discípulos dos fariseus, jejuam com frequência e fazem orações. Mas os teus discípulos comem e bebem”. 34Jesus, porém, lhes disse: “Os convidados de um casamento podem fazer jejum enquanto o noivo está com eles? 35Mas dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, naqueles dias, eles jejuarão”. 36Jesus contou-lhes ainda uma parábola: “Ninguém tira retalho de roupa nova para fazer remendo em roupa velha; senão vai rasgar a roupa nova, e o retalho novo não combinará com a roupa velha. 37Ninguém coloca vinho novo em odres velhos; porque, senão, o vinho novo arrebenta os odres velhos e se derrama, e os odres se perdem. 38Vinho novo deve ser colocado em odres novos. 39E ninguém, depois de beber vinho velho, deseja vinho novo, porque diz: o velho é melhor”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

O assunto cai sobre a prática do jejum. Há dois grupos de discípulos que o praticam, os de João e os dos fariseus, ao passo que os discípulos de Jesus não o fazem. Doutores da Lei e fariseus querem de Jesus uma satisfação. Jesus desloca a importância do jejuar para o significado do noivo (o próprio Messias), que ora está presente no meio deles. São tempos novos: o tempo da espera já se cumpriu, agora é alegrar- se com a presença de Jesus e da sua Boa-Nova, ouvir-lhe o apelo e dar-lhe adesão pela fé. A comparação de Jesus acentua a necessidade de dar um salto de qualidade para superar esquemas envelhecidos (roupa velha, vinho velho) e assumir a novidade do Reino (roupa nova, vinho novo), isto é, vida abundante e liberdade para todos. Há cristãos que relutam em aceitar que a Igreja se renove!

Oração
Ó Jesus Messias, és o protagonista de um novo tempo. Inauguras o tão esperado Reino de Deus. És o “noivo” da humanidade e nos ofereces a festa da salvação. Doutores da Lei e fariseus mantêm-se fechados à novidade. Concede-nos, Senhor, mentalidade aberta para acatar a tua Boa-Nova. Amém.(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Gregório Magno – papa e doutor da Igreja

No papa Gregório encontram-se, em grau eminente, todas as qualidades do homem de governo, o senso do dever, da medida e da dignidade. Nele o historiador protestante Harnack admira “a sabedoria, a justiça, a mansidão, a força de iniciativa, a tolerância”, e Bossuet considera-o o “modelo perfeito de como se governa a Igreja”. São Gregório Magno nascera para ser papa. A família Anícia, à qual pertencia, era uma das principais de Roma. Na morte do pai Jordão, Gregório, ainda muito jovem (nascera em 540), era já prefeito da cidade. Admirador da excepcional figura de são Bento, decidiu muito logo transformar as suas posses em Roma e na Sicília em outros tantos mosteiros. Mas ele mesmo não pôde ficar por muito tempo, no mosteiro, pois o papa Pelágio II o enviou núncio a Constantinopla. Voltando à tranquilidade do mosteiro no monte Célio, usufruiu dela por pouco tempo; chamado ao supremo pontificado pelo entusiasmo do povo e pelas insistências do clero e do senado de Roma, depois de séria relutância, acabou aceitando.

Fisicamente não era colosso e sua saúde foi sempre delicada: sua primeira série de Homilias sobre o Evangelho foi lida por seu secretário, pois ele não conseguia manter-se em pé. E todavia a sua atividade, em quatorze anos de pontificado (de 3 de setembro de 590 a 12 de março de 604), é marcada por coisas incríveis: organiza a defesa de Roma ameaçada por Aginulfo, com quem reata depois relações de boa vizinhança; administra os bens públicos com religiosa equidade, suprindo o descaso dos funcionários imperiais; cuidou dos aquedutos; favoreceu o progresso dos agricultores eliminando todo o resíduo de escravidão da gleba; animado pelo zelo pro-moveu a missão de santo Agostinho de Cantuária na Inglaterra. Capaz de enxergar além dos confins da cristandade, não desprezava os diminutos cuidados do dia a dia. Pouco antes de morrer achou um meio de fazer chegar ao bispo de Chiusi um manto para o inverno.

O epistolário (chegaram a nós 848 cartas) e as homilias ao povo nos dão farto testemunho de suas múltiplas atividades. Em toda parte deixou sua marca, basta lembrar no campo litúrgico a promoção do canto gregoriano. Sua familiaridade com a Sagrada Escritura aparece nas Homilias sobre Ezequiel e sobre o Evangelho, enquanto os Moralia in Job atestam sua admiração por santo Agostinho. Profunda influência exerceu juntamente com a Vida de São Bento, o seu livro Regra pastoral, válido ainda hoje.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quinta-feira da 22ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Tende compaixão de mim, Senhor, clamo por vós o dia inteiro; Senhor, sois bom e clemente, cheio de misericórdia para aqueles que vos invocam (Sl 85,3.5).

Por meio de Jesus Cristo, recebemos a redenção, o perdão dos pecados. Que esta celebração nos motive a avançar para águas mais profundas, crescendo no conhecimento de Deus e levando uma vida digna do Senhor.

Primeira Leitura: Colossenses 1,9-14

Leitura da carta de São Paulo aos Colossenses – Irmãos, 9desde que recebemos essas notícias, não deixamos de rezar insistentemente por vós, para que chegueis a conhecer plenamente a vontade de Deus, com toda a sabedoria e com o discernimento da luz do Espírito. 10Pois deveis levar uma vida digna do Senhor, para lhe serdes agradáveis em tudo. Deveis produzir frutos em toda boa obra e crescer no conhecimento de Deus, 11animados de muita força, pelo poder de sua glória, de muita paciência e constância. 12Com alegria dai graças ao Pai, que vos tornou capazes de participar da luz, que é a herança dos santos. 13Ele nos libertou do poder das trevas e nos recebeu no Reino de seu Filho amado, 14por quem temos a redenção, o perdão dos pecados. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 97(98)

O Senhor fez conhecer seu poder salvador / perante as nações.

1. O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; / recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

2. Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. / Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

3. Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa / e da cítara suave! / Aclamai, com os clarins e as trombetas, / ao Senhor, o nosso rei! – R.

Evangelho: Lucas 5,1-11

Aleluia, aleluia, aleluia.

Vinde após mim, disse o Senhor, / e eu ensinarei a pescar gente (Mt 4,19). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 1Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a Palavra de Deus. 2Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois, sentou-se e, da barca, ensinava as multidões. 4Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. 5Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. 6Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes, que as redes se rompiam. 7Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem. 8Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” 9É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante, tu serás pescador de homens”. 11Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Uma página a respeito da missão de Jesus e dos discípulos. As multidões comprimiam-se ao redor de Jesus a fim de ouvirem a Palavra de Deus. O ensinamento se dá a partir da barca, símbolo da Igreja. Sem Jesus, a missão é estéril. É ele quem garante a eficácia da ação, por mais difícil que seja a situação. Diante do sucesso, Pedro sente o poder de Deus e se reconhece pecador. Sem comentar a atitude humilde de Pedro, Jesus o projeta para obras grandiosas: “A partir de agora, você vai ser pescador de gente”. Os outros sócios de Simão também são chamados a compor o grupo dos apóstolos. Em várias ocasiões, os três – Simão, Tiago e João – serão convidados a testemunhar situações significativas na vida do Mestre (transfiguração, paixão), certamente para consolidá-los na fé em Jesus, o Filho de Deus.

Oração
Ó Jesus Mestre, em obediência à tua Palavra, Pedro e seus companheiros lançaram as redes em águas mais profundas. Surpresos, apanharam “tanto peixe que as redes se arrebentavam”. Queremos, Senhor, estar sempre atentos aos teus apelos, certos de que, desse modo, nossa labuta não será em vão. Amém.(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santa Doroteia – mártir

Nasceu Doroteia em Cesareia da Capadócia. Seus pais foram martirizados. Vivia a jovem virgem em jejum e oração, atraindo sempre a afeição dos que eram testemunhas de sua humildade, de sua doçura, de sua prudência e de outras virtudes suas. De educação esmerada, aliava à riqueza invejáveis dotes não só sobrenaturais, como também naturais.

O governador Fabrício recebeu ordens imperiais para exterminar a religião cristã. Uma das primeiras vítimas foi Doroteia. Embora pouco aparecesse em público, era verdadeira apóstola de Cristo, pela atividade que desenvolvia entre os cristãos, animando-os à constância na luta contra os perseguidores. Denunciada, Doroteia foi intimada, perante o governador, a sacrificar aos deuses. O interrogatório não foi longe; Fabrício, convencido de que a jovem não sacrificaria aos deuses, e grandemente irritado com suas respostas, ordenou que fosse estendida no cavalete. “É inútil contemporizar, disse Doroteia, tenho pressa de chegar a Jesus, meu Senhor, que me chamou à sequela de seus santos”. Fabrício então mandou esbofeteá-la; vendo, depois, que ela continuava a manifestar a sua alegria, formulou assim a sentença: “Ordenamos que Doroteia, jovem repleta de orgulho, que recusou sacrificar aos deuses imortais e conservar assim a sua vida, desejosa de morrer por um homem chamado Jesus Cristo, morra à espada”.

Então Doroteia saiu do pretório. Um dos advogados, chamado Teófilo, espírito folgazão, à sua passagem lhe disse: “Doroteia, esposa de Cristo, envia-me do jardim de teu Esposo frutos ou rosas”. Disse-o em tom de brincadeira, mas ela respondeu seriamente: “Crê de todo o coração no Deus por cujo nome sofro tudo isto, e te enviarei o que pedes”. Chegando ao lugar do martírio, pediu aos carrascos uns instantes para rezar, e percebendo na multidão um menino de seis anos, chamou-o, entregou em suas mãos o lenço com que enxugara o rosto, dizendo: “Toma este lenço, vai à casa do governador, pede para falar com Teófilo, o advogado, e lhe entrega da minha parte este lenço, dizendo: ‘Doroteia, a serva do Senhor, te envia frutos do jardim do Cristo, seu Esposo e Filho de Deus, conforme teu pedido’ ”.

O menino entregou-lho justamente na hora em que Doroteia foi decapitada. Teófilo, pegando entre as mãos o lenço, começou logo a dar graças a Deus. Seus companheiros tentaram fazê-lo calar e um foi dar parte ao governador.

Fabrício mandou vir Teófilo à sua presença e o interrogou, lembrando-lhe como perseguira os que professavam esse nome, que ele agora confessava. “É verdade, diz Teófilo, que ofereci sacrifícios aos deuses; mas reconheço agora que são vãs divindades; desprezo-os e creio no Deus vivo; jamais viveram’’. Estendido no cavalete, não proferiu nenhum gemido; condenado à decapitação, foi alegre para o suplício.

O episódio da conversão de Teófilo inspirou os artistas medievais: Doroteia, sentada aos pés da Virgem Maria tendo ao colo o Menino Jesus; Doroteia tem numa mão um feixe de margaridas, na outra uma cesta cheia de flores e frutos. A cabeça está coroada de rosas. Em outras representações, a cesta está nas mãos de um anjo encarregado de levá-la a Teófilo, estando o mensageiro ao lado direito da Santa.

Doroteia é a santa das flores e faz parte daquela florescência de jovens que, com a sua virgindade e com a sua graça, perfumaram o cristianismo primitivo.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quarta-feira da 22ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia da 2ª semana do saltério)

Tende compaixão de mim, Senhor, clamo por vós o dia inteiro; Senhor, sois bom e clemente, cheio de misericórdia para aqueles que vos invocam (Sl 85,3.5).

A comunidade se alegra quando se verifica seu crescimento na fé, na esperança e no amor fraterno. Em vista do serviço ao Reino de Deus, somos convidados a progredir constantemente na prática das virtudes.

Primeira Leitura: Colossenses 1,1-8

Início da carta de São Paulo aos Colossenses – 1Paulo, apóstolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, e o irmão Timóteo 2aos santos e fiéis irmãos em Cristo que estão em Colossas: graça e paz da parte de Deus, nosso Pai. 3Damos graças a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, sempre rezando por vós, 4pois ouvimos acerca da vossa fé em Cristo Jesus e do amor que mostrais para com todos os santos, 5animados pela esperança na posse do céu. Disso já ouvistes falar no Evangelho, cuja palavra de verdade chegou até vós. 6E como no mundo inteiro, assim também entre vós ela está produzindo frutos e se desenvolve desde o dia em que ouvistes a graça divina e conhecestes verdadeiramente. 7Assim aprendestes de Epafras, nosso estimado companheiro, que é, junto de vós, um autêntico mensageiro de Cristo. 8Foi ele quem nos deu notícia sobre o amor que o Espírito suscitou em vós. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 51(52)

Confio na clemência do meu Deus agora e sempre!

1. Eu, porém, como oliveira verdejante / na casa do Senhor, / confio na clemência do meu Deus / agora e para sempre! – R.

2. Louvarei a vossa graça eternamente, / porque vós assim agistes; / espero em vosso nome, porque é bom, / perante os vossos santos! – R.

Evangelho: Lucas 4,38-44

Aleluia, aleluia, aleluia.

O Espírito do Senhor repousa sobre mim / e enviou-me a anunciar aos pobres o Evangelho (Lc 4,18). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 38Jesus saiu da sinagoga e entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava sofrendo com febre alta, e pediram a Jesus em favor dela. 39Inclinando-se sobre ela, Jesus ameaçou a febre, e a febre a deixou. Imediatamente, ela se levantou e começou a servi-los. 40Ao pôr do sol, todos os que tinham doentes atingidos por diversos males os levaram a Jesus. Jesus colocava as mãos em cada um deles e os curava. 41De muitas pessoas também saíam demônios, gritando: “Tu és o Filho de Deus”. Jesus os ameaçava e não os deixava falar, porque sabiam que ele era o Messias. 42Ao raiar do dia, Jesus saiu e foi para um lugar deserto. As multidões o procuravam e, indo até ele, tentavam impedi-lo de que os deixasse. 43Mas Jesus disse: “Eu devo anunciar a Boa-nova do Reino de Deus também a outras cidades, porque para isso é que eu fui enviado”. 44E pregava nas sinagogas da Judeia. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus leva a sério seu programa de libertação, assumido na sinagoga de Nazaré (cf. Lc 4,16-22). Em Cafarnaum, liberta um homem possuído pelo espírito impuro. Da sinagoga, Jesus desloca-se para a casa de Simão, cuja sogra tem febre alta. Jesus “repreendeu a febre”, e a mulher recuperou a condição de prestar serviços à comunidade. No final do dia, Jesus entra em contato com muito doentes, com diversos tipos de enfermidade, e liberta a todos, com o simples e poderoso impor das mãos. As multidões, possivelmente por interesse, “o seguravam para que não fosse embora”. Querem fechar o Mestre no seu pequeno círculo. Jesus, porém, movido pela força da oração, retoma o sentido de sua missão: “Eu devo anunciar a Boa Notícia do Reino de Deus também a outras cidades, pois para isso é que fui enviado”.

Oração
Ó Jesus, Filho de Deus, nós te admiramos e louvamos pelo dinamismo que imprimes ao dia a dia de tua missão: pregações, curas de várias enfermidades, confronto com as forças do mal, lugar deserto… Concede, Senhor, aos cristãos e cristãs de hoje ao menos uma parcela do teu entusiasmo apostólico. Amém.(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santo Egídio, abade

O nome Egídio é muito caro entre os franciscanos, porque existem vários bem-aventurados com este nome na Ordem. O mais conhecido entre eles, celebrado a 23 de abril, é o amigo de são Francisco, o Cândido frei Egídio, que da sua origem de camponês conservara a operosidade e a sabedoria, constantemente invadida pela perfeita alegria e pelo dom da penetração. Mas o santo de hoje, muito popular na França, não pertence à família franciscana, uma vez que viveu muitos anos antes de são Francisco. A época em que viveu o abade Egídio não se sabe com certeza. Alguns historiadores identificam-no com o Egídio mandado a Roma por são Cesário de Arles no início do século VI, outros colocam-no um século e meio mais tarde e outros ainda datam sua morte entre 720 e 740.

A lenda neste caso não nos ajuda, pois entre os vários episódios da vida do santo encontramos também aquele que é ilustrado por dois vitrais e por uma escultura no portal da catedral de Chartres, na qual aparece santo Egídio enquanto celebrava a missa e obtém o perdão de um pecado que o imperador Carlos Magno (768-814) não tinha ousado confessar a nenhum sacerdote. O túmulo do santo, venerado em uma abadia da região de Nimes, remonta provavelmente à época merovíngia, embora a inscrição não seja anterior ao século X, data em que foi também composta a vida do santo abade.

Entre as narrações que mais contribuíram para a popularidade do santo está a da corça enviada por Deus para levar leite ao piedoso eremita, que há muitos anos vivia num bosque, distante do convívio humano. Um dia a benéfica corça complicou-se numa caçada onde estava o rei em pessoa. O caçador real perseguiu a presa, mas no instante de atirar a flecha não percebeu que o animal amedrontado estava já aos pés do eremita. Assim a flechada destinada ao manso quadrúpede feriu, ainda que de leve, o piedoso anacoreta. O incidente teve sequência que facilmente intuímos: o rei tornou-se amigo de Egídio, obteve o perdão dando-lhe de presente todo aquele terreno, no qual mais tarde surgiu uma grande abadia. Aqui o bom ermitão, em troca da solidão perdida irremediavelmente, teve o conforto de ver prosperar uma ativa comunidade de monges, dos quais Egídio foi o abade. Numerosos são os testemunhos do seu culto na França, Bélgica e Holanda, onde é invocado contra a convulsão da febre, contra o medo e contra a loucura.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS