Categorias
Evangelho do dia

Sexta-feira da 20ª semana do Tempo Comum

SÃO BERNARDO ABADE E DOUTOR DA IGREJA

(branco, pref. comum ou dos santos, – ofício da memória)

O justo medita a sabedoria e sua palavra ensina a justiça, pois traz no coração a lei de seu Deus (Sl 36,30s).

Bernardo nasceu na França em 1090 e lá faleceu em 1153. É considerado um dos fundadores da Ordem Cisterciense. Pregador, místico e escritor, foi abade e conselheiro de papas, bispos e reis. Seus sermões são preciosos comentários à Bíblia e à liturgia. O exemplo desse doutor da Igreja nos anime a alicerçar nossa vida numa profunda espiritualidade, para sermos eficazes na missão.

Primeira Leitura: Rute 1,1.3-6.14-16.22

Início do livro de Rute – 1No tempo em que os juízes governavam, houve uma fome no país e um homem de Belém de Judá foi morar nos campos de Moab com sua mulher e seus dois filhos. 3Entretanto, morreu Elimelec, marido de Noemi, e esta ficou sozinha com seus dois filhos. 4Eles casaram-se com mulheres moabitas, uma das quais se chamava Orfa, a outra, Rute. E ali permaneceram uns dez anos. 5Depois morreram também os dois, Maalon e Quelion, e a mulher ficou só, sem os dois filhos e sem o marido. 6Então ela se dispôs a voltar do campo de Moab para a sua pátria com as duas noras, porque tinha ouvido dizer que o Senhor havia olhado para o seu povo e lhe tinha dado alimentos. 14Orfa beijou sua sogra e partiu. Rute, porém, ficou com Noemi. 15Esta disse-lhe: “Olha, tua cunhada voltou para o seu povo e para os seus deuses. Vai com ela”. 16Mas Rute respondeu: “Não insistas comigo para que te deixe e me afaste de ti. Porque para onde fores, irei contigo, onde pousares, lá pousarei eu também. Teu povo será o meu povo, e o teu Deus será o meu Deus”. 22Assim Noemi voltou dos campos de Moab, acompanhada de sua nora Rute, a moabita. Regressaram a Belém, quando começava a colheita da cevada. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 145(146)

Bendize, ó minha alma, ao Senhor!

1. É feliz todo homem que busca † seu auxílio no Deus de Jacó / e que põe no Senhor a esperança. / O Senhor fez o céu e a terra, / fez o mar e o que neles existe. – R.

2. Faz justiça aos que são oprimidos; † ele dá alimento aos famintos, / é o Senhor quem liberta os cativos. – R.

3. O Senhor abre os olhos aos cegos, / o Senhor faz erguer-se o caído; / o Senhor ama aquele que é justo. / É o Senhor quem protege o estrangeiro. – R.

4. Ele ampara a viúva e o órfão, / mas confunde os caminhos dos maus. / O Senhor reinará para sempre! † Ó Sião, o teu Deus reinará / para sempre e por todos os séculos! – R.

Evangelho: Mateus 22,34-40

Aleluia, aleluia, aleluia.

Fazei-me conhecer vossa estrada, / vossa verdade me oriente e me conduza! (Sl 24,4s) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 34os fariseus ouviram dizer que Jesus tinha feito calar os saduceus. Então eles se reuniram em grupo 35e um deles perguntou a Jesus, para experimentá-lo: 36“Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?” 37Jesus respondeu: “‘Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento!’ 38Esse é o maior e o primeiro mandamento. 39O segundo é semelhante a esse: ‘Amarás ao teu próximo como a ti mesmo’. 40Toda a Lei e os Profetas dependem desses dois mandamentos”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Com frequência, os fariseus cercam Jesus, não com o objetivo de ouvir sua Palavra e seguir seus passos, mas para experimentá-lo. Desta vez o assunto são os mandamentos. Afinal, qual deles é o maior? Os fariseus tinham como ponto de honra observar cuidadosamente todos os preceitos. Será que esperam ver Jesus falando contra algum deles? Sem acrescentar argumentos, Jesus unifica dois preceitos, que, na Lei, estavam separados: o amor a Deus (cf. Dt 6,5) e o amor ao próximo (cf. Lv 19,18). São João escrevia: “Se alguém disser: ‘Eu amo a Deus’, mas odeia seu irmão, esse tal é um mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus a quem não vê” (1Jo 4,20).

Oração
Ó Jesus Mestre, diante da pergunta provocativa do fariseu, respondes com determinação sobre a centralidade do amor: amar a Deus acima de tudo e amar ao próximo como a si mesmo. Senhor, nossa vida seja reflexo e testemunho destas duas faces do amor: a Deus e ao próximo. Amém.(Dia a dia com o Evangelho 2021 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

FONTE: PAULUS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *