Search
quinta-feira 13 agosto 2020
  • :
  • :

15ª Semana do Tempo Comum – Sexta-feira

Primeira Leitura: Êxodo 11,10-12,14

Leitura do livro do Êxodo – Naqueles dias, Moisés e Aarão realizaram muitos prodígios diante do faraó; mas o Senhor endureceu o coração do faraó, e ele não deixou que os filhos de Israel saíssem da sua terra. O Senhor disse a Moisés e a Aarão no Egito: “Este mês será para vós o começo dos meses; será o primeiro mês do ano. Falai a toda a comunidade dos filhos de Israel, dizendo: No décimo dia deste mês, cada um tome um cordeiro por família, um cordeiro por casa. Se a família não for bastante numerosa para comer um cordeiro, convidará também o vizinho mais próximo, de acordo com o número de pessoas. Deveis calcular o número de comensais conforme o tamanho do cordeiro. O cordeiro será sem defeito, macho, de um ano. Podereis escolher tanto um cordeiro como um cabrito: e devereis guardá-lo preso até o dia catorze deste mês. Então toda a comunidade de Israel reunida o imolará ao cair da tarde. Tomareis um pouco do seu sangue e untareis os marcos e a travessa da porta, nas casas em que o comerdes. Comereis a carne nessa mesma noite, assada ao fogo, com pães ázimos e ervas amargas. Não comereis dele nada cru ou cozido em água, mas assado ao fogo, inteiro, com cabeça, pernas e vísceras. Não deixareis nada para o dia seguinte: o que sobrar, devereis queimá-lo ao fogo. Assim devereis comê-lo: com os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. E comereis às pressas, pois é a Páscoa, isto é, a passagem do Senhor! E naquela noite passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até os animais; e infligirei castigos contra todos os deuses do Egito, eu, o Senhor. O sangue servirá de sinal nas casas onde estiverdes. Ao ver o sangue, passarei adiante, e não vos atingirá a praga exterminadora quando eu ferir a terra do Egito. Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 115(116B)

Elevo o cálice da minha salvação, / invocando o nome santo do Senhor.

  1. Que poderei retribuir ao Senhor Deus / por tudo aquilo que ele fez em meu favor? / Elevo o cálice da minha salvação, / invocando o nome santo do Senhor. – R.
  2. É sentida por demais pelo Senhor / a morte de seus santos, seus amigos. / Eis que sou o vosso servo, ó Senhor, † vosso servo que nasceu de vossa serva; / mas me quebrastes os grilhões da escravidão! – R.
  3. Por isso oferto um sacrifício de louvor, / invocando o nome santo do Senhor. / Vou cumprir minhas promessas ao Senhor / na presença de seu povo reunido. – R.
Evangelho: Mateus 12,1-8

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, Jesus passou no meio de uma plantação num dia de sábado. Seus discípulos tinham fome e começaram a apanhar espigas para comer. Vendo isso, os fariseus disseram-lhe: “Olha, os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!” Jesus respondeu-lhes: “Nunca lestes o que fez Davi quando ele e seus companheiros sentiram fome? Como entrou na casa de Deus e todos comeram os pães da oferenda, que nem a ele nem aos seus companheiros era permitido comer, mas unicamente aos sacerdotes? Ou nunca lestes na lei que, em dia de sábado, no templo, os sacerdotes violam o sábado sem contrair culpa alguma? Ora, eu vos digo, aqui está quem é maior do que o templo. Se tivésseis compreendido o que significa: ‘Quero a misericórdia e não o sacrifício’, não teríeis condenado os inocentes. De fato, o Filho do homem é senhor do sábado”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Na época de Jesus, o sábado era instituição religiosa válida, que o próprio Jesus sempre respeitou e praticou. A mesma atitude ele adotou em relação a outras instituições da religião judaica. Mas às vezes ele as colocava em questão. O que Jesus questionava não era a instituição religiosa em si, mas a escala de valores daqueles que tornavam absoluto o que era relativo e esqueciam o que era mais importante. Jesus argumenta que certas urgências e necessidades do ser humano têm preferência sobre a Lei. O centro é a pessoa. As leis foram criadas para favorecê-la e ajudá-la a viver dignamente. Se não cumpre tal objetivo, de que vale tal lei? O verdadeiro culto agradável a Deus se expressa mediante obras de misericórdia: “Quero misericórdia e não sacrifício”. Dar de comer é obra de misericórdia.




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *