Search
sexta-feira 20 setembro 2019
  • :
  • :

14º Domingo do Tempo Comum

Primeira Leitura: Isaías 66,10-14

Leitura do livro do profeta Isaías – Alegrai-vos com Jerusalém e exultai com ela todos vós que a amais; tomai parte em seu júbilo, todos vós que choráveis por ela, para poderdes sugar e saciar-vos ao seio de sua consolação e aleitar-vos e deliciar-vos aos úberes de sua glória. Isto diz o Senhor: “Eis que farei correr para ela a paz como um rio e a glória das nações como torrente transbordante. Sereis amamentados, carregados ao colo e acariciados sobre os joelhos. Como uma mãe que acaricia o filho, assim eu vos consolarei, e sereis consolados em Jerusalém. Tudo isso haveis de ver e o vosso coração exultará, e o vosso vigor se renovará como a relva do campo. A mão do Senhor se manifestará em favor de seus servos”. – Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial: 65(66)

Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.

  1. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / cantai salmos a seu nome glorioso, / dai a Deus a mais sublime louvação! / Dizei a Deus: “Como são grandes vossas obras! – R.
  2. Toda a terra vos adore com respeito / e proclame o louvor de vosso nome!” / Vinde ver todas as obras do Senhor: / seus prodígios estupendos entre os homens! – R.
  3. O mar ele mudou em terra firme, / e passaram pelo rio a pé enxuto. / Exultemos de alegria no Senhor! / Ele domina para sempre com poder! – R.
  4. Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: / vou contar-vos todo bem que ele me fez! / Bendito seja o Senhor Deus, que me escutou, † não rejeitou minha oração e meu clamor / nem afastou longe de mim o seu amor! – R.
Segunda Leitura: Gálatas 6,14-18

Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas – Irmãos, quanto a mim, que eu me glorie somente da cruz do Senhor nosso, Jesus Cristo. Por ele, o mundo está crucificado para mim, como eu estou crucificado para o mundo. Pois nem a circuncisão nem a incircuncisão têm valor; o que conta é a criação nova. E para todos os que seguirem esta norma, como para o Israel de Deus, paz e misericórdia. Doravante, que ninguém me moleste, pois eu trago em meu corpo as marcas de Jesus. Irmãos, a graça do Senhor nosso, Jesus Cristo, esteja convosco. Amém! – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 10,1-12.17-20 ou 1-9

[A forma breve encontra-se entre colchetes.]

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – [Naquele tempo, o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O reino de Deus está próximo de vós’.]Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei: ‘Até a poeira de vossa cidade, que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o reino de Deus está próximo!’ Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade”. Os setenta e dois voltaram muito contentes, dizendo: “Senhor, até os demônios nos obedeceram por causa do teu nome”. Jesus respondeu: “Eu vi satanás cair do céu como um relâmpago. Eu vos dei o poder de pisar em cima de cobras e escorpiões e sobre toda a força do inimigo. E nada vos poderá fazer mal. Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem. Antes, ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu”. – Palavra da salvação.

 

Reflexão:

Lucas, depois de apresentar a “missão dos doze” no capítulo nove, apresenta-nos a “missão dos setenta e dois” discípulos. O número “setenta e dois” é simbólico: recorda o número das nações elencadas em Gênesis (cap. 10) e lembra a missão universal da comunidade. A Igreja não tem fronteiras e não se limita a um único povo; precisa estar presente em toda parte onde o Reino de Deus ainda não se estabeleceu. O Reino é o objetivo de toda a ação da Igreja. Os discípulos são enviados dois a dois para mostrar que a missão não é iniciativa do indivíduo, mas obra da comunidade. Eles vão à frente do Mestre para preparar-lhe o caminho. O autor apresenta o perfil dos missionários: são pessoas que rezam, pedem ao Senhor da messe que envie operários; devem estar dispostas a enfrentar os desafios da missão, pois há lobos ferozes querendo devorar o projeto de Jesus e seus anunciadores; são pessoas despojadas, que não visam lucro e sabem que o resultado da missão não depende dos bens materiais; são pessoas promotoras da paz, dom messiânico por excelência; não se conformam com os projetos diabólicos, que são obstáculos ao Reino de Deus; sacodem o pó da sociedade injusta. A alegria dos anunciadores não advém do sucesso, mas em saber que contribuíram com o projeto de Jesus.




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *