Search
sábado 7 dezembro 2019
  • :
  • :

13ª Semana do Tempo Comum – Terça-feira

Primeira Leitura: Gênesis 19,15-29

Leitura do livro do Gênesis – Naqueles dias, os anjos insistiram com Ló, dizendo: “Levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas e sai, para não morreres também por causa das iniquidades da cidade”. Como ele hesitasse, os homens tomaram-no pela mão, a ele, à mulher e às duas filhas – pois o Senhor tivera compaixão dele –, fizeram-nos sair e deixaram-nos fora da cidade. Uma vez fora, disseram: “Trata de salvar a tua vida. Não olhes para trás nem te detenhas em parte alguma desta região. Mas foge para a montanha, se não quiseres morrer”. Ló respondeu: “Não, meu Senhor, eu te peço! O teu servo encontrou teu favor e foi grande a tua bondade, salvando-me a vida. Mas receio não poder salvar-me na montanha, antes que a calamidade me atinja e eu morra. Eis aí perto uma cidade onde poderei refugiar-me; é pequena, mas aí salvarei a minha vida”. E ele lhe disse: “Pois bem, concedo-te também este favor: não destruirei a cidade de que falas. Refugia-te lá depressa, pois nada posso fazer enquanto não tiveres entrado na cidade”. Por isso foi dado àquela cidade o nome de Segor. O sol estava nascendo quando Ló entrou em Segor. O Senhor fez então chover do céu enxofre e fogo sobre Sodoma e Gomorra. Destruiu as cidades e toda a região, todos os habitantes das cidades e até a vegetação do solo. Ora, a mulher de Ló olhou para trás e tornou-se uma estátua de sal. Abraão levantou-se bem cedo e foi até o lugar onde antes tinha estado com o Senhor. Olhando para Sodoma e Gomorra e para toda a região, viu levantar-se da terra uma densa fumaça, como a fumaça de uma fornalha. Mas, ao destruir as cidades da região, Deus lembrou-se de Abraão e salvou Ló da catástrofe que arrasou as cidades onde Ló havia morado. -Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 25(26)

Tenho sempre vosso amor ante meus olhos.

  1. Provai-me, ó Senhor, e examinai-me, / sondai meu coração e o meu íntimo! / Pois tenho sempre vosso amor ante meus olhos; / vossa verdade escolhi por meu caminho. – R.
  2. Não junteis a minha alma à dos malvados, / nem minha vida à dos homens sanguinários; / eles têm as suas mãos cheias de crime; / sua direita está repleta de suborno. – R.
  3. Eu, porém, vou caminhando na inocência; / libertai-me, ó Senhor, tende piedade! / Está firme o meu pé na estrada certa; / ao Senhor eu bendirei nas assembleias. – R.
Evangelho: Mateus 8,23-27

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, Jesus entrou na barca e seus discípulos o acompanharam. E eis que houve uma grande tempestade no mar, de modo que a barca estava sendo coberta pelas ondas. Jesus, porém, dormia. Os discípulos aproximaram-se e o acordaram, dizendo: “Senhor, salva-nos, pois estamos perecendo!” Jesus respondeu: “Por que tendes tanto medo, homens fracos na fé?” Então, levantando-se, ameaçou os ventos e o mar, e fez-se uma grande calmaria. Os homens ficaram admirados e diziam: “Quem é este homem, que até os ventos e o mar lhe obedecem?” – Palavra da salvação.

Reflexão:

Há neste episódio um contraste que chama a atenção. Por um lado, a barca (figura da Igreja) é tomada por “violenta tempestade”, a ponto de quase afundar; por outro lado, Jesus dorme. Seria o sono de Jesus fruto de cansaço ou oportunidade para revelar-se aos discípulos como Messias, o Filho de Deus? Uma travessia em águas agitadas serviu para Jesus manifestar seu poder sobre as forças da natureza e revelar sua real identidade. A lição parece clara: precisamos fazer de Jesus nosso companheiro de caminhada (e missão). Cientes de que ele está conosco, não há por que temer os contratempos. Se a ele recorrermos com fé, ele fará reinar uma “grande calmaria” onde antes havia ameaçadora tempestade. Mensagem de esperança para a Igreja de todos os tempos e lugares.




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *