Categorias
Evangelho do dia

19° Domingo do Tempo Comum

(verde, glória, creio – 3ª semana do saltério)

Considerai, Senhor, vossa Aliança e não abandoneis para sempre o vosso povo. Levantai-vos, Senhor, defendei vossa causa e não desprezeis o clamor de quem vos busca (Sl 73,20.19.22s).

Somos felizes porque o Senhor nos escolheu e chamou para viver, na fé, o compromisso com Jesus. A liturgia suscita em nós o espírito de vigilância e serviço, guiando nosso coração para Deus, cujo Reino é o grande tesouro a ser buscado. Conforme o costume da Igreja no Brasil, em agosto celebramos as diferentes vocações dos cristãos e, neste primeiro domingo, destacamos a vocação para o ministério ordenado.

Primeira Leitura: Sabedoria 18,6-9

Leitura do livro da Sabedoria – 6A noite da libertação fora predita a nossos pais para que, sabendo a que juramento tinham dado crédito, se conservassem intrépidos. 7Ela foi esperada por teu povo como salvação para os justos e como perdição para os inimigos. 8Com efeito, aquilo com que puniste nossos adversários serviu também para glorificar-nos, chamando-nos a ti. 9Os piedosos filhos dos bons ofereceram sacrifícios secretamente e, de comum acordo, fizeram este pacto divino: que os santos participariam solidariamente dos mesmos bens e dos mesmos perigos. Isso, enquanto entoavam antecipadamente os cânticos de seus pais. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 32(33)

Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!

1. Ó justos, alegrai-vos no Senhor! / Aos retos fica bem glorificá-lo. / Feliz o povo cujo Deus é o Senhor / e a nação que escolheu por sua herança! – R.

2. Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem / e que confiam, esperando em seu amor, / para da morte libertar as suas vidas / e alimentá-los quando é tempo de penúria. – R.

3. No Senhor nós esperamos confiantes, / porque ele é nosso auxílio e proteção! / Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, / da mesma forma que em vós nós esperamos! – R.

Segunda Leitura: Hebreus 11,1-2.8-19 ou 1-2.8-12

[A forma breve está entre colchetes.]

Leitura da carta aos Hebreus – [Irmãos, 1a fé é um modo de já possuir o que ainda se espera, a convicção acerca de realidades que não se veem. 2Foi a fé que valeu aos antepassados um bom testemunho. 8Foi pela fé que Abraão obedeceu à ordem de partir para uma terra que devia receber como herança e partiu sem saber para onde ia. 9Foi pela fé que ele residiu como estrangeiro na Terra Prometida, morando em tendas com Isaac e Jacó, os coerdeiros da mesma promessa. 10Pois esperava a cidade alicerçada que tem Deus mesmo por arquiteto e construtor. 11Foi pela fé também que Sara, embora estéril e já de idade avançada, se tornou capaz de ter filhos, porque considerou fidedigno o autor da promessa. 12É por isso também que de um só homem, já marcado pela morte, nasceu a multidão “comparável às estrelas do céu e inumerável como a areia das praias do mar”.] 13Todos esses morreram na fé. Não receberam a realização da promessa, mas a puderam ver e saudar de longe e se declararam estrangeiros e migrantes nesta terra. 14Os que falam assim demonstram que estão buscando uma pátria 15e, se se lembrassem daquela que deixaram, até teriam tempo de voltar para lá. 16Mas, agora, eles desejam uma pátria melhor, isto é, a pátria celeste. Por isso, Deus não se envergonha deles ao ser chamado o seu Deus. Pois preparou mesmo uma cidade para eles. 17Foi pela fé que Abraão, posto à prova, ofereceu Isaac; ele, o depositário da promessa, sacrificava o seu filho único, 18do qual havia sido dito: “É em Isaac que uma descendência levará o teu nome”. 19Ele estava convencido de que Deus tem poder até de ressuscitar os mortos e assim recuperou o filho – o que é também um símbolo. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 12,32-48 ou 35-40

[A forma breve está entre colchetes.]

Aleluia, aleluia, aleluia.

É preciso vigiar e ficar de prontidão; / em que dia o Senhor há de vir, não sabeis, não! (Mt 24,42.44) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – [Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:] 32“Não tenhais medo, pequenino rebanho, pois foi do agrado do Pai dar a vós o Reino. 33Vendei vossos bens e dai esmola. Fazei bolsas que não se estraguem, um tesouro no céu que não se acabe; ali o ladrão não chega nem a traça corrói. 34Porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. [35Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. 36Sede como homens que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento para lhe abrirem imediatamente a porta, logo que ele chegar e bater. 37Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade eu vos digo, ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa e, passando, os servirá. 38E, caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão se assim os encontrar! 39Mas ficai certos, se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. 40Vós também, ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”.] 41Então Pedro disse: “Senhor, tu contas essa parábola para nós ou para todos?” 42E o Senhor respondeu: “Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa para dar comida a todos na hora certa? 43Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! 44Em verdade eu vos digo, o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens. 45Porém, se aquele empregado pensar: ‘Meu patrão está demorando’ e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, 46o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis. 47Aquele empregado que, conhecendo a vontade do senhor, nada preparou nem agiu conforme a sua vontade será chicoteado muitas vezes. 48Porém o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!” – Palavra da salvação.

Reflexão:

O Evangelho deste domingo inicia retomando o ensinamento sobre a atitude dos cristãos diante dos bens temporais. A comunidade de Jesus, “pequeno rebanho”, se amedronta diante dos desafios, mas o Mestre a tranquiliza e lhe oferece o Reino, que será construído a partir dos pequenos, que se dispõem a acolhê-lo. A partir daí surge a nova sociedade, fundamentada na partilha e na justiça. Para Lucas, dar esmola é mais que oferecer algumas moedinhas aos pedintes, é partilhar o que somos e temos, é ser misericordioso. O Mestre nos incentiva a investir nos valores que o ladrão não rouba nem a traça destrói. A seguir, por meio de pequenas parábolas, o evangelista apresenta o tema da vigilância ativa na espera do Senhor, que pode chegar a qualquer hora. Infelizmente, vigiar assumiu conotações negativas, isto é, parece levar à acomodação, à espera passiva, e denota uma imagem negativa de Deus que pune e castiga, levando o fiel a agir por medo. Estar com os “rins cingidos e as lâmpadas acesas” é estar preparado para as surpresas da vida e sair de si mesmo e mover-se em direção ao outro. O Senhor sempre nos visita por meio de acontecimentos ou de pessoas, daí a necessidade de ficar com os olhos bem abertos e os ouvidos atentos.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São Caetano, presbítero

Contemporâneo de Lutero, Caetano de Thiene (nascido em 1480, três anos antes do reformador alemão) era um dos que imploravam reforma de vida e de costumes dentro da Igreja: “Cristo espera e ninguém se mexe”, repetia. Nasceu em Vicência, da nobre família dos Thiene, foi secretário particular do papa Júlio II e pro-tonotário apostólico. Na qualidade de escritor das cartas apostólicas, teve a oportunidade de conhecer de perto cardeais e prelados famosos. Mas a sua resposta foi humilde adesão ao convite evangélico de expulsar de si todo obstáculo para ver bem, antes de reprovar o mal alheio.

Celebrou a primeira missa aos trinta e seis anos e foi com muito orgulho que subiu ao altar. Fez sua primeira experiência pastoral na paróquia de Santa Maria de Malo, perto de Vicência; em seguida se dedicou aos santuários esparramados no monte Soratte. Chegou novamente a Roma, em companhia do bispo João Pedro Carafa, de Bonifácio Colli e de Paulo Consiglieri. Não pregou a reforma: preferiu realizá-la. Criou a Ordem dos Teatinos Regulares, isto é, a congregação dos teatinos, que tinha como meta principal a renovação do clero. Era o ano de 1524. No mesmo ano o papa Clemente VII aprovava a congregação: Caetano renunciava a todos os seus bens e Carafa aos dois bispados de Brindes e de Chieti para dedicar-se totalmente à vida comum.

A ideia da fundação era de Caetano de Thiene, mas humilde como era, pôs-se de lado. Carafa foi o primeiro superior geral. Os seguidores do santo não se pode dizer que fossem numerosos: no início a congregação contava com quatro membros; doze, quatro anos depois. Mas era como um punhado de fermento destinado a levedar a massa. Oito anos após a morte de Caetano, ocorrida em Nápoles em 1547, o teatino Carafa era eleito papa, com o nome de Paulo IV, verdadeiro reformador. Caetano, inserido no catálogo de ouro dos santos em 1671, ao contrário de Lutero, operou a sua reforma de baixo para cima: dedicou-se ao apostolado entre os pobres e deserdados; abriu asilos para os velhos e fundou hospitais. Aos venezianos que o queriam em sua cidade, respondeu: “Deus está em Nápoles como em Veneza”. Ficou em Nápoles, onde havia mais trabalho. Aí morreu, por causa da canseira, na idade de sessenta e sete anos.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sábado da 18ª semana do Tempo Comum

TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR

(branco, glória, prefácio próprio – ofício da festa)

O Espírito Santo apareceu na nuvem luminosa, e a voz do Pai se fez ouvir: Este é o meu Filho amado, nele depositei todo o meu amor. Escutai-o (Mt 17,5).

A festa recorda o episódio da transfiguração de Jesus no monte Tabor, narrado pelos evangelistas Mateus, Marcos e Lucas. Diante dos apóstolos Pedro, Tiago e João, o Senhor fez resplandecer sua glória futura e “nossa glória de filhos adotivos”. Celebremos dispostos a seguir o Filho amado do Pai celeste e a ele obedecer.

Primeira Leitura: Daniel 7,9-10.13-14

Leitura da profecia de Daniel – 9Eu continuava olhando até que foram colocados uns tronos, e um ancião de muitos dias aí tomou lugar. Sua veste era branca como neve, e os cabelos da cabeça, como lã pura; seu trono eram chamas de fogo, e as rodas do trono, como fogo em brasa. 10Derramava-se aí um rio de fogo que nascia diante dele; serviam-no milhares de milhares, e milhões de milhões assistiam-no ao trono; foi instalado o tribunal, e os livros foram abertos. 13Continuei insistindo na visão noturna, e eis que, entre as nuvens do céu, vinha um como filho de homem, aproximando-se do ancião de muitos dias, e foi conduzido à sua presença. 14Foram-lhe dados poder, glória e realeza, e todos os povos, nações e línguas o serviam: seu poder é um poder eterno que não lhe será tirado, e seu reino, um reino que não se dissolverá. – Palavra do Senhor.

Leitura opcional: 2 Pedro 1,16-19.

Salmo Responsorial: 96(97)

Deus é rei, é o Altíssimo, / muito acima do universo.

1. Deus é rei! Exulte a terra de alegria, / e as ilhas numerosas rejubilem! / Treva e nuvem o rodeiam no seu trono, / que se apoia na justiça e no direito. – R.

2. As montanhas se derretem como cera / ante a face do Senhor de toda a terra; / e assim proclama o céu sua justiça, / todos os povos podem ver a sua glória. – R.

3. Porque vós sois o Altíssimo, Senhor, † muito acima do universo que criastes, / e de muito superais todos os deuses. – R.

Evangelho: Lucas 9,28-36

Aleluia, aleluia, aleluia.

Eis meu Filho muito amado, nele está meu benquerer, / escutai-o, todos vós! (Mt 17,5) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 28Jesus levou consigo Pedro, João e Tiago e subiu à montanha para rezar. 29Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante. 30Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. 31Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte que Jesus iria sofrer em Jerusalém. 32Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele. 33E, quando estes homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que estava dizendo. 34Ele estava ainda falando quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem. 35Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o escolhido. Escutai o que ele diz!” 36Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Com Pedro, Tiago e João, Jesus subiu a um alto monte a fim de rezar. Enquanto rezava, transfigurou-se diante deles. Apareceram, gloriosos, Moisés e Elias conversando com Jesus a respeito de sua morte e ressurreição. Da nuvem, sinal da presença de Deus, saiu uma voz: “Este é o meu Filho escolhido. Ouçam-no” (v. 35). Repete-se a cena do batismo de Jesus quando, do céu, o próprio Pai indicara Jesus como Filho (cf. Lc 3,22). O episódio deu origem a uma festa litúrgica no Oriente, no século V, e no Ocidente, no século X. O papa Calixto III, em 1457, estendeu-a para toda a Igreja. “Jesus manifestou sua glória e fez resplandecer seu corpo… para que os discípulos não se escandalizassem da cruz. Como Cabeça da Igreja, manifestou o esplendor que também refulgiria em todos os cristãos” (Prefácio da festa).(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Transfiguração do Senhor

A liturgia romana lia um trecho do evangelho que se refere ao episódio da transfiguração no sábado das Quatro Têmporas de Quaresma, pondo assim em relação este mistério com a paixão. O próprio evangelista Mateus inicia a narração com as palavras: “Seis dias depois (isto é, após a confissão de Pedro e a primeira predição da paixão), Jesus tomou Pedro, Tiago e seu irmão João, e os levou para um lugar à parte, em alto monte. E ali foi transfigurado diante deles. O seu rosto resplandeceu como o sol e as suas vestes tornaram-se alvas como a luz”. Existe neste episódio clara oposição à agonia do horto de Getsêmani. É evidente a intenção de Jesus de oferecer aos três apóstolos antídoto que os fortalecesse na convicção da sua divindade durante o terrível teste da paixão.

O alto monte, que o Evangelho não diz qual seja, é quase certo que se trata do Tabor, localizado no coração da Galileia e domina a planície circunstante. A data deve ser colocada entre o Pentecostes hebraico e a festa das Cabanas, no segundo ano de vida pública, no ano 29, no período dedicado por Jesus de modo particular à formação dos apóstolos. Aquela montanha isolada era de fato muito propícia às grandes meditações, no silêncio solene das coisas e no ar rarefeito que mitigava o calor de verão.

Com esta visão sobrenatural Jesus dava confirmação à confissão de Pedro: “Tu és o Cristo, Filho de Deus vivo”. Aquele instante de glória sobre-humana era o penhor da glória da ressurreição: “O Filho do homem virá na glória do seu Pai”. O próprio tema do colóquio com Moisés e Elias era a confirmação do anúncio da paixão e da morte do Messias. A transfiguração, que faz parte do mistério da salvação, é bastante merecedora de celebração litúrgica, que a Igreja, tanto do Ocidente como do Oriente, celebrou de vários modos e em diferentes datas, até que o papa Calisto III elevou de grau a festa, estendendo-a à Igreja universal.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Sexta-feira da 18ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Meu Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

Deus é contrário à violência e à opressão; ele é a grande esperança de libertação para os oprimidos. Renovemos nossa aliança de amor com o Senhor, renunciando a tudo o que lhe desagrada e dispondo-nos a viver em paz com todos.

Primeira Leitura: Naum 2,1.3; 3,1-3.6-7

Leitura da profecia de Naum – 1″Eis sobre os montes os passos de um mensageiro, que anuncia a paz. Ó Judá, celebra tuas festas, cumpre tuas promessas: nunca mais Belial pisará teu solo; ele foi aniquilado. 3O Senhor há de restaurar a grandeza de Jacó, assim como a grandeza de Israel, pois os ladrões os saquearam e devastaram suas videiras. 3,1Ai de ti, cidade sanguinária, cheia de imposturas, cheia de espoliação e de incessante rapinagem. 2Estalo de chicotes, fragor de rodas, cavalos relinchando, ringir de carros impetuosos, cavaleiros à carga, 3espadas brilhando e lanças reluzentes, trucidados sem conta, mortos aos montes; cadáveres sem fim, tropeça-se sobre os corpos. 6Farei cair sobre ti tuas abominações e te lançarei em rosto merecidos insultos; de ti farei um exemplo. 7Assim, todos os que te virem fugirão para longe, dizendo: ‘Nínive está em ruínas! Quem terá compaixão dela? Onde achar quem a console?’” – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: Dt 32

Sou eu que tiro a vida, sou eu quem faz viver!

1. Já vem o dia em que serão arruinados / e o seu destino se apressa em chegar. / Porque o Senhor fará justiça ao seu povo / e salvará todos aqueles que o servem. – R.

2. Saibam todos que eu sou, somente eu, / e não existe outro Deus além de mim: / quem mata e faz viver sou eu somente, / sou eu que firo e eu que torno a curar. – R.

3. Se eu afiar a minha espada reluzente / e com as minhas próprias mãos fizer justiça, / dos adversários todos hei de me vingar / e vou retribuir aos que odeiam. – R.

Evangelho: Mateus 16,24-28

Aleluia, aleluia, aleluia.

Felizes os que são perseguidos por causa da justiça do Senhor, / porque o Reino dos céus há de ser deles! (Mt 5,10). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 24Jesus disse aos discípulos: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. 25Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim vai encontrá-la. 26De fato, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, mas perder a sua vida? O que poderá alguém dar em troca de sua vida? 27Porque o Filho do Homem virá na glória do seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um de acordo com a sua conduta. 28Em verdade vos digo, alguns daqueles que estão aqui não morrerão antes de verem o Filho do Homem vindo com o seu Reino”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

O seguimento de Jesus requer renúncias e escolhas. Diferente de muitas propostas de felicidade que podemos receber, a proposta de Jesus não é de vida fácil, mas implica desafios e dificuldades. Segui-lo é mudar de rota: deixar uma vida centrada em si mesmo e fixar os olhos nele, doando-se em vista do Reino de Deus. Nisso consiste o verdadeiro sentido da vida. Renuncia-se ao supérfluo e a inúmeras ofertas de felicidade para abraçar o profundo, que é o próprio Jesus. Ele não é uma ideia, tampouco um partido. Ele é uma Pessoa, plena de ternura e misericórdia. Nele, com ele e por ele, a vida se torna plena, desde agora, para se tornar mais plena ainda na eternidade.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Consagração da Basílica de Santa Maria Maior

Monumentos de devoção mariana, em Roma, são as estupendas igrejas, construídas em grande parte no mesmo lugar onde existiam templos pagãos. Bastam poucos nomes, entre os cem títulos dedicados à Virgem, para obter as dimensões desta mística homenagem à Mãe de Deus: Santa Maria Antiga, construída no Foro romano; Santa Maria de Araceli, no cimo mais alto do Capitólio, de onde a Sibila teria, segundo lenda medieval, revelado a Augusto a iminente vinda do Filho de Deus (“Eis o altar do primogênito de Deus”); Santa Maria dos Mártires, no Panteão; Santa Maria dos Anjos, nas Termas de Diocleciano; Santa Maria no Minerva, construída sobre os alicerces do templo de Minerva Calcídica; e, a maior de todas, como o próprio nome o diz, Santa Maria Maior, a quarta basílica patriarcal de Roma, chamada inicialmente Liberiana, porque era identificada com o antigo templo pagão, no alto do Esquilino, onde o papa Libério (352-366) adaptou a basílica cristã.

Narra uma lenda tardia que Nossa Senhora, aparecendo na mesma noite de 5 de agosto de 352 ao papa Libério e a um patrício romano, teria convidado ambos a construírem uma igreja onde de manhã encontrassem neve. Na manhã do dia 6 de agosto uma prodigiosa nevada, cobrindo a área exata do edifício, teria confirmado a visão, convencendo o papa e o rico patrício a porem mãos à obra na construção do primeiro grande santuário mariano, que recebeu o nome de Santa Maria da Neve. Pouco menos de um século depois, o papa Sisto III, para recordar a celebração do concílio de Éfeso (431) no qual era proclamada a maternidade divina de Maria, reconstruiu a igreja nas dimensões atuais.

Desta obra permanecem as naves com as colunas e os trinta e seis mosaicos que enfeitam a nave superior. À forma atual da basílica contribuíram vários pontífices, desde Sisto III que pôde oferecer ao povo de Deus o maior monumento ao culto da bem-aventurada Virgem (à qual prestamos culto de hiperdulia, isto é, de veneração maior do que o prestado aos outros santos), até os papas de nossa época. A basílica foi também denominada Santa Maria do Presépio, já antes do século VI, quando aí foram levadas as tábuas de antiga manjedoura, que a devoção popular identificou com a que acolheu o Menino Jesus na gruta de Belém. A celebração litúrgica da dedicação da basílica entrou no calendário romano somente no ano 1568.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quinta-feira da 18ª semana do Tempo Comum

SÃO JOÃO MARIA VIANNEY

PRESBÍTERO E CONFESSOR

(branco, pref. comum, ou dos pastores, – ofício da memória)

Eu vos darei pastores segundo o meu coração, que vos conduzam com inteligência e sabedoria (Jr 3,15).

João Maria nasceu na França em 1786 e lá faleceu em 1859. Ordenado sacerdote, foi enviado à aldeia de Ars, onde dava testemunho de vida austera e de profunda comunhão com Deus. Não só atraía para a Igreja e para Deus seus conterrâneos, mas também acolhia pessoas de todas as condições sociais, que chegavam de longe para ouvir suas orientações e dele receber o perdão sacramental. É o patrono dos párocos e, por extensão, de todos os padres. A seu exemplo, percorramos o caminho da humildade e do ardoroso zelo pastoral.

Primeira Leitura: Jeremias 31,31-34

Leitura do livro do profeta Jeremias – 31“Eis que virão dias, diz o Senhor, em que concluirei com a casa de Israel e a casa de Judá uma nova aliança; 32não como a aliança que fiz com seus pais, quando os tomei pela mão para retirá-los da terra do Egito, e que eles violaram, mas eu fiz valer a força sobre eles, diz o Senhor. 33Esta será a aliança que concluirei com a casa de Israel depois desses dias, diz o Senhor: imprimirei minha lei em suas entranhas e hei de inscrevê-la em seu coração; serei seu Deus e eles serão meu povo. 34Não será mais necessário ensinar seu próximo ou seu irmão, dizendo: ‘Conhece o Senhor!’; todos me reconhecerão, do menor ao maior deles, diz o Senhor, pois perdoarei sua maldade e não mais lembrarei o seu pecado”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 50(51)

Ó Senhor, criai em mim um coração que seja puro!

1. Criai em mim um coração que seja puro, / dai-me de novo um espírito decidido. / Ó Senhor, não me afasteis de vossa face / nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! – R.

2. Dai-me de novo a alegria de ser salvo / e confirmai-me com espírito generoso! / Ensinarei vosso caminho aos pecadores, / e para vós se voltarão os transviados. – R.

3. Pois não são de vosso agrado os sacrifícios, / e, se oferto um holocausto, o rejeitais. / Meu sacrifício é minha alma penitente, / não desprezeis um coração arrependido! – R.

Evangelho: Mateus 16,13-23

Aleluia, aleluia, aleluia.

Tu és Pedro, e sobre esta pedra / eu irei construir minha Igreja. / E as portas do inferno não irão derrotá-la! (Mt 16,18) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” 14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros, que é Elias; outros, ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”. 20Jesus, então, ordenou aos discípulos que não dissessem a ninguém que ele era o Messias. 21Jesus começou a mostrar aos seus discípulos que devia ir a Jerusalém e sofrer muito da parte dos anciãos, dos sumos sacerdotes e dos mestres da Lei e que devia ser morto e ressuscitar no terceiro dia. 22Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo, dizendo: “Deus não permita tal coisa, Senhor! Que isso nunca te aconteça!” 23Jesus, porém, voltou-se para Pedro e disse: “Vai para longe, satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas sim as coisas dos homens!” – Palavra da salvação.

Reflexão:

“Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Ao fazer essa afirmação, Pedro representa a comunidade de fé. Essa comunidade é autorizada a “ligar ou desligar”. Isto é, seu papel é gerar a comunhão na comunidade. Jamais a divisão. A ação de ligar e desligar tem que ver com a abertura e aceitação radical ao projeto de Jesus. Pedro responde bem ao Mestre, com palavras acertadas. No entanto, quando se fala das consequências de assumir na própria carne os desafios da missão, hesita. Sua hesitação é fruto de uma mentalidade triunfalista quanto ao Messias. Não basta apenas falar de Cristo com os lábios, mas em toda a concretude da vida.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

São João Maria Vianney, presbítero

Conhecido e amado como o cura D’Ars, povoado francês, ao norte de Lião, onde exerceu o seu ministério sacerdotal, João Maria Vianney (1786-1859) é daqueles homens aos quais se aplicam as palavras de são Paulo: “Deus escolheu os mais insignificantes para confundir os grandes”. Este camponês de mente rude, nascido em Dardilly, passara pela tempestade revolucionária e pela exaltada epopeia napoleônica sem sequer perceber. Ou melhor, teve de se esconder por certo período, por haver desertado do exército napoleônico em marcha para a Espanha sem entender a gravidade de seu comportamento, somente porque não conseguia acertar o passo com o seu batalhão.

No seminário ainda lhe foi mais difícil acompanhar os seus colegas de estudos pela confusão mental que fazia diante de simples página de filosofia ou de teologia, pelo que os seus mestres, desanimados, deixaram até de interrogá-lo. É lástima, disse um deles ao Vigário geral, porque é modelo de piedade. “Modelo de piedade? — exclamou este. — Então eu o promovo e a graça de Deus fará o resto”. Em 1815 deram-lhe as ordens sagradas, mas sem a autorização para confessar, pois julgavam-no incapaz de guiar as consciências. Quem poderia imaginar que João Vianney se tornaria um dos mais famosos confessores que a história da Igreja conhece?

Após um ano de aprendizado em Ecully, sob a direção do abade Balley, a quem atribui-se o mérito de haver percebido naquele bobo “iluminado” os ocultos carismas da santidade, João Maria Vianney foi para Ars como vigário capelão, e depois passou a ser vigário ou cura. Ars, no planalto de Dombes, tinha apenas duzentos e trinta ha-bitantes, que viviam em casas com tetos de palha. Os únicos centros de divertimentos eram quatro hospedarias com bastante movimentação, contra as quais o jovem cura começou a trovejar do seu púl-pito. Tanta severidade poderia afastar aquela gente. Ao contrário, dez anos depois, Ars estava completamente transformada. Tavernas desertas e a igreja povoada. Pois a severidade do vigário jamais estava separada de incomensurável bondade e generosidade. Possuía somente a desbotada batina que tinha no corpo. Mas era capaz de privar-se de sapatos e meias na estrada se encontrasse um pobre infeliz, com quem trocava até as calças se as do mendigo estivessem piores que as suas. Morreu aos setenta e três anos, a 4 de agosto de 1859. Antes mesmo que Pio XI o inscrevesse no catálogo dos santos em 1925, Ars já se havia transformada em meta de peregrinações.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Santo do dia

Santa Lídia

Lídia, primícia do cristianismo da Europa, natural de Tiatira, cidade da Ásia, era pagã, mas “temente a Deus”, isto é, prosélita da religião hebraica em Filipos na Macedônia, aonde o apóstolo Paulo, em companhia de Silas, Timóteo e Lucas, chegou na segunda viagem missionária, entre os anos 50 e 53. Os missionários de Cristo, após terem pisado o solo europeu, aguardaram o sábado para encontrar os correligionários judeus em um lugar, na margem do rio, onde presumiam que eles pudessem se reunir (na falta de sinagoga) para a oração em comum e a leitura de alguma página da Escritura. “No sábado — narra Lucas nos Atos dos Apóstolos — saímos porta afora, às margens do rio, onde supúnhamos que se fizesse oração. Sentados, dirigimos a palavra às mulheres que se haviam reunido. Uma delas, chamada Lídia, negociante de púrpura, da cidade de Tiatira, adoradora de Deus nos escutava. O Senhor lhe abriu o coração, de sorte que ela aderiu às palavras de Paulo”.

Supõe-se que Lídia fosse abastada e tivesse muita autoridade na família, uma vez que o tecido com que trabalhava era precioso e seu testemunho foi suficiente para que seus familiares pedissem o batismo, aceitando os missionários em casa como hóspedes bem-vindos. Os missionários de Cristo conseguiram assim sua primeira conquista em terra europeia: uma mulher, Lídia, protótipo e símbolo de todas as mulheres que trariam entre as paredes de seu lar a chama da fé em Cristo. A rica comerciante, dócil à graça, antepusera os interesses do espírito aos econômicos, abandonando o comércio para recolher-se com outras mulheres na proseuca (lugar de oração), junto às margens do rio Gangas.

Lídia, pela alegria trazida à sua alma pelas palavras do Apóstolo e pela graça batismal, pediu com doce insistência, ou melhor, obrigou os missionários a aceitarem a sua hospitalidade. Dessa maneira a casa de Lídia tornou-se o primeiro centro comunitário, a primeira igreja na Europa. Para a Igreja de Filipos, talvez também por mérito de Lídia, são Paulo teve palavras de comovente ternura, chamando estes irmãos em Cristo de “caríssimos e desejadíssimos, alegria e coroa”. Embora nos falte informação a respeito do culto de santa Lídia, os sinais da sua santidade são evidentes na sua pronta resposta à graça.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.

FONTE: PAULUS

Categorias
Evangelho do dia

Quarta-feira da 18ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia)

Meu Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

O Senhor anuncia a seu povo um tempo de reconstrução, de paz e alegria. Para quem crê em Deus não há lugar para desespero. Ele está conosco e cuida de nós “qual pastor a seu rebanho”.

Primeira Leitura: Jeremias 31,1-7

Leitura do livro do profeta Jeremias – 1“Naquele tempo, diz o Senhor, serei Deus para todas as tribos de Israel, e elas serão meu povo”. 2Isto diz o Senhor: “Encontrou perdão no deserto o povo que escapara à espada; Israel encaminha-se para o seu descanso”. 3O Senhor apareceu-me de longe: “Amei-te com amor eterno e te atraí com a misericórdia. 4De novo te edificarei, serás reedificada, ó jovem nação de Israel; de novo teus tambores ornarão as praças e sairás entre grupos de dançantes. 5Hás de plantar vinhas nos montes de Samaria; os cultivadores hão de plantar e também colher. 6Virá o dia em que gritarão os guardas no monte Efraim: ‘Levantai-vos, vamos a Sião, vamos ao Senhor, nosso Deus’. 7Isto diz o Senhor: Exultai de alegria por Jacó, aclamai a primeira das nações; tocai, cantai e dizei: ‘Salva, Senhor, teu povo, o resto de Israel’”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: Jr 31

O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

1. Ouvi, nações, a palavra do Senhor / e anunciai-a nas ilhas mais distantes: / “Quem dispersou Israel vai congregá-lo / e o guardará qual pastor a seu rebanho!” – R.

2. Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó / e o libertou do poder do prepotente. / Voltarão para o monte de Sião, † entre brados e cantos de alegria / afluirão para as bênçãos do Senhor. – R.

3. Então a virgem dançará alegremente, / também o jovem e o velho exultarão; / mudarei em alegria o seu luto, / serei consolo e conforto após a guerra. – R.

Evangelho: Mateus 15,21-28

Aleluia, aleluia, aleluia.

Um grande profeta surgiu entre nós / e Deus visitou o seu povo, aleluia (Lc 7,16). – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 21Jesus retirou-se para a região de Tiro e Sidônia. 22Eis que uma mulher cananeia, vindo daquela região, pôs-se a gritar: “Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim: minha filha está cruelmente atormentada por um demônio!” 23Mas Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Então, seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram: “Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós”. 24Jesus respondeu: “Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel”. 25Mas a mulher, aproximando-se, prostrou-se diante de Jesus e começou a implorar: “Senhor, socorre-me!” 26Jesus lhe disse: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos”. 27A mulher insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!” 28Diante disso, Jesus lhe disse: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!” E, desde aquele momento, sua filha ficou curada. – Palavra da salvação.

Reflexão:

A fé não tem limites de nacionalidade, etnia, cor e classe social. A fé ultrapassa fronteiras. O testemunho da mulher cananeia é a expressão profunda do coração humano que tem sede da plenitude. Jesus é a plenitude, e ela o reconhece como “Senhor”. A humildade e a persistência da pagã revelam que ninguém deve ser impedido de possuir uma vida digna. O caminho para a fraternidade entre as pessoas é a humildade e a abertura ao diálogo. Agindo assim, não nos limitamos nas portas da prepotência, mas somos saciados pelo banquete da vida em plenitude.(Dia a dia com o Evangelho 2022)

FONTE: PAULUS