Search
quinta-feira 20 julho 2017
  • :
  • :

Na ONU, Santa Sé defende respeito pela dignidade dos idosos

Deve-se promover o respeito pela dignidade dos idosos, que são uma fonte de riqueza para a sociedade. Essa é uma das prioridades indicadas pelo representante da Santa Sé na ONU, Dom Bernadito Auza, que participa, em Nova Iorque, de um grupo de trabalho centralizado na questão do envelhecimento da população mundial.

Falando sobre a contribuição das pessoas idosas ao desenvolvimento social, Dom Auza destacou que a atenção para essas pessoas é sempre mais crítica, porque o número de idosos cresce rapidamente. Ele mencionou como prioridades urgentes responder às exigências dos idosos e desenvolver medidas concretas para assegurar que seus direitos sejam protegidos.

Dom Auza recordou ainda uma declaração do Papa Francisco sobre o assunto em 4 de março de 2015, na audiência geral, a tradicional catequese. “Graças aos progressos da medicina a vida se alongou: mas a sociedade não se ‘alargou’ à vida! O número dos idosos multiplicou, mas as nossas sociedades não se organizaram o suficiente para dar lugar a eles, com justo respeito e concreta consideração por sua fragilidade e dignidade”, disse o Pontífice na ocasião.

Vulnerabilidade

O representante da Santa Sé na ONU destacou que os idosos são mais vulneráveis em vários aspectos, entre os quais aqueles ligados à pobreza, ao isolamento e à saúde. Também catástrofes naturais, conflitos armados e crises financeiras trazem efeitos mais críticos, porque o acesso aos serviços de emergência, para as pessoas idosas, encontra maiores limitações devido, por exemplo, a uma reduzida mobilidade e à idade.

Os idosos também são, muitas vezes, excluídos da participação ativa na sociedade. Segundo Dom Auza, políticas e comportamentos podem colocar à margem pessoas que uma vez estiveram no centro das comunidades. Na verdade, como diz o Papa Francisco – ressalta o núncio – os idosos são “a reserva de sabedoria do nosso povo”.

Na conclusão de sua intervenção, Dom Auza enfatizou que é imprescindível trabalhar para promover políticas e práticas que reforcem o envolvimento das pessoas idosas na política e nos processos de decisão. Com relação aos idosos afetados por doenças, deficiências cognitivas e aqueles que vivem em situação de isolamento, o bispo explicou que essas pessoas estão em fase de necessidade, sendo necessário demonstrar a elas amor e respeito.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano em italiano




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *