Search
quarta-feira 19 setembro 2018
  • :
  • :

Economista dá dicas para organizar as finanças no fim de ano

Final de ano chegando, e com ele as festas, presentes, convivências e também muitos planejamentos. O comércio nos grandes centros movimenta a economia, e o trabalhador aguarda ansioso pelo décimo terceiro salário, cuja segunda parcela deve ser pago até o dia 20 de dezembro.

Em tempos de retomada, é preciso fazer uma leitura do que aconteceu com a economia do país nos últimos meses. O economista Humberto Felipe da Silva lembra que a mudança na direção do país ano passado trouxe uma grande esperança para a economia brasileira, mas como denúncias continuaram a envolver membros do governo, isso trouxe insegurança para o mercado e abalou a esperada e rápida retomada do crescimento.

Assim, mesmo que os dados econômicos tenham apresentado algumas melhoras, ou no mínimo, não tenham apresentado pioras, isso não foi capaz de se traduzir em melhorias significativas na expectativa dos agentes econômicos (consumidores, empresários, mercado financeiro, etc.). “Os índices de inflação e as taxas de juros têm apresentado tendências de queda, enquanto a atividade econômica tem apresentado melhora em seus resultados”, diz o especialista.

Por atividade econômica compreende-se tudo o que concorre para produzir, distribuir e consumir bens e serviços. “O Consumo Aparente (CA) de bens industriais cresceu 8,1% no mês de outubro quando comparado com o mesmo mês de 2016. A inflação encontra-se em níveis bem abaixo do que era esperado, a estimativa é de algo em torno a 3,8% para esse ano. Se compararmos com 2016, que foi de 6,29, é uma ótima notícia. Por outro lado, a taxa Selic está hoje em 7% com viés de baixa. A expectativa é que essa taxa fique em 6,5% todo o ano de 2018. Em dezembro de 2016 ela estava em 13,65%, um valor altíssimo”, explica o economista.

Porém, todos esses indicadores ainda não foram suficientes para entusiasmar o mercado. Segundo Humberto, as empresas estão com medo de produzir mais e os consumidores com medo de gastar.

“Outro fator que ainda preocupa é a taxa de endividamento da família brasileira, ainda muito alta, do mesmo modo o desemprego. É bom lembrar que 61 milhões de brasileiros estão com as suas contas em atraso”. 

Vendas de Natal

A Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) avalia que este Natal será melhor que o do ano passado, prevendo um crescimento das vendas em torno de 7%.

“Inflação e juros em baixa devem representar preços mais baixos nas gôndolas. A expectativa é que a dona de casa e o consumidor em geral não encontre, como nos anos passados, preços aterrorizantes. Isso permitirá ser um pouco menos ‘pão duro’ na hora de comprar os presentinhos e lembranças.”, diz o economista.

Décimo terceiro salário

Do jeito que anda a economia, o 13º, que já representou para a maioria das pessoas uma folga para a compra de presentes de Natal, ainda tem que funcionar com esparadrapo para a queda econômica que a família brasileira sofre.

Para Humberto, é hora de colocar primeiro as finanças em dia e pagar o que se deve. “O ideal é programar o pagamento das contas em atraso. Depois verificar as despesas de janeiro, os IPs do primeiro mês do ano, IPTU, IPVA, matrícula na escola, material escolar, etc. Somente depois de fazer a provisão para essas contas é que se apura o saldo para as compras de Natal”.

A professora Maria Izabel Gomes tem feito dessa forma. “Uso o dinheiro do décimo terceiro para pagar as contas, em primeiro lugar, como água, luz, telefone e imposto. Depois o que sobra vai para os remédios da minha mãe, que tem câncer. Por fim, uso para a alimentação. Acaba sendo um complemento do meu salário, um mês em que fico mais tranquila”. 

Já Bianca Oliveira é farmacêutica e consegue poupar nesta hora. “Não mexo em nenhum centavo do meu décimo terceiro. Não faço planos com ele. Finjo que ele não existe e guardo tudo”. 

“É preciso tomar muito cuidado pois quando se olha o saldo bancário na véspera do Natal dá aquela sensação de que ficamos ricos. Depois de tantos meses coloridos, Setembro Amarelo, Outubro Rosa, Novembro Azul é preciso evitar o Janeiro Vermelho. Para muitos é vermelho sangrento. Quem souber gastar bem seu dinheiro será recompensado no ano seguinte”, pondera o economista.

Por Canção Nova




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *