Search
terça-feira 18 dezembro 2018
  • :
  • :

Diocese de Lorena prepara atividades para Dia Nacional da Juventude

A Diocese de Lorena (SP) se prepara para neste domingo, 25, dedicar-se à participação do jovem na Igreja, num evento focado no Dia Nacional da Juventude (DNJ) — cuja edição deste ano girou em torno do tema “Juventude construindo uma cultura de paz” e o lema “Disse estas coisas para que em mim vocês tenham paz, neste mundo vocês terão aflições, contudo tenham coragem, Eu venci o mundo” (Jo 16,33), propostos pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

As atividades programadas serão realizadas no Oratório São Luiz, uma casa salesiana. “Neste espaço teremos um momento de comunhão e partilha”, explica Ailton Evangelista, assessor da Juventude na diocese de Lorena.

Está programada uma missa e uma série de workshops em que serão organizados debates e escuta dos jovens. “Estamos caminhando na esteira da Igreja no que diz respeito a escutar a juventude a partir da proposta do Sínodo, que este ano foi realizado em Roma. Na própria inscrição, perguntamos aos jovens o que eles queriam discutir”, detalha Evangelista.

Entre os temas elencados para esta conversa estão Sentido da Vida, Doutrina e Religião, Questões de fé e Afetividade e Sexualidade. “Nossos jovens poderão participar destes debates, divididos em salas em que serão trabalhados esses temas específicos, sempre se levando em conta a pluralidade e a diversidade de cada grupo de jovens”, afirma o assessor.

À tarde, serão abertas as Tendas de Convivência, “em que teremos desde feiras vocacionais até grupos que falarão sobre a juventude carismática, a juventude que trabalha com a teoria do corpo e outros que discutirão a devoção mariana, algo muito forte no meio jovem”, detalha Evangelista. O objetivo destas atividades é mostrar ao jovem que a Igreja é um lugar que ele pode discutir suas angústias e necessidades.

“É uma data para celebrar a vida e a juventude”, aponta Padre Flávio José, um dos coordenadores do evento deste domingo, que atua com jovens desde os 15 anos de idade ? muito antes de se tornar um sacerdote. “O tema apontado pelo DNJ caiu muito bem, favorável para uma sociedade tão violenta e sem Deus que estamos vivendo. É um dia para celebrarmos a vida e o que o jovem tem de melhor”, assegura o religioso.

Cultura de paz

A proposta do DNJ é fomentar nos jovens o diálogo, de escutar e se colocar no lugar do outro. Uma postura que gere empatia. “Caminhamos a partir das luzes do Evangelho, que favorecem esta questão do diálogo, de escutar, afastar os julgamentos e preconceitos e fazer esta primeira experiência de acolhida e misericórdia. Uma vez armados destes sentimentos, já está havendo uma certa promoção da paz. Assim que estes elementos são assimilados, tornam-se um costume na vida do jovem que se desdobra em todos os ambientes em que ele vive”, pondera Evangelista.

Para Padre Flávio, a juventude precisa de espaço e, quando encontra este espaço, consegue gerar vida. “A sociedade é quem muitas vezes impõe estes elementos que fazem com que eles se insiram neste universo da violência. Mas, em sua essência, os jovens são da paz. Querem viver a vida. E possível superar a violência e tudo que é negativo quando eles têm espaço”, garante.

É fato, porém, que todos estes problemas de violência e exclusão social que assolam o mundo também atingem mesmo aqueles que vivem o que a Igreja pede. “Percebo que Igreja e mundo são coisas entrelaçadas. O jovem que vai à Igreja é aquele que também precisa pegar ônibus, pagar a faculdade e que mora num lugar que não favorece o seu desenvolvimento”, lamenta o assessor.

Por outro lado, a Igreja traz vida a esses jovens. Nela, eles podem muitas vezes reduzir esta falta que o mundo por vezes traz àqueles que estão dando os primeiros passos a uma vida adulta. “Acredito que o mais bonito da Igreja, o eixo de sua proposta e do Evangelho, é trazer vida a essas pessoas. Ela abre suas portas para favorecer o protagonismo do jovem. Quando nos aproximamos da proposta da Igreja, ela é de libertar os jovens e alavancá-los, impulsioná-los para que estudem e trabalhem, quer vê-los felizes”, assegura.

A Igreja, para o padre Flávio, deve ir ao encontro dos jovens. “O que falta muito é a acolhida. Isto sim ajuda a tirá-los do mapa da violência e os ajuda a viver melhor”, aponta o religioso. “Quando se compreende isto, você compreende toda a entrega de Jesus à cruz”, reitera Evangelista.

Via Canção Nova




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *