Search
quinta-feira 26 abril 2018
  • :
  • :

Dez anos da morte de Chiara Lubich. Cardeal Parolin: carisma sempre atual

“Chiara era uma amiga, uma irmã, uma mãe, uma pessoa cheia de Deus e muito simples”: com estas palavras, Maria Voce, presidente do Movimento dos Focolares recordou ontem a fundadora, Chiara Lubich, no décimo aniversário de sua morte.

A escolha de Deus: único ideal da vida

Nascida em Trento, em 1920, aos 23 anos Chiara consagrou sua vida a Deus, e viu nascer na sua cidade natal a primeira comunidade inspirada nos primeiros cristãos com um só vínculo: o amor evangélico identificado pela plena comunhão de bens materiais e espirituais. “Escolhemos Deus como único ideal da nossa vida, um ideal que não decepciona”, costumava dizer às suas companheiras, na época em que a experiência comunitária se alargava pela Itália e Europa e a espiritualidade da unidade – fundamento do carisma -, penetrava também entre outras Igrejas e denominações cristãs, iniciando o chamado “ecumenismo do povo”.

Fraternidade universal

Desde o início do Movimento, Chiara nos ensinou duas coisas: “que Deus é Pai de todos e por isso somos todos irmãos” – destaca Maria Voce – explicando como o desejo de Chiara ao amor recíproco no modelo de Jesus, ou seja, até dar a vida, conseguiu conquistar pessoas de outra fés e mesmo os não crentes, que “fazem parte da grande família do Movimento”, encontrando no Movimento a fonte de inspiração e de estímulo a colaborar para a tutela dos valores universais como a paz, a justiça, a liberdade e a proteção da criação.

A força espiritual de Chiara a serviço da Igreja

Uma grande força espiritual capaz de atrair multidões de várias idades, classes sociais e culturas. Essa força animava Chiara e os frutos podem ser vistos ainda hoje, também na Igreja. O cardeal Parolin recorda que a obediência e a docilidade da fundadora dos Focolares para com a Igreja – mesmo nos momentos difíceis – é evidenciada pela grande atenção que os Pontífices, desde Paulo VI até o Papa Francisco, deram-lhe oferecendo sempre apoio e encorajamento ao Movimento. Por ocasião do seu falecimento Bento XVI enviou um telegrama no qual evidenciava seu “empenho constante pela comunhão na Igreja, pelo diálogo ecumênico e pela fraternidade entre todos os povos” – e sua “existência vivida na escuta das necessidades do homem contemporâneo em plena fidelidade à Igreja e ao Papa”.

O estilo mariano e o conceito de unidade

Cardeal Parolin acrescenta que Chiara deixou duas grandes contribuições à Igreja: ter aprofundado e tornado vivo o “perfil mariano constitutivo da Igreja como também o apostólico” e a forte e inovadora chamada à unidade – “Que todos sejam um só para que o mundo creia” – construído e possibilitado pelo “segredo” do amor recíproco, a “regra de ouro” que o próprio Jesus nos ensinou com o “não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você”.

Centenas de eventos no mundo para o aniversário

Hoje em dia, passados dez anos da sua morte – cuja causa de beatificação e canonização já foi encaminhada – tudo isso é muito vivo e forte entre os membros do Movimento – mais de 2 milhões de membros e participantes em 182 nações – que celebraram a data com várias iniciativas nos quatro continentes. Em Roma, ontem, às 18h30 junto ao Santuário do Divino Amore, o cardeal João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para a Vida Consagrada, celebrou uma Missa para recordar Chiara.

Por Vatican News




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *