Search
quarta-feira 22 novembro 2017
  • :
  • :

Cuidado com os vícios e ambições de poder que sufocam Deus, alerta o Papa

Milhares de pessoas rezaram neste domingo o Ângelus com o Papa Francisco, o qual em sua breve reflexão falou sobre a parábola do Semeador e convidou a não deixar sufocar a presença de Deus pelos vícios do mundo e as ambições de poder e riqueza.

“Perguntemo-nos se o nosso coração está aberto para acolher com fé a semente da Palavra de Deus. Perguntemo-nos se em nós as pedras da preguiça são ainda numerosas e grandes. Devemos encontrar e chamar por nome as sarças dos vícios”, disse o Papa.

Sobre a figura do Semeador, disse que é Jesus que “propaga com paciência e generosidade a sua Palavra, que não é uma gaiola ou uma emboscada, mas uma semente que pode dar fruto. E como pode dar fruto? Se nós a acolhemos”, explicou.

Francisco afirmou que Jesus realiza uma “radiografia espiritual do nosso coração, que é o terreno sobre o qual cai a semente da Palavra”. “O nosso coração, como um terreno, pode ser bom e então a Palavra dá fruto, mas pode ser também duro, impermeável. Isso acontece quando ouvimos a Palavra, mas ela bate com força sobre nós, como numa estrada”.

“Entre o terreno bom e a estrada existem dois terrenos intermédios que, de várias medidas, podem, nós podemos ser”.

O Papa disse que o primeiro é o “pedregoso”: “é o coração superficial, que acolhe o Senhor, quer rezar, amar e testemunhar, mas não persevera, se cansa e nunca decola. É um coração sem consistência onde as pedras da preguiça prevalecem sobre a terra boa, onde o amor é inconstante e passageiro”.

O outro tipo é o “espinhoso”, “cheio de sarças que sufocam as plantas boas”. “O que essas sarças representam?”, perguntou-se. “A preocupação do mundo e a sedução da riqueza”.

“As sarças são os vícios que lutam com Deus, que sufocam a presença: sobretudo os ídolos da riqueza mundana, o viver com avidez, para si mesmo, para o ter e o poder”.

O Bispo de Roma assegurou, então, que “se cultivamos essas sarças, sufocamos o crescimento de Deus em nós. Cada um pode reconhecer as suas pequenas ou grandes sarças que não agradam a Deus e impedem de ter um coração limpo”.

“Jesus nos convida hoje a nos olharmos por dentro, a agradecermos pelo nosso terreno bom e a trabalharmos os terrenos que ainda não são bons”.

O Papa convidou os fiéis a encontrar “a coragem de recuperar o terreno, levando ao Senhor na confissão e na oração as nossas pedras e nossas sarças”.

Ao terminar, o Santo Padre recordou que ontem foi celebrada Nossa Senhora do Carmo, “insuperável em acolher a Palavra de Deus e colocá-la em prática” e pediu que “nos ajude a purificar o coração e conservar nele a presença do Senhor”.

Por ACI Digital




Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *